Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Sociedade

António Bagão Félix

25 de Janeiro de 2018, 09:00

Por

Silêncio: direito e dever (II)

Fala se tens palavras mais fortes do que o silêncio, ou então guarda silêncio Eurípedes   O silêncio é agora urbi et orbi quebrado pela autocracia do som, ainda que musical. Na espera nos telefones onde nos impingem músicas e ritmos que não pedimos e que nunca ouviríamos, a maior parte das vezes para intervalar um serviço de atendimento permanentemente entupido ou deficitário de qualidade. Uma pessoa em desespero e luto é agredida com um alegre folclore ou música pimba… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

24 de Janeiro de 2018, 17:06

Por

Ouro: Uma relíquia do passado?

Certamente. Mas fará sentido que Portugal, um dos países com as maiores reservas de ouro do mundo (13ª posição), aliene as suas reservas de ouro? Existem várias razões para manter as reservas de ouro. Note-se, em primeiro lugar, que o sistema de moeda fiduciária sem convertibilidade, baseado no dólar, é relativamente recente: ocorre com a decisão do presidente Nixon de abandonar esse padrão em 1971, há “apenas” quase 47 anos. Não que se advogue o regresso ao padrão ouro, mas… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

22 de Janeiro de 2018, 08:54

Por

Silêncio: direito e dever (I)

É melhor ficar em silêncio e ser […], do que dizer e não ser (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Efésios) Acabei de ler um notável livro no qual é entrevistado o cardeal guineense Robert Sarah, e que muito me fez reflectir. O seu título é bem sugestivo: “A força do silêncio contra a ditadura do barulho” (Princípia Ed., Abril 2017). Há dias, estive num estádio de futebol. Antes do jogo, um escasso minuto para homenagear simbolicamente um jovem atleta… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

21 de Janeiro de 2018, 21:20

Por

Mais uma proposta de reformas para a Zona Euro que não convence

Um grupo de especialistas franceses e alemães, sobretudo académicos, acaba de publicar um relatório onde são propostas reformas para a zona euro, nomeadamente sobre: União Bancária; dívida soberana dos países membros e regras e instrumentos da política orçamental; e governo da zona euro. Destacam-se seis medidas concretas: (i) aprofundamento da União Bancária com o objectivo de reduzir o “nexo causal” entre banca e soberanos, i.e., assegurar que uma crise de dívida soberana não afecte o sistema bancário doméstico e vice-versa; (ii)… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

18 de Janeiro de 2018, 09:48

Por

O maior dos défices: o de nascimentos

  Toda a gente admira a obra de um grande artista e ergue-lhe mesmo às vezes o monumento a confirmar. Mas nunca ninguém ergueu um monumento a um homem e a sua mulher por terem gerado um filho, que é obra infinitamente maior (Vergílio Ferreira, Pensar, 1992)   Não é demais falar no défice de nascimentos. Até porque o assunto dificilmente sobrevive a umas somíticas notícias, embora seja fundamental para o nosso futuro colectivo e para a sustentação geracional do… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

17 de Janeiro de 2018, 20:33

Por

Preparar o debate europeu

Uma das questões chave abordadas no pré-acordo da coligação na Alemanha, como aqui já antes se referiu, assentou nos contornos sobre o futuro da Zona Euro e da União Europeia. Wolfgang Münchau faz apreciação positiva, mas com ressalvas, do acordo. Realça o facto do tema Europa aparecer em primeiro lugar e sublinha as alterações que entende significativas, nomeadamente a disponibilidade da Alemanha para aumentar a contribuição para o orçamento comunitário e o que Münchau interpreta como a aceitação, pela Alemanha, que… Continuar a ler ›

Tópicos

Pesquisa

Arquivo