Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Outubro 2017

António Bagão Félix

23 de Outubro de 2017, 08:48

Por

A aldeia desprezada até ao tutano

Perda de vidas e de haveres de trabalho árduo em vilas e aldeias de Portugal são a mais negra expressão de uma “modernidade” injusta, discriminatória e divisória. Nesta “modernidade” a cidade esmaga a aldeia, o interior esvazia-se e o litoral atafulha-se, o consumo desenfreado erradica a poupança geracional, a exaltação do novo definha o respeito pelo velho, a memória esvai-se na ditadura do presente e até o valor útil da vida se hierarquiza e a morte é desigual. Um qualquer… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

22 de Outubro de 2017, 12:35

Por

Mutualização da dívida europeia: o que podemos aprender da experiência nacional? (Parte II)

Na parte I desta análise procurou-se, de modo simplificado, realçar as vantagens que um modelo generoso de mutualização da dívida europeia teria para um país, como Portugal, com dívida pública e externa muito elevadas. De entre os efeitos positivos, destaca-se a descida significativa da despesa com os juros da dívida pública, logo no défice, e a redução da dívida pública e da dívida externa: em termos nominais, do peso da dívida pública e da dívida externa líquida em 37,2 p.p…. Continuar a ler ›

Francisco Louçã

20 de Outubro de 2017, 15:29

Por

Que tal seguir exemplos espanhóis (nos fogos)?

O Conselho de Ministros discute no sábado uma prometida reforma da protecção civil. É importante mas, se for só o caso, será pouco. O desleixo das queimadas, conjugada com a vaga de terrorismo incendiário na noite de 15 de outubro, agravada pela desorientação dos mandos da protecção civil perante crises extremas, indica que precisamos de mais do que respostas circunstanciais. Ora, apesar de seguro da vitória confortável na moção de censura do CDS – que Costa só pode agradecer, veio… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

19 de Outubro de 2017, 09:00

Por

À volta do Orçamento do Estado (II)

Aumenta o peso da tributação indirecta face à directa, o que é adequado. Quanto ao IRS, finalmente e aos soluços, termina a sobretaxa. Há alguns justos agravamentos de “impostos sobre o pecado” (bens nocivos para a saúde), mas há uma previsão global demasiado optimista de 4,6% nos impostos indirectos (1 pp acima do PIB nominal). O IRS é constitucionalmente um imposto progressivo e redistributivo. Mas, por força de sevícias de toda a ordem, é cada vez mais uma manta de… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

18 de Outubro de 2017, 18:43

Por

Mutualização da dívida pública europeia: o que podemos aprender da experiência nacional? (Parte I)

A mutualização da dívida pública europeia (refiro-me aqui somente à dívida pública dos países membros da zona euro) tem estado em discussão, nos últimos anos, em diversos foros. Várias propostas e/ou análises, sobretudo de natureza académica, têm sido apresentadas a nível internacional, sendo de destacar, a de um “grupo de peritos sobre o fundo de mutualização de dívida e títulos de dívida em euros”[1], nomeado pela Comissão Europeia em Julho de 2013. Portugal está fortemente endividado ao exterior, com níveis… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

16 de Outubro de 2017, 19:00

Por

Venha um superministério para combater o fogo

Em guerra não se limpam as espingardas e em tempo de combate ao fogo o que é preciso é apagá-lo. As jogadas para aproveitar a catástrofe são por isso prova de ruindade, como antes o fora a invenção dos “suicidados” de Pedrógrão Grande. A ministra tem de concluir as operações contra os fogos em mais esta semana trágica e não tem sentido mudar de responsável no meio do rescaldo. Mas mal vai o governo se pensa que a questão se… Continuar a ler ›

Tópicos

Pesquisa

Arquivo