Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

António Bagão Félix

30 de Março de 2017, 09:11

Por

Correcção política ad nauseam

A linguagem politicamente correcta continua a expandir-se em extensão e compreensão. Abarca quase todas as áreas, incluindo a religiosa, talvez com a excepção do futebol onde predomina o chico-espertismo umas vezes mais rasca, outras vezes mais diplomático.

Na linguagem gestionária e na economia é notória a invasão, acantonamento e militância da correcção política. No debate de há dias na AR, o Primeiro-ministro garantiu que não haverá despedimentos na CGD, respondendo a Jerónimo de Sousa. Haverá – tão-só – reformas antecipadas e rescisões amigáveis, disse. Um feito, direi, fechando balcões, reduzindo estruturas e eliminando postos de trabalho. Verdade seja dita que a sua resposta foi a habitual de políticos e gestores nas mesmas circunstâncias. Hoje, para gáudio da correcção política, não há despedimentos, apenas “rescisões por mútuo acordo” (convencionalmente amigáveis) e reformas generosamente antecipadas ou, numa visão global, falar-se-á de uma “reestruturação” (com o indispensável prefixo re) ou downsizing (em modo anglófono e erudito). Obviamente, tudo polvilhado com “flexibilidade”.

Exaustivamente replicada há, também, a consagradíssima classificação das pessoas nas organizações como “recursos humanos”, que, bem vistas as coisas, está cada vez mais adequada à lógica pura e dura de coisificar o trabalho e de se ser mero meio ou instrumento e não sujeito e fim das acções. Nós não somos recursos (humanos). Os nossos recursos é que são humanos.

Curiosa é também a expressão estatística de “trabalhador desencorajado” que é o desempregado que desistiu de procurar activamente trabalho, depois de muitas e infrutíferas tentativas. Estatística e politicamente, esta classificação permite retirar este desempregado (da população activa) para não desempregado (na população inactiva). Prevejo que, dentro em breve, o Eurostat venha até a classificar um desempregado como “alguém em transição entre empregos” …

Entre um vasto rol de expressões politicamente correctas na gestão e economia, refiro algumas das mais usuais: em termos de pirueta matemática, “crescimento zero” ou, mais atrevidamente, “crescimento negativo” em vez de estagnação ou recessão económica (na mesma lógica, prevejo o gastador passar, generosamente, a “poupador negativo”); “consolidação orçamental” que, quase sempre, continua a significar défice, apenas mais pequeno e nem sempre escorreito; “livro branco”, instrumento muito usado para simular ou procrastinar decisões (e que pode ser conjugado com outras cores, como o verde e azul, e o notável “no paper” eurocrata); “imparidade”, termo que tanto pode ser usado no seu verdadeiro sentido técnico, como ser alargado a flagrantes erros de gestão, fraudes e outras maquinações; “descontado” que é o que se diz de um facto ou efeito já concretizado e que constitui hoje uma poderosa arma de previsão económica … a posteriori; “arquitectura organizacional”, mistura explosiva de belas-artes com o agora costume de adjectivar um substantivo com o maior número de letras e que, não raro, faz jus ao lampedusiano teorema de que é preciso mudar algo para que tudo fique na mesma; “engenharia financeira”, que, muitas vezes, não passa de serralharia…; “customizar”, um anglicismo que dá jeito para algumas ilusórias técnicas de venda em que se faz-de-conta que o cliente conta; “sinergia” que ora se usa no seu verdadeiro sentido ou se emprega para disfarçar conflitos de interesses. Claro, tudo isto bem “focado” e “alavancado”…

Ah! A mais recente: “economia colaborativa”, onde se inserirá, creio, a Uber.

Comentários

  1. Tenho uma enorme admiração pelo Dr. Bagao Félix que consegue com a sua enorme cordialidade ser acertivo e pôr o dedo na ferida de uma forma clara e independente obedecendo apenas à sua consciência e que muito contribui para o nosso esclarecimento sendo ele uma pessoa que sabe do que fala ao contrário de muitos que só fazem ruído para nós desinformar .

  2. Acho que está a confundir o politicamente correcto com eufemismos. Creio que a intenção do primeiro é tentar conter o discurso primário, para o qual se resvala tão facilmente; o segundo, é só para endrominar a malta.

  3. Há piores. “Financiamento”, “ir aos mercados”, “vender dívida”, “injecção de capital” que querem todos dizer “pedir dinheiro emprestado porque se gastou mais do que o que se podia”. E até não me importo que os políticos usem essa linguagem. O que me importo é que a comunicação social não a desmonte e fale como eles.

  4. Muito interessante e de fina ironia para lá do pesadelo que as situações enunciadas possam ser na realidade como “inconseguimentos”

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo