Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Fevereiro 2017

Ricardo Cabral

22 de Fevereiro de 2017, 10:34

Por

Merkel & Companhia

Angela Merkel, numa intervenção na passada sexta-feira no âmbito da 53ª Conferência de Segurança de Munique, veio secundar a opinião de Wolfgang Schäuble, ao reconhecer que a baixa cotação do euro ajuda as exportações alemães, mas argumentando, tal como o seu ministro das finanças, que o governo alemão não interfere na definição da política monetária da zona euro. É no mínimo decepcionante que Angela Merkel adopte esta estratégia de defesa aos ataques da nova administração Trump. É uma resposta baseada… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

21 de Fevereiro de 2017, 11:55

Por

O mistério Domingues

António Domingues tornou-se para mim um denso mistério. Não o conhecendo pessoalmente, não tinha sobre ele qualquer parti pris, mas, sabendo do seu desempenho no BPI, elogiei a sua escolha para a CGD. Pareceu-me vantajoso sair do labirinto das nomeações políticas, escolher gestores com provas dadas e começar uma nova fase na Caixa. Esperava tranquilidade, cuidado e estratégia. A primeira desilusão veio com a escolha dos 19 membros do conselho de administração (que o governo aceitou, e mal), incluindo representantes… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

20 de Fevereiro de 2017, 10:16

Por

Erro de percepção mútuo

“Erro de percepção mútuo” é um novo eufemismo na política portuguesa. Algures entre inverdade, mentira entre aspas, omissão, inexactidão, lapso ou “e-mentira”. Como o adjectivo foi dito no masculino (“mútuo”) poderemos concluir que se refere ao erro, ao contrário do que foi noticiado com o adjectivo no feminino, logo associado à percepção. Foi no que deu uma troca de mensagens, vulgo SMS. Escreve-se A e percebe-se B e, ao invés escreve-se B e percebe-se A. Ou seja, uma das partes… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

19 de Fevereiro de 2017, 17:05

Por

“Exactamente errados” na frente orçamental?

Num post de Abril de 2016, sobre as contas públicas nacionais, argumentei que o défice público poderia mesmo ficar abaixo dos 2% do PIB. Fazer projecções para o ano, com base na execução dos três primeiros meses, envolve sempre elevado grau de incerteza, é certo. E, deparei-me, na altura, com um profundo cepticismo. Parece-me que, nessa altura, nem mesmo o Governo acreditava que a execução orçamental iria correr bem. Hoje sabe-se que, embora em parte consequência dos resultados, não recorrentes,… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

17 de Fevereiro de 2017, 10:25

Por

O cão que corre atrás da sua cauda

A notícia da semana é a excitação e não os factos que excitam – e o facto é que essa notícia só diz e muito sobre a cumplicidade entre alguma política e o entretenimento. Nos próprios factos, a bem dizer, não há nada de novo. Já se sabia de tudo: que Domingues e a sua administração exigiram uma lei feita à sua medida, que o governo fez um acordo para os satisfazer alterando o Estatuto do Gestor Público, que aqueles… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

16 de Fevereiro de 2017, 07:42

Por

Hoje, escrevo por defeito (e à condição)

Com ou sem acordo ortográfico, ouvem-se e lêem-se, com frequência, expressões de modismos mais ou menos tecnocráticos e de anglicismos forçados. Sobretudo no futebol, propaga-se em toda a linha, o paupérrimo “à condição”. É assim que se diz e escreve em quase todo o lado, quando, por exemplo, uma equipa fica “líder à condição”. Os entendidos da bola teimam em falar de classificações antes de concluída uma qualquer jornada, usando aquela deficiente expressão. Confesso que tenho saudades do tempo em… Continuar a ler ›

Tópicos

Pesquisa

Arquivo