Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Francisco Louçã

28 de Fevereiro de 2017, 14:31

Por

Com copinhos-de-leite não vamos lá

A direita tem-nos dado grandes figuras a que a nossa Pátria se desbarreta. Aristocratas altivos, os que escarnecem dos indígenas, esses seres espessos de estupidez e que assistem, embasbacados, ao pagode que vai de Belém a S.Bento – que saudades do Pulido Valente. Intelectuais ilustres, que abominam a escola com recreios barulhentos, onde se poluem os valores da educação e da hierarquia – que saudades da Fátima Bonifácio. Europeístas raçudos, desses que, com o vigor de uma pena, evocam um Tratado e arrasam os incréus – que saudades do Paulo Rangel. Mas, infelizmente, estas e outras figuras gradas da Pátria são enxovalhadas pela falta de comendas ou exiladas em colunas na imprensa de segunda ordem. Pior do que tudo, o seu destino celestial, conduzir Portugal, foi perturbado por uma conspiração soez da turbamulta que nos impôs esse “primeiro-ministro literalmente indescritível” e um parlamento “dominado por gangues”.

Só sobram entretanto uns rapazolas de má catadura que prometeram muito, agora é que a direita vai agigantar-se, acaba-se com o politicamente correcto, varrem-se as feministas, calam-se os reles sindicalistas, defenestra-se a universidade. Mas, que tristeza, ficam-se pelas encolhas, envergonhaditos, umas palavras aqui, umas graçolas ali, e vamos para casa que se faz tarde.

Venho portanto protestar, com estes copinhos-de-leite isto não se endireita. Prometeram guerra e nem um abanão. Garantiram limpeza e nem um arrepio. Levam a vida nisto: a falta que um liberal a sério faz a Portugal, ia tudo raso, eu ofereço-me mas fica para amanhã que hoje dá bola na televisão.

Na toada, um deles resolve ameaçar quem dele discorda. Temos duelo? Pelo menos uma bordoada? Nada, o menino ameaça “atirar-se ao chão a rir”. Coitadinho, tem três anos? E se suja o bibe? Alguém tem de lhe dizer que nem as crianças se atiram ao chão a rir. O homem já tinha tentado tudo, mas sobretudo desmerecer as mulheres: que desplante, fêmea a dirigir um partido só se for pilotada por um homem. A filosofia caisdosodré anos 1950 ainda produz destas criaturas: em resumo, atira-se ao chão a rir. Copinho-de-leite.

Outro está de atalaia à dissidência religiosa. O capitalismo é uma santa igreja e, se fulano não tem fé no euro, que isto está a correr tão bem, se não abjurou as indecências pagãs, fogueira com ele. Sim, a condenação é tremenda, mas e depois? Tudo se fica por uma lamúria, pode ser que Frankfurt lá nas alturas se condoa do esforçado acólito e acuda às suas preces, fulminando o herege. E, prontos, feita a queixinha, vai para casa que logo há bola. Copinho-de-leite.

Como fazem falta direitistas a sério, liberais de porrada, capazes de terçar verbos, de mostrar que a esquerda é insana, que o mercado é inteligente, que a democracia deve tudo aos sábios! Mas não. O melhor que temos são cómicos. Muita pose e muita prosa mas, vai-se a ver, são giros. Nunca sabemos se têm uma ideia ou se é uma piada, eu agora vou ali fazer a primeira parte de Ricardo Araújo Pereira (que distribui a sua generosidade sabendo perfidamente como assim corrompe essa direita). Uns copinhos-de-leite.

Diz-nos quem sabe destas alt-direitas que “felizmente por cá não aconteceu o contágio”. Pois que pena. Ao menos não seriam copinhos-de-leite, denunciariam, mobilizariam hordas incendiárias, mostrariam como os bons católicos detestam os islâmicos e o Papa, tudo por junto. Deviam berrar como um presidente de clube de futebol, afinal calam-se com uma chalaça. Falta-lhes garbo e sobram-lhes dichotes e, pronto, ficam à espera da 2ªf para discutirem os resultados da bola. Copinhos-de-leite.

PS- Tenho que confessar aos leitores uma declaração de interesses: tenho um trato secreto com estes jovens da ala mansa da alt-direita, eles prometem-me traulitada aqui no Público (só uma vez na semana passada?) e no Expresso (foi melhor, uma duas três vezes numa semana), para não esquecer o Diabo, o Observador e o Sol. Assim fazem carreira e eu vou tendo publicidade fácil. Os meus amigos achariam que me estaria a perder se não houvesse esta metralha regular e não sei se os meus colegas conselheiros aceitariam olhar-me nos olhos se faltassem os dichotes dos jovens turcos, sem ofensa para os turcos. Paródia por paródia, o enredo desta sempre é caseiro.

Comentários

  1. RETORNO AO FRANCO

    O que aconteceria com o escudo? O Professor Louçã, conjuntamente com o Prof.Ferreira do Amaral, já
    estudaram o assunto. O que a aconteceria com o retorno ao escudo? “Le Monde”, em 01.03.2017, analisou as consequências do retorno ao franco.

    1. A pergunta que se faz: se o euro não trouxe a prosperidade, o que impede o retorno ao franco?
    Não há consenso. Os prejuízos da saída do euro são enormes, mas que vantagens se retirarão do
    retorno ao franco?

    2.Impactos da saída da França do euro
    Avançou-se com o referendo,como no caso do Brexit. Já tem nome: Frexit, como os gregos que quase iniciaram
    o Grexit em 2015.
    Avança-se que, de acordo com a Teoria das Expectativas Racionais, em França o processo de condução ao
    referendo levará, por si só, à recessão com depreciação da moeda(de 10% a 30%) e perigo de contágio ao
    vizinho Itália.

    3.A depreciação do franco trará competitividade à economia, a médio prazo, mas os efeitos de curto prazo trarão
    um aumento das matérias primas.

    4.A situação das famílias

    As importações, face à desvalorização do franco, tenderão a subir em termos de custos. As poupanças
    perderão valor real.
    Os empréstimos bancários tornar~se-ão mais caros, com os bancos a financiarem-se a taxas mais elevadas.
    Sendo de repartição o sistema de pensões francês, o montante das pensões, entretanto convertido em francos,
    não seria afectado a curto prazo, embora tal não seja garantido para o médio prazo, dependendo da evolução
    do emprego.

    5.A evolução da Dívida Pública

    Os investores estrangeiros passariam a exigir taxas de juro mais elevadas.O custo do financiamento da Dívida
    subiria para 30 mil milhões de euros por ano.

    FONTE: “LE MONDE”, 01/03/2017.
    /

  2. Ainda bem que a geringonça não colapsou nos primeiros meses. Se tivesse colapsado, não teríamos o prazer de ver Louçã como banqueiro.

    1. Muito obrigado pela sua simpatia, sei como é sincera. Mas fazer um parecer sobre um relatório anual ainda não é ser banqueiro.

  3. Caro Francisco Louçã,

    Nestes tempos difíceis que atrevassamos, com a escandaleira dos EUA, da Casa Branca, desta coisa hilariante SEM NOME do tal sujeito que escreve livros, enfim, com ideias do marketing que lhe apetece e sei lá, enfim, realmente não há palavras, de repente ele é o presidente do EUA, sei lá. Eu devo dizer que.

    Depois, há outra coisa, aqui na minha qualidade de engenheiro informatico, já percebi que ouve aqui qualquer coisa que não bateu bem. Não sei de facto do que se passou. De repente, quando mandei a resposta o site deste blog responde com uma mensagem erro a dizer que eu estava a postar muitas respostas, para tentar mais tarde.

    Portanto, na minha qualidade de engeheiro informático assumo, portanto pura e simplesmente assumo que houve um erro ou um problema técnico qualquer com o website, não percebo. Escrevo demais? Não percebo. Mas de facto, como engenheiro informático, que sou, assumo que foi um problema técnico. Ou então, não sei. Acho que assumir que era uma sabotagem era de facto um exagero gigantesco. Assumo que foi um erro técnico com o website. Não percebo.

    Mas de qualquer maneira, estava precavido, foi previdente, e agradecia que ficasse a mensagem com esta explicação, enfim, no meu ícon podem aceder ao meu blog, mas com a vossa permissão deixava aqui o link do posto deste embaraço. E espero, sinceramente, que não volte a acontecer. Seria muito estranho.

    Até porque eu vivo mesmo numa situação muito difícil, apenas com um laptop, pronto, vá, tenho a certeza que irão entender um pouco mais quando lerem estas palavras também que tinha ainda agora acabado de escrever à Luísa da Rádio Comercial para ver se lá na RTP, quem está lá na direção, vê se tem juízo e vá, que se informe de facto um pouco à sua volta, enfim, de responder prontamente com uma resposta de um parágrafo começada por Sr. Daniel Alexandre. Na RTP, parece que é assim. É assim que isto vai e já está. Mas, há que dizê-lo, no Saldanha, nomeadamente na Clínica do Tempo não é assim. Faz toda a diferença. Há que dizê-lo. Faz toda a diferença. Ao menos lá, pelo menos lá, no Saldanha, em Lisboa, nessa clínica que me foi recomendada por uma pessoa até porque há pessoas que escrevem livros, que são DJs da Antena3, jovens, mas boas, escrevem livros pequenos mas muito bons e existem. Nomeadamente essa DJ de facto não é uma qualquer. Não é. Ela não é uma qualquer. Ela é uma atriz,ela também é DJ, portanto, informem-se lá na RTP. Ela é DJ e actriz, vá, na Antena3, informem-se, enfim, é da família Espírito Santo. Não é uma qualquer. Ela não é uma qualquer. Ela é a Ana Brito Cunha. Ela disse na televisão, na minha presença que tudo na vida e na natueza menos cobras. E levou mesmo um tiro no pé, passado uns dias. Há sim. Há sim. Há assim. O senhor dos fractais, do fractal Mandlebot fez umas piadas e umas graçolas sobre um CROP CIRCLE que lhe era mesmo dirigido a si e não caiu nada bem. Passado pouco tempo, sem motivo aparente, sem nenhuma doença, nem a morrer velhinho, morreu. Não se pode. Há assim. Eu também não um qualquer. Vos garanto. Há assim.

    Agradeço então, que leiam este ‘post’ e depois então, vamos ver. Se algo acontece ou não. Porque a coisa assim é que não fica. A coisa não fica assim. Como disse, nem eu nem a pessoa de que eu a estava a falar, a actriz Ana Brito e Cunha são uma qualquer.

    Portanto, haja respeito!

    https://osenhord.wordpress.com/2017/02/28/solid-as-a-rock/

    É pá, impressionante. Tava aqui, no meu laptop e vai tive que vir ver se estavas cá. E estava hesitante. Ela está lá ou não? Mas eu sabia, algo me dizia que estavas cá. Sabia. Uma coisa inexplicável. Sabia que estavas cá. Vim cá mesmo para tirar as teimas. Eu sabia. Quando vim cá, disse a mim mesmo, vais ver que ela está lá. Vais ver, Daniel, A Luísa, a portanto, a Ana Luísa Barbosa, tu portanto, eu sabia, disse a mim mesmo, vais ver que ela está lá. Tu vais ver. Ela está lá no face, portanto, no facebook. Vais ver, a Luísa, ela está lá. Eu sabia. Eu sabia. Eu sabia que estavas aqui, no face. E vim, cá. Vim cá visitar-te. E estás cá. Não há dúvida. Luísa, tu estás cá. Tu estás aqui no face. Eu sinto uma coisa muito especial por ti. É inexplicável. Não tem nada a ver com sexo, não é por nada, mas não temnada a ver com sexo. Estaria a mentir se dissesse que sim, que era uma coisa sexual. Adoro-te. É inexplicável. Eu adoro-te. Tive que vir cá, ao face. Adoro-te. É mesmo muito bom gostar de ti assim. É amor, eu gosto realmente de ti. Eu gosto muito de ti. E já agora, não é por nada, mas pronto é verdade, és a razão de eu ouvir-te na rádio. Eu gosto de ti. Gosto de ti. Eu gosto. É por causa de ti que eu ouço a emissão. É verdade. É essa a verdade. Às vezes fico só a olhar para ti, aqui face. Faz-me muito bem, nestes tempos difíceis e loucos do que sabemos. Portanto do fenómeno. Portanto, do sujeito que escreve esses livros de marketing como o “Think Big, Kick Ass”. Uma pessoa não sabe mesmo o que há de dizer. Ele tweeta mesmo do WC, e não sabemos se vai fazer selfies. É hilariante. A minha alma está parva. Ele o presidente, na White House. O que é que uma pessoa diz. Ele tweeta e escreve livros de marketing? É hilariante. É absurdo. Eu acho que isto vai dar merda, desculpa dizer assim. Isto vai dar impeachment. Fico mesmo passado. Nem gosto de usar estas palavras. Até os filtros do facebook e dos seus algoritmos pode e vai e pode dar bronca. E vai dar. Na minha concepção do mundo, vai mesmo. Vai dar sarilhada, da boa e da grossa. É incrível. E mesmo da RTP não sei sinceramente o que dizer. Eles respondem a uma queixa formal e a uma exigência minha de um pedido formal de desculpas, com um parágrafo a começar por Sr. Daniel Alexandre e depois a dizer que recebem muitas mensagens no paxvoice. E portanto já está. Isto não vai ficar assim. Não vai mesmo. Não vai mesmo. Isto não fica assim. Isto não se admite. Quer dizer, eu nem sequer sou uma uma Sra. Raquel Varela que pode, vá, falar na televisão. Nem sequer ser uma Sra. Inês Pedrosa, que pode, vá, sem dúvida, falar na televisão. Então, eu sou o quê? Eu sou o Sr. Rui Zink que escreve o Suplente e a Espera. Portanto, eu sou um Sr. desse género. Sou um desse género. Mas, não sendo o Sr. Rui Zink, que escreve o Hotel Lusitano e o da babilónia e o do só não me digam que o nosso hotel babilonia vai ter essas chamadas de conferencia, portanto, chamadas de conferencias por telefone, que vamos ter salas de chat telefónicas. Quer dizer. Portanto, eu sou apenas o Sr. Daniel Alexandre que só pode telefonar para a Antena1, para o Candeias, insistentemente, para falar o tal minutinho, ou cinco minutinhos sem ser interrompido. E pronto, uma pessoa fica sem palavras. Pronto, fica mesmo. Portanto eu só posso falar com o laptop, com a fantástica ALEXA, tenho que ser irónico, portanto eu não digno da televisão. Isto não fica, assim. Eu já ando a trabalhar com Maria Rueff, isto não aqui não há brincadeiras, nem confusões nem mais nem menos tweets. Isto não fica assim. Não fica. Eu vou escrever ao nosso presidente Marcelo Rebelo de Sousa porque literalmente eu não posso aceder à Justiça Portuguesa. Eu não posso, literalmente, interpôr para um orgão de soberania, portanto para um Juiz, para um tribunal em Portugal, uma providência cautelar à RTP ou ao Prós e Contras – RTP ou à Dra. Fátima Campos Ferreira, de quem gosto mesmo muito, pessoalmente, é verdade, há que dizer. Mas não pode ser. Acho que isso ainda existe em Portugal, juízes, tribunais, leis, providências cautelares, recursos, enfim, isto não pode ficar assim, mesmo. Não pode. Eu sei que por lei, não me posso estar impedido de aceder à Justiça, em Portugal. Eu sei disso. Portanto, isto não vai ficar assim. Não vai mesmo. Eu vou escrever novamente, pela segunda vez portanto no que toca a este caso, ao Professor Marcelo. Porque eu não posso estar impedido de aceder à Justiça em Portugal, numa situção destas. É lamentável que a RTP nem sequer se informe sobre com quem está a falar. Portanto nem se informam sobre com quem estão a falar e portanto, é inaceitável, e não têm de facto qualquer qualificação do mínimo dos mínimos, para me dar uma resposta.

    Outra coisa, que vai ser muitíssimo bem investigada, vos garanto, vai ser um caso de polícia muito sério, mesmo muito, não vai haver dúvidas mesmo nenhumas, é a morte do senhor provedor de pessoas audiovisuais que lhe escreviam, e continuam a escrever, suponho, missivas. Isso vai ser investigado. Já deu para ver que na RTP e em quem a “dirige” não se pode de facto confiar. E isso vai mudar, radicalmente. Vos garanto. Vos garanto. Há assim. É que há. Há assim. Há mesmo. Exige-se o mínimo dos respeito. Não pode de maneira nenhuma ser assim. Porque as há. E verão, que sim.

  4. Copinhos de leite, alfaces velhas, intelectuais de pacotilha e demais pandilha saloia, perfazem a corte lisboeta.

    Uma corte tosca de criaturas toscas. É o que há na nossa querida idade média. Nem melhores nem piores que o resto que se vê na europa bárbara. São, aliás, papagaios do atraso apresentado por essa “europa”.

    O que fazer com esta plebe analfabeta? Nada, apenas observar o espectáculo da miséria cultural que apresentam.

    É um espectáculo pobre e repetitivo. São palhaços sem talento, que se copiam mutuamente, num tempo onde reina a miséria cultural germânica.

    Apresentam repetidamente as mesmas fantasias ideológicas, velhas, gastas e falidas. Ideologias de feira, como se não tivesse existido o século XX. Como se o espectáculo não fosse conhecido e aborrecido.

    Enfim, é o que há.

  5. Pois fique sabendo que a mim não me engana. Bem sei que tais “copinhos-de-leite” mais não são que esquerdistas disfarçados de colunistas de direita broncos e farçolas, propositadamente ali plantados por F. Louçã para que facilmente os ridicularize. Ninguém autenticamente de direita se prestaria a tão pueril serviço.

  6. Isto, de facto, começa a cheirar a Trump e a Nova York, num dia de frio, nevoeiro, e gases de escape.

    Todas as agências portuguesas, quer sejam Banco de Portugal, ou outra qualquer agência de interesse público e paga pelos portugueses, devem estar representados com pelos menos as 3 tendências económicas que os portugueses elegem: Keynes, Hayek, e Marx… não podem haver sequestros de uns sob os outros. Deve haver sã convivência, como acontece nos outros países, e respeitando os eleitores, mesmo que contrariados.

    Esta crispação de Coelho, Cristas, e associados, não sai nem com alho. E isto prejudica os próprios PSD-CDS…

    “Oh inclemência! Oh martírio! Marcelo e Costa estão a dar ‘afectos’ ao Fukuyama, ao Hindenburg, e ao próprio Hayek!!”, pensam Passos e Cristas, nestas noites mais pesadas…

  7. Como encontra tempo e disponibilidade para ler e responder a uma tal horda de “jornalistas”, “opinadores”, “mercenários” ou lá o que são, é que me escapa absolutamente… Não merecem e situam-se, em rigor, no campo da mais pura e inqualificável estupidez.

  8. Tudo,mas tudo irrita a direita portuguesa.Por exemplo,a ultima irritação é ,imagine-se o dito filme que ganhou os oscares.Porquê? porque agora basta ser “preto ou gay” para ganhar o dito premio.E nem vale a pena dizer mais nada,porque realmente com esta “direita” tonta e tola, não vamos lá,definitivamente.

  9. Afinal não publicam os comentários porquê???

    Estão a avaliar se estão em linha com a politica editorial?

    Ou é falta de espaço?

    1. Afinal não publicam os comentários porquê???
      Aqui, perdeste uma boa oportunidade de estar “calado”!

      Estão a avaliar se estão em linha com a politica editorial?
      Sim, porque como toda a gente sabe, o David Dinis é um perigoso esquerdista-estalinista..

      Ou é falta de espaço?
      De facto, atendendo ao comentário que aqui produziste, é mesmo isso, ocupa espaço. Nada mais.

  10. Pois é, a direita é como a esquerda, quando está na mó debaixo promete muito, mas faz pouco, até porque em Portugal fala-se muito e faz-se pouco, e é preciso ter sorte para encontrar abrigo para as artes da escrita e da argumentação punitiva, nem que seja num jornal pago pelos trabalhadores explorados pelo Continente e Modelo, verdade. Mas são explorados por uma boa causa, dão voz a um paladino dos seus interesses, verdade!!!…

    Depois, é sempre bom falar, mas a prática diz-nos que, quando o poder nos bate à porta, é sempre bom ter um casaquinho como deve ser e uma pose de Professor Universitário de ar sério, embora lá no fundo, o que ele gostaria de ser o varoufakis “tuga”, com mota e tudo, mas não se pode ter tudo, temos pena.

    E o que dizer do seu partido mais que tudo, o BE, paladino da revolução e da reestruturação e da renegociaçáo e da devolução e que no fim se cala sabendo do aumento de impostos que colocaram nas costas dos Portugueses, no empurrar de despesas para baixo do tapete, na falta de qualidade da escola e da saúde para ter os números que “aparentemente” sufraga.

    Portanto copos de leite há em todo o lado, gente que faz e acontece tb, e traidores aos princípios então nem precisamos de andar de candeia.

  11. Curioso. A “ala mansa da alt-direita” comentou a nomeação de Francisco Louçã (FL) para o BdP. No mesmo artigo, FL não só conseguiu insultar toda a “ala mansa”, como conseguiu não apresentar qualquer argumento, que na sua perspetiva, justificasse a sua nomeação para o cargo do BdP. Bem hajam “os copinhos de leite”!

  12. não foi Jerónimo de Sousa, homem de esquerda, que disse que Marisa Matias só teve o bom resultado eleitoral por ser jeitosinha? A filosofia caisdosodré anos 1950? o Jerónimo se o lê atira-se ao chão a rir!

  13. direita, centro, esquerda, só vejo copinho de leite então agora que a esquerda come do mesmo saco onde esta a politica da esquerda? eu não esqueço a conversa fiada não queremos o euro combate as desigualdades sociais direitos iguais para todos salario digno para quando?quando não conseguimos vencer-los o mais fácil e juntar-mo-nos a eles

  14. Haja humor, e estômago, para ouvir e tolerar um certa Direita. O que mais me chateia é que à Esquerda também não faltam copinhos-de-leite.

  15. Delicioso lê-lo aqui a desancar os copinhos de leite com links 😀 😀 :-D. Ficou só fora o link ao Diabo no último parágrafo … ainda vai a tempo de acrescentar esse? Tenho também uma declaração de interesses: depois da passagem pelo BdP fico na expectativa de uma expansão da db de osburgueses.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo