Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

António Bagão Félix

27 de Junho de 2016, 17:10

Por

Ramalho Eanes, 40 anos após as primeiras eleições presidenciais

Homem sério, honesto, austero, corajoso, incorruptível”, assim foi o modo justo e brilhante como o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa sintetizou o carácter e a vida do General Ramalho Eanes, primeiro Presidente da República eleito democraticamente e por sufrágio universal, faz hoje – dia 27 de Junho de 2016 – quarenta anos.

Lembro-me do entusiasmo de, naquela data, ter votado na primeira eleição presidencial e ter dado o meu singelo voto ao então candidato António Ramalho Eanes.

Tive o privilégio de, depois, no exercício de funções públicas e políticas, o ter conhecido pessoalmente e, de progressiva e naturalmente, ter criado uma relação pessoal de que muito tenho beneficiado.

Ramalho Eanes tem sido um símbolo do que melhor espelha a vida pública e política. Pessoa de valores e irrepreensível sentido ético, humanista, homem público exemplar, tão eloquente quanto discreto, tão austero quanto afável, tão corajoso quanto virtuoso, tão frontal quanto sincero, tão justo quanto rigoroso.  Ramalho Eanes tem servido o bem comum de uma maneira modelar, construtor de pontes, que não de muros.

Ramalho Eanes é o exemplo no qual as pessoas mais jovens se devem rever para perceber, em plenitude, o que é o magistério do dever, servir a Pátria, honrar o voto popular, prestigiar o Estado e as instituições. Em suma, uma pessoa superior, no verdadeiro sentido da palavra, porque a sua exigência para com os outros é sempre precedida da exigência para consigo mesmo.

O meu muito obrigado.

 

Comentários

  1. A nível de coragem e virtude eu que sou mais novo (mas já cá estava a ver notícias) nunca percebi bem aquela aparente encenação de atentado (em Evora) onde o general prontamente assume uma postura de forcado a dar o peito as balas. Tudo muito bonito. Pena foi a miudinha no muro que levou um balásio de uma pistola dos seguranças do Eanes. Prova que assistir a espetáculos não está imune a riscos. De resto, sempre impecavelmente vestido.

  2. Nos dias de hoje em Portugal pessoas com as qualidades pessoais de Ramalho Eanes estão cada vez mais longe da “res publica”. Foram sendo substituídos pelos Pintos de Sousa…

    1. Foi substituido pelos cavacos. Ou já tivemos algum Pinto de Sousa a Presidente? Pois não tivemos,mas ainda vamos ter, esta bem oh direitolas pafioso?

    2. Aníbal Cavaco Silva foi um político sempre muito apreciado por António Ramalho Eanes, que não só deu posse ao seu governo super-minoritário em 1985, como mostrou a sua afinidade política com ele. Contra factos só mesmo cripto-comunistas!

    3. O Liberal vê comunistas em todo o lado. Daí o emprego da palavra criptocomunista(quem não manifesta claramente as suas convicções comunistas). É uma obsessão que o não deixa pensar claramente. Enfim, coisas que se percebem atendendo à origem de classe e ao percurso de vida.

    4. Em boa verdade, o tal de Keynes não sabe nada sobre aquilo que descreve sobre mim segundo a sua ideologia marxista. Não sou eu que invento cripto-comunistas, a questão é que eles falam muito e escondem ou até não sabem o que são.

Responder a Adriano Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo