Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Francisco Louçã

31 de Dezembro de 2015, 10:29

Por

Ano Novo

Mandou-me um amigo este texto de Carlos Drummond Andrade sobre o ano novo:

Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. 


Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente.

Para você, desejo o sonho realizado. O amor esperado. 
A esperança renovada. 


Para você, desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir, todas as músicas que puder emocionar. 


Para você neste novo ano, desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida.

Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente para repassar o que realmente desejo a você. Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, rumo à sua felicidade!

Carlos Drummond Andrade

(Itabira, 31/10/1902 – Rio de Janeiro, 17/8/1987)

Que mais posso acrescentar?

Comentários

  1. Drummond não é o autor deste texto, de Drummond conheço a “Receita de Ano Novo”. São textos bonitos, mas realmente o de Drummond é outra coisa…segundo creio, este que cita, será de Vilma Galvão, pelo menos em parte…

    1. Pois parece que não é mesmo. A ideia é boa, o autor interessante, mas parece que não são um do outro.

  2. Espero continuar a ler os seus artigos por aqui, em “Tudo Menos Economia”… A esperança assim expressa, significa que o Público continuará a contribuir para o robustecimento da Democracia! A si, Caríssimo Francisco Louçã, desejo lhe Feliz Ano Novo!

  3. (Reforço ao comentário anterior)
    CORTAR O TEMPO – Roberto Pompeu de Toledo

    Seguindo a dica de uma leitora, que se lembrava da publicação de Roberto Pompeu de Toledo na revista Veja, pesquisamos na rede e encontramos mais essa falsa autoria, atribuída a Drummond em vários sites descuidados: Globo, Isto é, Wikiquote e, claro, como não poderia deixar de ser, Pensador. Pelo Google Books, notei a citação de um trecho do poema erroneamente atribuída a Drummond em dois livros publicados também, e na própria Veja! Será que ninguém confere mais nada em livros? Segue o texto completo com autor correto:

    CORTAR O TEMPO

    Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial.
    Industrializou a esperança fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
    Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
    Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez
    com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente…

    ( Roberto Pompeu de Toledo – Não é Drummond! )

    1. “O grande problema de se retirarem citações da Internet, é não sabermos se são autenticas ou não” – Fernando Pessoa

Responder a Ana Silva Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo