Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Francisco Louçã

24 de Julho de 2015, 09:28

Por

“Love and Mercy”, de Bill Pohlad

love“Love and Mercy” (2014), agora estreado em Portugal, é uma biografia musical, a história de um grupo famoso, os Beach Boys, um dos que mais discos vendeu no início da música rock. Mas é também a história dramática de um dos fundadores da revolução musical que começou na Califórnia na década de 60. Brian Wilson é o protagonista desta tempestade, quando os Beach Boys escreviam e cantavam em rivalidade com os Beatles.

Wilson é interpretado magnificamente por Paul Dano (anos 60, quando inventou Pet Sounds) e por John Cusak (anos 80, quando viria a ser resgatado de uma depressão e da prisão da sobremedicação nas mãos de um psiquiatra dominador). O filme percorre estes labirintos, ao som da música do grupo, com os seus maiores êxitos (Good Vibrations, Carolina No, California Girls), mas também mostrando a laboriosa invenção de cada álbum em estúdio, o que seria a força de Brian Wilson.

Regresso ao passado? Sim, porque os Beach Boys são uma memória. Brian Wilson voltou depois a cantar e a gravar, com algum sucesso, mas o rock ingénuo de adolescentes em eternas férias à beira-mar e em festas namoradeiras ficou para trás, bem como os versos mais perplexos e atormentados de Wilson, que descobriam o seu génio. Retrato dos abismos do estrelato? Também. E sobretudo uma história bem contada, de boa música e de como a tenacidade amorosa pode resgatar um náufrago.

Comentários

  1. Os Beach Boys nunca me deixaram grande entusiasmo. No West Coast Sound – que grande nostalgia!!! – emergem os Jefferson Airplane, com a grande Grace Slick ao comando. Os Beach Boys sempre foram uma banda mainstream.

    Os Jefferson Airplane eram fogo e mudança. A América bem se pode orgulhar deles.

    Caro Louçã: já revisitou agora, aos cinquenta e muitos, os Jefferson Airplane? Não perderá tempo… Em Woodstock, ficou “Revolution”…uma grande performance.

    E também lhe falo nos Buffalo Springfield, que foi o começo de uma grande amizade entre Neil Young, Stephen Stills e David Crosby. Se puder, reviva “Southern Man”, uma bela melodia e instrumentação no album ao vivo em 1971, em Chicago, de Crosby, Stills, Nash and Young. Pode visionar no You Tube. E sonhe…o tema é sobre a discriminação racial. Cumprimentos.

  2. Excelente escolha de filme, principalmente porque a história do Brian Wilson contrasta com a música dos Beach Boys, mas o Francisco Louça enganou se, os Beach Boys tiveram êxito em uma música que se chama California Girls e não o California Dreamin que é da autoria dos Mamas and Papas, os Beach Boys fizeram uma cover nos anos 80 mas que não consta como um êxito como foi o caso do original.

  3. Toda a musica anglo sexonica nos marcou a juventude; dos Beatles aos Beach Boys, Moody Bluse, etc, e sobretudo, o programa Em Órbita. E como tudo evolui, a musica também. Lenon, os Doors e muitos outros viraram a página da musica pop com a intervenção, sensibilizando a juventude com os problemas mundiais (guerra Vietnam, poluição, racismo, exclusão social, etc)

  4. Breve apontamento…
    «Beach boys», «Baetles» – no desenrolar de 60’s.
    «Beat generation» – recuando aos 50’s.
    “Batida” experimentalista, contra o “conservadorismo” e o “conformismo”…

    Beat, UpBeat, Beatifical… Beach. Bom fim-de-semana.

  5. os Beach Boys gravaram uma obra prima nos anos 60? Parece que sim,mas por outro lado a produção musical dos anos 60(no genero pop/rock) parece-me algo sobrevalorizada,da mesma maneira que estes “genios” atormentados me parecem algo sobre valorizados(vêr caso Amy) .Nos anos 60 os Velvet Underground gravaram pelo menos dois discos que passam largamente em talento e coragem,grande parte dos discos da mesma altura.Foram inclusivamente altamente criticados e não compreendidos pelos “hippies da costa leste”.sim,eu conheço o dylan,o cohen,o young e o tom waits(todos vivos e todos passaram a sua fase “atormentada” sem fazerem do “tormento” uma forma de “expressão artistica”)

  6. Os Beach Boys rock ? Nem todo o tipo de musica que tem como fundo musical uma bateria e um baixo é rock. Pop é o nome. Banda Pop como as pipocas. Foram importantes mas não tanto como se faz crer. O mesmo que foi a banda tuga “taxi” vendeu só isso, com canções bem produzidas e um markting acompanhar. A California criou icon superiores aos pipocas. A grande referencia quanto ao rock vindo desse estado Americano são sem duvida os The Doors. Os pipocas são mais uma curiosidade. Mas boa.

    1. Sim, pop, e os Doors são um momento único. Mas o filme é sobre os Beach Boys.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo