Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Janeiro 2015

Francisco Louçã

28 de Janeiro de 2015, 10:09

Por

Polícia bom e polícia mau

Em Davos, Sigmar Gabriel, vice chanceler e ministro economia de Merkel, dirigente do SPD alemão, fez-se notar: “Como alemão, digo que algumas das reformas estruturais necessárias em França e Itália, e que os gregos deveriam ter feito há muito tempo, são muito mais duras do que aquelas que os alemães pretendiam. Esta é a realidade.” Polícia bom e polícia mau, aqui está o homem que se diz interessado numa solução europeia. Que, afinal, é a mesma língua de pau de… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

27 de Janeiro de 2015, 20:00

Por

Uma bazooka ou um osso?

É triste que a política económica (e monetária) europeia seja, com frequência, um puzzle, mesmo para especialistas. E, é de questionar se não será intencional. O novo e aguardado programa de “quantitative easing” do BCE, com o valor global de 1,1 biliões de euros, descrito em três meras páginas – com partes fundamentais do programa num único parágrafo – e com informação pertinente adicional descrita num Perguntas & Respostas com Mario Draghi segue a tradição. Enquanto as políticas públicas da… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

27 de Janeiro de 2015, 17:35

Por

A Grécia não virou à esquerda. A esquerda é que virou à esquerda.

Tenho achado no mínimo curiosas as reacções que, por cá, se sucederam após as eleições na Grécia. Sobretudo, as do Primeiro-Ministro e as do Partido Socialista. Quanto ao primeiro, só direi que foi mais “merkeliano” do que Merkel. Entre vários aspectos, referiu: “aquilo que está no programa do governo grego que vai tomar posse é um conto de crianças. Não existe”. Ou “o caminho que os países devem seguir é o do cumprimento das regras europeias porque sem elas, não existira… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

27 de Janeiro de 2015, 09:18

Por

Dia Dois: procura-se flexibilidade no Tratado Orçamental e dão-se alvíssaras

Os socialistas reagiram com assombro à vitória do Syriza. Philip Cordery, secretário do PS Francês para os assuntos europeus, proclamou altivamente que “desde 2012, François Hollande e os dirigentes social-democratas têm vindo a trabalhar para reorientar a União Europeia. Encontraram um novo aliado em Alexis Tsipras”. Un peu fort de café, como se diz em França, pois Hollande é mais famoso por ceder a Merkel do que por animar essa putativa e trabalhosa reorientação da União Europeia, e outros dirigentes social-democratas,… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

26 de Janeiro de 2015, 13:06

Por

Eleições gregas: e agora?

O resultado das eleições gregas vem colocar interrogações sobre o futuro do projecto europeu e da união monetária tal como existem agora. A concludente vitória do Syrisa vai pôr à prova a consistência das palavras sempre proclamadas a propósito destes projectos. A Europa forte não gosta de consultas populares que lhe estraguem os seus propósitos. Começou por ser assim com as reprimendas à Dinamarca que chumbou em referendo o Tratado de Maastricht ou da Irlanda que chumbou o Tratado de… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

26 de Janeiro de 2015, 09:08

Por

Dia Um: e agora, Merkel?

Se votares em mim, é a prova da consciência e maturidade do povo. Se votares nele, é a prova do vazio de um mero voto de protesto. Eu apresentei propostas consistentes. Não resultaram e ninguém as quis manter. Mas qualquer mudança será grave prova de populismo desbragado. Só podem ganhar as políticas de compromisso. Excepto o Syriza, que é um partido de extrema-esquerda, perigoso para o compromisso europeu. “Colisão com a Europa”, diz a capa do Guardian. “Terror”, escreve o… Continuar a ler ›

Tópicos

Pesquisa

Arquivo