No tempo em que os animais não falavam

01CapaLIvroProtestoCrianças10Julho
Um manifesto (não panfletário) sobre a destruição da biodiversidade. “Prestem atenção ao grito silencioso e ensurdecedor do nosso planeta e uni-vos!”, pede a autora, Eduarda Lima.

“Tudo começou quando um pássaro deixou de cantar. E todos os outros pássaros deixaram de cantar.” Gatos, cães, insectos, galinhas, ninguém se fazia ouvir. Nada de leite das vacas, nada de acrobacias ou graças de macacos a deixarem-se fotografar. “E ninguém escutou o uivo dos lobos na lua cheia.” Tudo aconteceu no tempo em que os animais não falavam. Melhor, em que não queriam falar. Hoje e no futuro.

Um pacto silencioso parecia ter sido feito pelos animais e até as crianças deixaram de brincar e de ir à escola. Porquê? Escutemos as explicações de quem escreve e ilustra, Eduarda Lima: “O livro fala sobre o impacto da acção humana no ambiente e na biodiversidade do nosso planeta, mas é também uma pequena introdução ao activismo para crianças pequenas. Eu não quis directamente ‘dizer’ nada ao mundo; antes queria que o livro fosse um objecto catalisador — mais do que dar respostas, queria que levantasse perguntas, que fomentasse discussões, diálogos, que pusesse o pequeno leitor num papel activo de questionamento e reflexão.”

06ProtestoCrianças10Julho

A autora acredita que “as crianças já estão a prestar atenção, mas é importante ter estas conversas à volta de um livro e aprender a pensar, questionar e passar à acção!”, diz ao PÚBLICO, via email. “O Protesto é um manifesto, mas não é panfletário!”, afirma convictamente.

Proximidade da serigrafia

O processo criativo começou com texto e imagem em trajecto paralelo. “Primeiro um esqueleto de texto muito simples e uns esboços muito pequeninos logo ao lado, em modo de storyboard.” Depois, desenvolveu as ilustrações, sendo o texto retrabalhado mais tarde, “com os valiosos contributos da editora Carla Oliveira, da Orfeu Negro”, diz a autora, formada em Arquitectura e com vários trabalhos de animação em 2D.

As ilustrações foram todas desenhadas à mão e subsequentemente digitalizadas para serem pintadas digitalmente no Photoshop. “Queria usar o método mais semelhante ao da serigrafia, que é um processo de impressão com cores sólidas, que quando se sobrepõem, misturam-se, criando assim múltiplas novas cores”, descreve.

05ProtestoCrianças10Julho

E continua: “O mais próximo deste processo na impressão a uma escala mais ‘industrial’, para tiragens maiores, é a impressão a cores directas. Assim, imprime-se directamente com as tintas das cores escolhidas, obtendo-se um efeito mais homogéneo e intenso nas manchas de cor, do que se fosse impresso em CMYK.”

Imagens a “saltar” do papel

Eduarda Lima, que se estreia no álbum ilustrado com este título, diz ainda: “Com três tintas apenas, consegue-se obter uma paleta de oito cores sólidas, contando com o branco do papel! Para mim, este processo era importante por várias razões. Por um lado, com esta intensidade e saturação na cor, as ilustrações ganham uma expressão mais gráfica e cativante.”

Sendo um livro para crianças bem pequenas, que provavelmente ainda nem sabem ler, a ilustradora “queria que elas mergulhassem nas imagens que lhes ‘saltam’ do papel, enquanto o adulto fosse lendo o texto”.

PROTESTO__Eduarda_Lima_jornais

Quanto à opção por esta paleta, conta: “A escolha das três cores em si foi mais racional. Gosto sempre de usar duas cores primárias — o azul e o vermelho — e a terceira determina se vai ficar tudo mais ‘quente’ ou mais ‘frio’. Neste caso, usei um verde-claro azulado, para arrefecer!”

O motivo por que todos os animais protestaram e sofreram em silêncio é revelado no fim. Não o desvendaremos aqui, mas é difícil não nos sentirmos culpados. Todos.

O Protesto
Texto e ilustração: Eduarda Lima
Edição: Orfeu Negro
40 págs., 14€

Texto divulgado na edição do Público de dia 10 de Julho de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Publico Lisboa-20210710-54_page-0001

Na edição impressa, a página foi desenhada por Sandra Silva. A parte de agenda é da responsabilidade de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira.

Emoções em órbita, à volta de nós

02

Van Gogh dizia ao irmão que não se esquecesse de que as emoções são os capitães das nossas vidas, a quem obedecemos sem saber. Neste livro, somos convidados a contemplá-las e a compreendê-las.

Pensado inicialmente para ser um diário com “desafios breves, práticos e criativos, que levassem a olhar à nossa volta, olhar para o nosso interior e relacionarmos essa experiência com as emoções”, o livro acabou por resultar em dois volumes. O autor, David Guedes, psicólogo, explica ao PÚBLICO porquê: “Era necessário dar aos leitores algum contexto para estes desafios. Era necessário explicar o que são as emoções e para que servem.”

Um assunto que lhe interessa há muito: “As emoções sempre me fascinaram e, quando escrevi a minha tese de mestrado sobre este tema, queria sobretudo satisfazer a minha curiosidade sobre estas estranhas adaptações que tanto nos movem como paralisam, tanto nos levam ao amor como à guerra.”

Com experiência de trabalho com grupos de crianças e jovens, o mestre em Psicologia Clínica e da Saúde quis criar para eles “algo que perdurasse”.

Esta Odisseia… recorre ao Big Bang para contar a história das emoções, num paralelismo com o nascimento e a exploração do universo. “Há poucas histórias mais bonitas e fascinantes do que aquela em que do nada se fez tudo. Essa é a história preferida de toda a gente, seja contada pela religião ou pela ciência. A história de como tudo começou. E achei que o Big Bang podia ser um bom ponto de partida para explicar o surgimento das emoções”, diz o doutorando no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Depois de termos consciência de nós próprios, as emoções tornam-se mais complexas, “podemos começar a sentir emoções como a vergonha ou a culpa e à medida que vamos sendo socializados, desenvolvemos noções cada vez mais completas sobre as emoções. Passamos a saber que nem todas as tristezas são iguais, não se expressam da mesma forma e exigem também formas diferentes de lidarmos com elas”.

O espaço está cheio de metáforas

Chegado à ideia do paralelismo com a formação do universo, o caminho tornou-se claro: “A partir daí, foi possível desdobrar a história numa série de metáforas, porque o espaço está cheio delas. Quando pensamos na forma de experienciar as emoções, vemos como algumas nos trazem leveza, outras causam repulsão, outras fazem-nos gravitar para si. Todas essas sensações podem ter paralelismo em fenómenos do universo. A partir daí foi intuitivo associar o vazio à tristeza ou a energia expansiva de algumas estrelas à vivência da raiva.”

Cada pessoa encontrará as suas respostas e construirá as suas próprias metáforas. “Essa liberdade de apropriação foi o que se procurou promover com o caderno de exercícios, a que se chamou ‘Diário de Exploração do Mundo’.” Onde não há respostas certas ou erradas. “O que nos importa é sobretudo acicatar a curiosidade das pessoas para se interessarem pelas suas emoções”, conclui.

Ilustrar um exercício de autoconhecimento

A ilustradora e designer do livro, Madalena Bastos, diz ao PÚBLICO que “foi muito desafiante ilustrar emoções, algo que sentimos, mas não vemos, algo que não tem forma, mas tanto significado e que todos sentimos de maneira diferente”.

Conta-nos via email que o trabalho foi muito colaborativo: “A criação deste livro foi desde início um processo a quatro mãos, nunca deixámos de manter o contacto e conversar. Estivemos sempre presentes no trabalho um do outro, em constante mudança e simultânea sintonia.”

Foi num destes encontros que chegaram à ideia do universo como metáfora para a exploração das emoções. “Foi em conversa e discussão com o escritor, de que forma poderíamos ilustrar emoções, que me surgiu a ideia de transformá-las num universo como uma metáfora. O David entusiasmou-se, logo o texto também sofreu muitas transformações e os desenhos foram surgindo de uma forma muito fluida. Para muitos, as emoções são como o universo: pouco exploradas. E eu decidi explorar mais as minhas e só depois ilustrar”, descreve.

A ilustradora, que considera o livro um “objecto gráfico único e muito bem produzido”, diz-nos que foi todo “ilustrado digitalmente no Adobe Photoshop; para ilustrar elementos abstractos como o universo e emoções, essas ferramentas oferecem um maior leque de possibilidades”.

Criadora da marca Mariqosa, que produz “jogos pedagógicos, livros didácticos e infinitas brincadeiras”, Madalena Bastos conta ainda como este trabalho a envolveu: “É curioso perceber o quão insignificante somos em relação às nossas emoções. Eu, que pensava conhecê-las, quando comecei a elaborar os exercícios do Diário de Exploração, houve vários em que foi bastante desafiante, para mim, pensar sobre eles.”

Põe a hipótese de que para algumas crianças tenha sido mais fácil e para outras mais difícil. “Penso que o grau de dificuldade vai ser sempre um exercício de autoconhecimento e de perceber o que nos é mais sensível.”

Pela sua parte, David Guedes sente-se satisfeito por “perceber que há psicólogos a usarem partes do diário para sessões de psicoterapia, em actividades de grupo numa escola ou em formações numa empresa”. Mas há também “leitores intrépidos, que têm abordado os desafios por si mesmos”.

Assim, ficam cumpridos os objectivos de que a obra fosse “usada livre e autonomamente por quem, por algum acaso, se cruzasse com ela e quisesse experimentar por si, mas também o de servir de recurso para o trabalho dos psicólogos”. Este último propósito justifica o apoio de um orçamento participativo da delegação regional do Sul da Ordem dos Psicólogos.

Odisseia de Emoções, segundo David Guedes, tem permitido que alguns leitores mais velhos encontrem mensagens com significado para si. “Isto não é totalmente acidental, pois embora se tivesse pensado nas crianças e jovens como principais destinatários, deixaram-se várias ideias que talvez só os leitores mais velhos apreendam na totalidade.” Fizeram bem.

Texto divulgado na edição do Público de 5 de Junho de 2021 e no site-satélite Ímpar.
Publico Lisboa-20210605-47_page-0001
Na edição impressa, a página foi desenhada por Sandra Silva. A parte de agenda é da responsabilidade de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia PereiraÉ sempre uma emoção (boa) ver como a página fica no final.

Com os olhos (e o coração) no céu

Illustration_Capa_1

Um livro que é uma homenagem a uma educadora que partiu demasiado cedo e uma ajuda para as crianças lidarem com a perda. Para os outros, também.

“Foi quando vi os balões impelidos pelo vento na minha direcção que percebi. Eu tinha estado doente, sentira-me fraca e cansada, cada vez mais fraca, até ao momento em que perdi a consciência do tempo e do espaço e fiquei ali, quieta, num lugar estranho e vazio e silencioso.” Assim começa este livro, que pretende devolver-nos a voz de Helena Marques, Lena, educadora e animadora de ATL da Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira (Tomar).

Vítima de síndrome de Evans, uma doença rara auto-imune, Lena morreu cedo. “Uma centena de balões brancos, com mensagens das crianças com que trabalhava, foram lançados por estas no recreio do ATL, em sua homenagem, dias depois”, faz-nos saber quem edita o livro, a Associação de Ideias para a Cultura e Cidadania e Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira. Lena faria 50 anos no próximo dia 1 de Junho, terça-feira. Curiosamente, Dia da Criança. Foi essa a data escolhida para o lançamento do livro, às 21h, no Pavilhão Multiusos de Linhaceira.

Illustration_1

O autor, Nuno Garcia Lopes, companheiro de Lena durante 25 anos e de quem tem duas filhas, Mariana e Catarina, conta ao PÚBLICO: “Os Balões Que me Ensinaram a Voar surgiu de modo muito evidente no dia em que, ao voltar do cemitério e olhar para o céu tive uma espécie de ‘epifania’. Tinham-se passado algumas semanas desde a morte da Lena e foi a primeira vez que chorei, de alívio e alegria, ao descobrir numa nuvem que decorava o azul a forma de a homenagear, o enredo geral do livro e a maneira como ela ia continuar a ‘comunicar’ comigo. A partir daí, sempre que tenho uma dúvida ou preciso que ela me ‘diga’ alguma coisa, olho para o céu.

Foi assim que o escritor de títulos como Lua do Mar (ilustrações de Mafalda Milhões) e Livros de Dar Volta à Cabeça (ilustrado por Luís Prina) entendeu qual seria “o caminho da escrita”, conta. “De tal modo que o título surgiu precocemente. A largada dos balões pelas crianças com que trabalhava tinha sido um momento muito bonito e emotivo. Estava ali a chave.”

Ao começar a preparação do livro, foi ter com a designer Sylvie Lopes (os apelidos repetidos são um acaso), que lhe sugeriu a ilustradora Sara Brito. “Convidei-as a visitar a Linhaceira, a conhecerem o espaço escolar e de ATL onde o enredo se centrava, a contactarem com os vestígios da presença da Lena e os objectos que fazia”, descreve. E acrescenta: “Começámos uma profícua amizade, criando laços que alicerçam o edifício comum do nosso labor. E os resultados foram surgindo, a começar pela decisão de fazer deste livro um objecto incomum: sem lombada, num formato pouco corriqueiro, com as imagens a rodarem a determinado momento.”

O risco de cair na lamechice

O autor receou criar um livro “com uma marca pessoal tão intensa”, admite. “Seria muito fácil cair na lamechice e deitar tudo a perder. Quis evitá-lo, de modo a que fosse digno daquela que queria homenagear. E, ao mesmo tempo, escrever uma história que ajudasse as dezenas de crianças de que ela cuidava, as minhas filhas, todos os seus amigos, a lidarem com a perda. Mas também todos os leitores (e não só os mais novos) que tenham passado por essa situação, bem como os que inevitavelmente vão passar por ela no futuro.” Conseguiu.

Nuno Garcia Lopes dá-nos conta ainda de que tinham publicado no dia do casamento de ambos o livro de poemas O Sonolento Hábito das Casas (poesia dele, fotografias dela).

Um objecto gráfico diferente e atraente

Se a história de os Os Balões Que me Ensinaram a Voar já é terna e comovente por si só, ao conhecer-se a sua génese e motivação, fica-se ainda mais envolvido. Foi o que aconteceu com a ilustradora, Sara Brito, que nos disse, via email: “Ilustrar este livro foi uma lição de vida, também para mim, acerca da perda e de como lidar com ela. Tive o privilégio de ilustrar uma história muito especial que me transportou para o ‘mundo das nuvens’.”

O papel de Sylvie Lopes, no design do livro, com capa serigrafada e lombada de costura à vista, foi fundamental para que se criasse um objecto gráfico diferente e atraente.

Depois deste trabalho, a ilustradora, Sara Brito, nunca mais olhou para o céu da mesma maneira. “Tornou-se bem mais bonito e especial e, sempre que tenho oportunidade, perco uns minutos a contemplar as nuvens e a imaginação ganha asas! É uma sensação incrível.”

Licenciada em Design de Comunicação na Faculdade de Belas-Artes e actualmente a trabalhar para a agência BY, Sara Brito usou a aplicação de ilustração digital Procreate para um livro que lhe relembrou que “as coisas mais simples são de facto as mais importantes e que basta olharmos para o céu para voltar a sonhar”.

Será através do desenho das nuvens que a protagonista, Lena, comunicará com todas as crianças (e adultos) da sua vida. Curta, mas cheia. Por isso, Nuno Garcia Lopes diz-se “reconciliado com o universo”. E explica: “Feliz por ter tido o privilégio de partilhar a minha vida com alguém tão extraordinário que, mesmo na sua ausência, me continua a explicar como conviver com essa ausência.” Olhem para o céu.

Os Balões Que me Ensinaram a Voar
Texto: Nuno Garcia Lopes
Ilustração: Sara Brito
Design: Sylvie Lopes
Edição: Associação de Ideias para a Cultura e Cidadania e Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira
32 págs.; 10€

Texto divulgado na edição do Público de 29 de Maio de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pág.Crianças1JunhoBalões

Na edição impressa, esta linda página foi desenhada por Ana Fidalgo. A parte de agenda é da responsabilidade de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira. Obrigada a todas. (Parabéns, Helena.)

“Contaler” memórias ao neto e desenhar a infância

01CapaCrianças22MaioOvelhaEstrelinha

Diz António Mota que “contaler” é “ler e inventar o que não está escrito, mas parece que está”. Assim nasceu este livro, em que Cátia Vidinhas desenhou as suas memórias de infância.

Uma história simples, de encontro entre uma ovelha e um gato e — entre outras coisas — sobre o que gostam de comer. O gato Chiribi bem tentou gostar das ervas e flores do prado, que tanto agradavam à ovelha Estrelinha, mas, “nhec! nhec! nhec!”, aquilo não era para ele. “Não foi capaz de engolir as ervas verdes e as flores brancas, amarelas e azuis.”

Numa escrita clara, bem-humorada e com recurso a onomatopeias e à repetição, tanto do agrado dos mais novos, convida-se as crianças a entrar num ambiente por muitas desconhecido: o campo.

OvelhaGrandeOK

Relata-nos como transformavam em brincadeira algumas tarefas do quotidiano, nem sempre fácil: “Brincávamos a fazer de conta que éramos reis cavalgando cavalos muito altos e brancos. Os pobres dos bichos queriam comer, não gostavam nada da brincadeira, atiravam-nos ao chão, nós ríamos e a felicidade estava no meio de nós.”

Também a alimentação dos rapazes lhe veio à memória: “Fazíamos banquetes com a broa migada no leite que conseguíamos mungir das tetas da cabra, mas não era nada fácil.” E recorda os gatos: “Lembrei-me dos gatos, todos os gatos que não gostavam do meu pai ou o meu pai é que não gostava deles. E isso divertia-me.”
09

Para finalizar a explicação de como este livro surgiu, o n.º 37 da colecção Obras de António Mota, diz: “Penso que foi tudo isso — mais o desafio de escrever uma história que não pusesse o meu neto a perguntar se faltava muito para irmos brincar a outra coisa — que me levou a criar a Ovelha Estrelinha e o Gato Chiribi.”

Recriar um passado rural

Quem ilustrou esta história foi Cátia Vidinhas e ficou muito contente com o trabalho: “Ilustrar este livro foi uma maravilhosa oportunidade de regressar à minha infância, pois nasci num ambiente rural, repleto de natureza e animais.”

Tal como o escritor, também ela recuperou experiências do passado: “Fiz um exercício de relembrar memórias, cheiros, cores que pude transpor nas ilustrações, que vivem muito desta ligação ao campo e a ambientes naturais.”

Houve outro aspecto que pôde explorar na ilustração e que muito lhe agrada: “O da inocência e da brincadeira através da construção das personagens.” Resultou.

02

Quanto à parte técnica, descreve: “Todas as ilustrações foram construídas através de técnica digital, usando vários tipos de expressividade disponibilizados pelos pincéis do software Adobe Photoshop.” Cátia Vidinhas conseguiu criar assim uma atmosfera quente e calma, como o tom do texto.

O livro termina com um sonho fantástico e fantasioso do gato, não sem antes pedir à mãe Cristalina, que morava na casa da Carolina, para mamar, mamar, mamar. “E quando a fome desapareceu, o Chiribi dormiu, dormiu, dormiu. E sonhou, sonhou, sonhou.”

Juntos, António Mota e Cátia Vidinhas, têm já um outro livro, A Gaveta Mágica, que fala da perda de memória dos mais velhos. “Quando a gaveta mágica das histórias que existe na cabeça dos avós fica subitamente vazia, é sinal de que algo se passa. Mas o quê?”, lê-se na sinopse divulgada pela editora. Ao PÚBLICO, o autor disse que queria fazer uma história sobre a doença de Alzheimer. E fez.

A Ovelha Estrelinha e o Gato Chiribi
Texto: António Mota
Ilustração: Cátia Vidinhas
Edição: Edições ASA
32 págs., 11,50€

Texto divulgado na edição do Público de 22 de Maio de 2021 e no site-satélite Ímpar.

PàginaCrianças22MaioChiribi

Na edição impressa, a página foi desenhada por Sandra Silva. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira.

“Méee, méee”, “nhec, nhec, nhec”. Adoramos estas onomatopeias :)

Escrever de longe e ilustrar de perto, em português

O pretexto foi o Dia Mundial da Língua Portuguesa, que se assinalou a 5 de Maio. Mas o resultado pode desfrutar-se em qualquer data ou continente.

Um conjunto de 16 histórias contadas por oito autoras de diferentes nacionalidades, mas tendo em comum a língua portuguesa. Aqui se exploram expressões que se equivalem, mas que são ditas de outro modo em função da origem de quem as profere. É o caso, por exemplo, de “quem canta seu mal espanta” (Portugal) / “Cantar é deitar o coração para longe” (São Tomé e Príncipe).

As autoras são Angelina Neves (Moçambique), Céu Lopes (Timor), Lurdes Breda (Portugal), Maria Celestina Fernandes (Angola), Mariana Ianelli (Brasil), Natacha Magalhães (Cabo Verde), Olinda Beja (São Tomé e Príncipe) e Kátia Casimiro (Guiné-Bissau). Quem ilustrou toda esta diversidade de ambientes foi Tânia Clímaco, professora de Expressão Artística e Educação pela Arte, mas também promotora de ateliers de desenho, pintura e cenografia.

Para Tânia Clímaco, este “é um livro maternal, que abriga o respeito pelos mais velhos e pretende manter viva a riqueza do importante legado colectivo de cada país participante”. Como o livro irá viajar para vários países, “é pensado para crianças do mundo inteiro. É um ‘livro partilha’, as histórias são subordinadas a expressões idiomáticas e expressões populares com origem nos países aqui representados”, descreve por email.

Ilustração para texto de Kátia Casimiro (Guiné-Bissau)
A  ilustradora conta como ao enviar à editora, moçambicana, uma primeira ilustração, recebeu como resposta: “Está muito europeu. Os meninos desse país não se vão identificar.” Naquele momento teve a noção de que tinha de se transportar até cada um daqueles países. “Fiz pesquisa exaustiva e isso proporcionou-me uma viagem incrível por cada país. Tive pessoas a partilharem fotografias pessoais, vídeos, histórias das histórias do livro…”

Tânia Clímaco sente que este livro trouxe mais maturidade ao seu trabalho, assim como a noção de responsabilidade quando ilustra. “Antes deste projecto, não tinha pensado que uma coisa tão simples como o padrão da roupa é um detalhe tão importante”, admite.

Também as suas memórias constam do relato que fez ao PÚBLICO: “Além da questão cultural, este é um livro que quer preservar memórias e, quando ilustrava, veio-me à memória uma recordação de infância. Quando era menina, o meu avô contou-me muitas histórias e dizia-me sempre que tinha pena que não fossem gravadas, guardadas essas histórias. Hoje tenho eu pena que elas não tenham sido guardadas. A preservação da memória é muito importante, conta a nossa história dá-nos colo em pequenos e sobretudo em adultos e ensina-nos tanto!”

No final do livro, há um pequeno glossário que ajuda a descodificar palavras e expressões de cada país. Saberá o leitor o que é zungar (Angola), tocaia (Brasil), txota (Cabo Verde), ulilé (Guiné Bissau), milando (Moçambique), peliça (Portugal), mina muê (São Tomé e Príncipe) e lulik (Timor-Leste)? Está lá tudo bem explicado, no capítulo “Trocando por miúdos”.

Contar Histórias com a Avó ao Colo tem como patrocinadores Camões – Centro Cultural Português em Maputo (para a edição em formato digital) e a Rede de Bibliotecas Escolares (para a edição impressa). Pode ser adquirido em Lisboa na livraria Snob e ser lido gratuitamente online em qualquer lugar.

Contar Histórias com a Avó ao Colo
Texto: várias autoras de diferentes países de língua portuguesa
Ilustração: Tânia Clímaco
Coordenação: Teresa Noronha
Edição: Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa

Texto divulgado na edição do Público de 15 de Maio de 2021 e no site-satélite Ímpar.

PáginaCRiançasDiaLínguaPortuguesa5Maio

Na edição impressa, a página foi desenhada por Ana Fidalgo. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques Sílvia Pereira. Viva a língua portuguesa!

Livros a Oeste no ecrã e fora dele

LIvroImagem

                                              Foto de Mareena Metsmaa/Unsplash

Arrancou nesta terça-feira, 11 de Maio, mais uma edição do festival literário Livros a Oeste. Até aqui, assistia-se só na Lourinhã; agora, chega a qualquer lugar.

Depois de uma interrupção no ano passado, a 9.ª edição do Livros a Oeste começou nesta terça-feira, sob o mote “O Reencontro”. Sessões no ecrã e fora dele preenchem cinco dias que procuram dar resposta à pergunta: “Quantas histórias cabem numa história?”

Num total de perto de 40 autores, encontramos nomes como Adolfo Luxúria Canibal, Afonso Cruz, Amosse Mucavele, Manuel Fernando Pinto do Amaral, Gonçalo M. Tavares, Isabel Zambujal, José Luís Peixoto, Mário Zambujal, Miguel Real, Ondjaki, Patrícia Portela, Rachel Caiano, Rui Zink e Sérgio Godinho, entre outros. Irão celebrar a escrita, os livros, a leitura e os leitores, havendo lugar ainda para a música, o teatro e a performance.

Por isso, há Histórias Musicadas, Histórias Partilhadas, Histórias ao Postigo, Histórias Ilustradas e até uma História de Vida, em homenagem a Isabel Mateus, fundadora do Museu da Lourinhã, que morreu recentemente.

Cartaz

Aposta no público jovem

“Se a transmissão online de várias destas sessões não permite absorver toda a energia que sentimos quando assistimos presencialmente a uma conversa ou uma actuação, por outro lado, a utilização do digital permite-nos ampliar o leque de convidados (contornando a distância geográfica) e criar novos formatos, tornando o próprio meio de transmissão e as suas possibilidades técnicas um aliado”, diz o jornalista João Morales, programador do festival, organizado pela Câmara Municipal da Lourinhã desde 2012.

Para ler o texto na íntegra, é este o caminho.

A alegria e o encanto do quotidiano

CapaMãoCheia

Levar a filha à escola num dia banal pode transformar-se num momento inesquecível. “Porque todos os dias deveriam ser especiais”, diz Pedro Seromenho.

“Nesta história, não há reino fantástico nem floresta mágica!”, diz o autor, Pedro Seromenho, ao PÚBLICO. “Não. Aqui, tudo se passa em casa, onde o encanto, a surpresa e a felicidade deveriam morar em cada (re)canto do quarto ou da sala”, acrescenta.

Escrito durante o período de confinamento, em que vimos a liberdade ser-nos temporariamente retirada e “passámos a viver a nossa família de um modo imprevisto e intenso, que nos obrigou a inúmeras mudanças e a sucessivas adaptações”, lembra o também organizador do Braga em Risco – Encontro de Ilustração.

0402MãoCheia.Pág.Crianças8Maio

A pergunta há-de repetir-se ao longo de toda a história: “As rimas incómodas e a pergunta persistente são propositadamente repetidas: — Mia, o que tens na mão?! Poderá ser imediatamente notado e até sobejamente criticado, mas ninguém ficará indiferente. Sabia o risco que corria e fá-lo-ia de novo. De forma exagerada.
Porque, com imaginação, tudo pode caber numa mão: um sorriso, um carinho ou um segredo. Numa casa onde mora o amor, não há esconderijo para o medo.”

Diz que o livro “é um acto de amor e cumplicidade entre um pai e uma filha”. E descreve-o como “uma espécie de jogo de relaxamento, uma brincadeira criativa com o que de mais vulgar a vida tem: o nosso quotidiano”.

De modo bem-disposto e poético, vai contando as conversas de um dia banal: “Não há momentos sublimes, nem tragédias gregas com actos heróicos. Trata-se apenas de mais um dia normal em que saímos de casa, para levar a nossa filha até à escola. Podia ser aborrecido, mas não é.”

O escritor e ilustrador defende: “Todos os dias deveriam ser especiais e todos os pais deveriam ter mais tempo para brincar com os seus filhos. Desta forma, as tarefas mais básicas do dia-a-dia tornar-se-iam momentos inesquecíveis!

Conta ainda. “Como a narrativa se tratava de um diálogo entre nós, resolvi desafiar a minha filha a conversar comigo através da inocência pueril dos seus desenhos. Foi também a melhor forma de desconstruir os meus.” E lembrou-se de Picasso, “para quem a arte de uma criança é suprema e prevalece a tudo o resto”.

Para as ilustrações, usou grafite, lápis de cor, aguarelas e marcadores de pigmentos. Explica também como as guardas do livro (folhas que resguardam o princípio e o fim de uma obra encadernada) fazem parte da história: “Na inicial, estou com a Mia a decidir o que desenhar e o lápis rosa indica ao leitor que será a sua cor. Tudo o que estiver a rosa será da sua autoria. Nas guardas finais, como a Mia é mais jovem e mais enérgica, continua a desfrutar da cor e da liberdade, mesmo depois de o seu pai já ter desmaiado no meio do caos e da balbúrdia!”

As imagens exprimem movimento, alegria e serenidade, mergulhando o leitor na atmosfera fantástica que o autor diz não existir… no livro.

Pedro Seromenho, editor da Paleta de Letras, é presença habitual nas escolas enquanto promotor de leitura. Pretende agora trabalhar e explorar a ideia do livro “com os pequenos através de objectos escondidos nas mãos”. Certamente, irá resultar.

Uma Mão Cheia
texto: Pedro Seromenho
ilustração: Pedro Seromenho e Mia Flor Rocha
edição: Porto Editora
32 págs., 10,90€

Texto divulgado na edição do Público de 8 de Maio de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pág.CriançasMãoCheiaPedroSeronenho8Maio

Na edição impressa, a página foi desenhada por Ana Fidalgo. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira. Uma alegria!

A liberdade das férias grandes

capa-tudo-tao-grande

Há uma altura do ano em que tudo cresce: os dias, as horas, a erva, a sombra. E a liberdade. Disso nos fala Tudo tão Grande, do Planeta Tangerina.

A alegria de ver o tempo a passar e os pés dos filhos a crescer pode muito bem ser transformada num poema, que talvez venha a ser cantado. Pelo menos assim o deseja a autora, Isabel Minhós Martins, que assina o texto de Tudo tão Grande – Canção cada vez maior.

A editora e fundadora do Planeta Tangerina reconstitui ao PÚBLICO a origem deste livro: “Escrevi-o o ano passado, no final da Primavera/ início do Verão, quando a pandemia estava a abrandar e tínhamos um Verão pela frente. Parecia que tudo tinha passado e acho que fui movida por essa alegria: a de que o tempo passa (e nem sempre é mau), os miúdos crescem e nessa altura específica do ano parece que tudo cresce com eles: os dias, as horas, a erva, a sombra.”

TudoTaoGrande-LOW-5_page-0001
Do livro: “O dia grande/ A lua cheia// A maré alta/ a noite inteira.”

Fazendo mais um esforço de memória, acrescenta: “Começou com a ideia de dois pés descalços, fora dos sapatos, à sombra de uma árvore. E a constatação de que esses pés eram já bem maiores do que no ano anterior. (Estou naquela fase em que fico boquiaberta com o tamanho dos pés dos meus filhos! Deve ser isso.)”
Do livro: “O universo expande/ O ovo estala// O miúdo estica/ Rebenta a escala.”

tudo-tao-grande-4

Isabel Minhós Martins diz que este texto é a sua “homenagem às férias grandes, a esse parêntesis onde o tempo se alarga e em que uma hora equivale a uma semana e uma semana pode equivaler a um ano, em termos de vivências e crescimento”.

Considera esse “tempo precioso, muito livre, em que temos mais oportunidades de estar mais próximos dos outros e também mais próximos da natureza”. Para concluir: “Nesse contacto, como quem vai atrás desse movimento muito livre, acontece muitas vezes crescermos imenso!”
Do livro: “As férias grandes/ O mergulho fundo// O ar tão livre dá a volta ao mundo.”

Sentir-se pequenino em espaços gigantes

Também o ilustrador, Bernardo P. Carvalho, explorou as dimensões, as proporções e o crescimento. “Adoro paisagens e espaços abertos, sentir-me pequenino em sítios gigantes que nos esmagam. Acho que este poema também é sobre o crescimento, o que vamos absorvendo, sejam palavras, livros ou paisagens incríveis, que nos fazem maiores, cada vez maiores”, disse ao PÚBLICO.

O vencedor do Prémio Nacional de Ilustração no ano passado, com Hei Big Bang! (Ninguém Disse Que Era Fácil), contou ainda que “não foi muito fácil encontrar o caminho que queria” para este Tudo tão Grande: “Para já, este poema é mesmo bonito e não o queria assassinar… com os meus desenhos e, depois, durante o processo ia falando com a Isabel e discutimos outros caminhos, que às vezes parecem uma boa ideia, mas depois não resultam muito bem e não vão dar a lado nenhum de especial, o que pode ser um bocadinho angustiante.” Mas chegaram a um resultado feliz, como sempre.

TudoTaoGrande-LOW-14

Sobre a técnica, quando lhe perguntamos se o registo de manchas-paisagens é para ficar, descreve: “Comecei por fazer colagens, que depois se tornaram colagens digitais, papéis pintados, digitalizados e compostos no computador. Este registo é como todos os outros, uma fase do nosso trabalho que passa muito por isto: experimentar desenhar com outros meios.”

Na contracapa, sugere-se: “Inventa uma música para cantares este livro.” E convida-se os leitores a enviar as canções para a editora. Até agora, ainda não chegaram. Talvez nas férias grandes.

Texto divulgado na edição do Público de 24 de Abril de 2021 e no site-satélite Ímpar.

PáginaCriançasGrande24Abril

Na edição impressa, a página foi desenhada por Ana Fidalgo. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira. Em total liberdade.

A feliz possibilidade de contrariar o destino

001CapaRetratook

O futuro a nós pertence. A atitude pessoal e o acaso disputam um jogo em que a vitória não está prometida. As personagens de O Retrato mostram-no. “É preciso brigar pela vida”, diz o autor, Clovis Levi.

O livro O Retrato (Aquilo Que Não se Vê)​ parte de uma foto que capta quatro crianças, um bebé, uma cadela e uma “pipa” — em português de Portugal, um papagaio de papel. Esclareçamos já que o autor do texto, Clovis Levi, é brasileiro, carioca, mas também tem nacionalidade portuguesa.

A descrição das características e temperamento de cada retratado conquistam imediatamente o leitor. Sem muita conversa… ficamos a conhecê-los no essencial: o inventor, a mandona, o leitor, a descabelada. Mais a cadela grávida e o bebé emprestado (só para compor a foto). E, claro, o papagaio de papel, que anseia por liberdade.

Será este que nos irá desvendar as misérias e sonhos de cada personagem. Será também o papagaio de papel que nos dará a conhecer o destino de cada uma delas e de si próprio. Aliás, dois destinos para cada. E não os únicos. Já que, como se diz no livro, “a vida tem muitas possibilidades”.

Um novo retrato, dez anos depois, traz-nos ausências, por fuga ou morte, e outras crianças, filhos. Mas haverá ainda um terceiro desfecho ou retrato possível.

Genilda vai para a capital e não tem filhos? Engravida logo aos 13 anos ou vai para os Estados Unidos?

Luan inventa uma máquina gigante para regar o Nordeste? Conserta brinquedos no quintal da sua casa? Ou continua a trabalhar na roça?

Uélinton torna-se escritor e cria uma biblioteca na escola? Trabalha numa fazenda e não lê um livro desde os 12 anos? Ou, aos 20, está a terminar o seu segundo romance de terror?

Chakira consegue ser “médica de todos os bichinhos” num zoo? Tem de cuidar de humanos numa enfermaria ou estuda Teatro no Rio de Janeiro?

Gugu morre aos 11 anos? Ou sobrevive e, aos dez, é considerado músico prodígio, mas a querer ser jogador de futebol?

E a cadela Jupira, que sonhava com sombra, alimento e água? Desaparece ou chega a ter cinco cachorrinhos, que ainda vagabundeiam pelo povoado?

fn criancas miolo small1 4 Papagaio

E o papagaio de papel (“pipa”)? Continuará a ser guiado pela mão de Uélinton? Será libertado pelo seu amor, o vento? Ou vai deixar-se apanhar pela tempestade, rasgar o celofane e morrer, perdendo o voo e a liberdade?

A origem condiciona mas não determina

Tudo isto nos é contado e perguntado cruamente. Se é sabido que os grandes escritores não fazem cerimónia com as palavras, Clovis Levis não faz cerimónia com nada nem coisa nenhuma.

Mostra a pobreza, o desgosto, a morte, o abandono, a sexualidade, a injustiça, sem infantilizar o leitor, mesmo sabendo que pode ser criança ou jovem. O mesmo para a alegria, a festa, a reconciliação com a vida. Escreve com honestidade.

miudos,educacao,livros,coimbra,pobreza,brasil,

Sem ignorar que a geografia física e social das nossas origens condiciona o futuro de cada um de nós, lembra e reforça que esta não o determina. Daí os vários percursos possíveis das personagens. Em suma, o exercício do livre-arbítrio.

Tudo isto torna O Retrato um livro comovente e esperançoso. O texto teve uma primeira edição brasileira, da Abacatte, em que as ilustrações de Lelis ampliam o sentido do que é dito e reforçam a atmosfera sombria e triste, numa expressão plástica quente e envolvente.

Perante a edição portuguesa, com ilustrações de Ana Biscaia, espera-se mais um êxito desta dupla, depois da colectânea de contos A Cadeira Que Queria Ser Sofá (Prémio Nacional de Ilustração 2012).

A linguagem verbal de um e a visual de outra interagem de uma forma muito eficaz. O aspecto é o de um storyboard que podia destinar-se a um livro de banda desenhada ou a um guião para cinema.

E as ilustrações de Ana Biscaia, que gosta de usar grafite e tirar partido da sujidade que produz, sem elementos bonitinhos e assépticos, adequam-se à verdade das palavras de Clovis Levi. É por isso que, juntos, conseguem tão bem pôr à vista aquilo que não se vê.

“Em vez de ter sido assim, poderia ter sido assado”

O livro, que tem formato A3 (uma inovação da Xerefé, que até agora se dizia “uma pequena editora de livros pequeninos ilustrados”) e em que o texto surge manuscrito (também desenhado), foi apresentado a 5 de Março, em videoconferência, numa iniciativa do Centro Cultural Penedo da Saudade, do Instituto Politécnico de Coimbra, e em que o PÚBLICO teve uma breve participação no final.

Nessa altura, Clovis Levi contou que a história resultou do conhecimento que teve de uma visita oficial de Lula e do seu então ministro da Educação, Cristovam Buarque, ao Nordeste brasileiro, Sertão. Quatro crianças foram escolhidas e fotografadas para simbolizar aquele projecto de melhoria de vida. A expectativa era a de que muitas crianças tivessem agora a perspectiva de um futuro melhor. Mas… as políticas e os seus actores mudaram entretanto.

Cristovam Buarque há-de voltar ao local para saber do percurso dessas (já não) crianças. Os sonhos daquele primeiro encontro não se traduziram numa realidade feliz, pois esta manteve-se dura.

Este foi o ponto de partida de Clovis para escrever sobre os sonhos e as oportunidades que a vida nos dá. Por isso, diz: “A gente não pode aceitar o destino como uma coisa fechada. Temos possibilidades de mexer no nosso destino. A vida tem muitas possibilidades.

No entanto, não ignora que, “ao mesmo tempo, há casos em que não podemos interferir, coisas que acontecem e que não estão no nosso domínio”. Mas incita os jovens a perseverar: “É preciso brigar pela vida e pelos sonhos.”

O livro tem, portanto, várias partes, como explica o autor: “Primeira parte: os sonhos dessas crianças vão-se confrontando com a realidade miserável que elas estão vivendo. Segunda parte: dez anos depois, mostra-se o que aconteceu. E depois a gente fala: ‘Mas poderia ter sido diferente.’”

E surge outra parte ainda: “Em vez de ter sido assim, poderia ter sido assado. E aí a gente mostra como foi o assado… a gente mostra como as possibilidades são inúmeras e como cada leitor vai ter a oportunidade de propor um final para aquelas personagens.” E também para si próprio.

O Retrato (Aquilo Que Não se Vê)
Texto: Clovis Levi
Ilustração: Ana Biscaia
Edição: Xerefé Edições
45 págs., 20€

Texto divulgado na edição do Público de 17 de Abril de 2021 e no site-satélite Ímpar.

PáginaRetratoClovisAna

Na edição impressa, a página foi desenhada por Sandra Silva. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre MarquesSílvia Pereira. E é aquilo que se vê…

O ovo, o ninho e o voo. Depois, as nuvens

cortanteAVES_FINAL_conv

Criado para a primeira infância, Aves — Trilogia para Bebés é uma viagem em três actos, com sons lá dentro. Palavras, música, palmas e duas línguas destravadas.

Um CD que começou por ser um espectáculo e que se apresenta como “um objecto sonoro para partilhar no casulo familiar”, brincando “com a sonoplastia e com as palavras para embalar a imaginação dos bebés e famílias”. Na certeza de que “tudo se inicia no ovo”.

São palavras de Dulce Moreira e Mariana Santos ao PÚBLICO, enquanto criadoras do projecto O Som do Algodão. E têm mais para dizer, quando se lhes pergunta porquê a escolha de aves: “Aves porque é um espaço de liberdade. A ideia de que tudo se inicia no ovo, no casulo primordial. Do ninho-casa e dos afectos que moldam os nossos sonhos e nos permitem ganhar asas para voar. Para nos reencontrarmos nesse espaço de liberdade, porque ‘sonhar é bom, é como voar suspensa por balões’, como escreveu Clarice Lispector.”

cortanteFinal

Quando se passa para a segunda faixa, O ninho, é-se levado para a história do Urso Gaspar, da autoria de Inês Montalvão. Antes, já se experimentou a descoberta do ovo, “que é um bicho estranho”. E deparamo-nos com “essa estranheza de acontecer, de existir”.

O ninho somos nós que o fazemos

Gaspar “reúne os seus afectos, as suas conquistas e percebe que o ninho somos nós que o fazemos”. Mais: “O ninho é o lugar que escolhemos como nosso. Seja ele onde for.”

Depois, chega o momento de voar, a última parte da trilogia: “Uma viagem sonora e poética através do sonho, do desejo de voar, de subir no alto como um balão vermelho. De habitar ar. É a história de um apenas menino que ‘amou sempre a terra, viveu sobre as árvores e subiu para o céu’, nas palavras de Italo Calvino”, evocam as autoras.

Sobre a adesão das famílias ao espectáculo, recordam que a trilogia Aves teve a sua estreia no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Porto, em 2017. Desde então “passou por palcos de todo o país, reunindo centenas de famílias”. Esteve no Teatro Municipal Constantino Nery (Matosinhos), na Reitoria da Universidade do Porto, no Festival i (Águeda) no Geão Mini Fest (Santo Tirso), no Festival Imaginário (Sintra) e em auditórios e bibliotecas na Guarda, Sever do Vouga, Albufeira, Macedo de Cavaleiros e Vila Nova de Cerveira. E passou ainda “por dezenas de instituições do ensino pré-escolar um pouco por todo o país”.

Internacionalmente, esteve “em destaque na edição de 2019 do Kolibrí Festivaali, em Helsínquia, um festival que celebra a multiculturalidade na Finlândia”. O trabalho foi apresentado a famílias em língua portuguesa. “Uma experiência que veio provar que a palavra existe para lá das fronteiras linguísticas e que nos permitiu partilhar o nosso trabalho artístico focado na primeira infância com famílias de portugueses, brasileiros, espanhóis, chilenos, argentinos ou finlandeses.”

Agora, O Som do Algodão alimenta o desejo de regressar aos espectáculos ao vivo o mais brevemente possível. “No imediato, o projecto mais próximo passa pela digressão que iremos realizar nos Açores com o apoio da Fundação GDA [Gestão dos Direitos dos Artistas]. Iremos levar até às ilhas do grupo central a estreia da nova trilogia para bebés – Cumulus –, cuja criação contou com o apoio do Fundo de Fomento Cultural do Ministério da Cultura”, descrevem.

Cumulus são nuvens. Dulce Moreira e Mariana Santos explicam a nova viagem sonora, visual, sensorial e performativa: “Começamos no ar, como que resgatando o voo final da trilogia Aves, com o desejo de regressar à terra. De nos voltarmos a mover com os pés no chão. Do ar passamos à terra. À cor, ao calor, ao toque e à pele. Para nos reconectarmos. Em família.”

Mais um momento (e espaço) para partilhar a liberdade e as emoções com as famílias e os bebés. Com música embrulhada.

Texto divulgado na edição do Público de 10 de Abril de 2021 e no site-satélite Ímpar.
0001 (20)
Na edição impressa, a página foi desenhada por Ana Fidalgo. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira. Altos voos…

Anda por aí um elefante a dar gelados às crianças

0CapaElefante

Os autores não puseram o animal na tradicional loja de porcelanas, mas a passear pela cidade. E a distribuir gelados aqui e ali, onde houver crianças.

Estava um elefante tranquilo na sua vida estável, monótona e previsível que o jardim zoológico lhe facultava, quando um pequeno rapaz o desafiou a abandonar toda aquela paz e sossego.

Não foi muito difícil convencê-lo, já que a sua natureza rebelde ansiava em silêncio por uma oportunidade de se fazer ao mundo. A primeira paragem foi logo ali, no primeiro restaurante que avistou. “Pediu um bife com batatas fritas. Depois sentou-se à mesa e comeu tudo. E de sobremesa? Oh, comeu logo os pratos e os talheres.” Ainda houve tempo para outros estragos… entre muita água bebida, café, chávenas e pires ingeridos.

Certo é que, depois de algum receio dos pequenos (“as crianças começaram a ficar inquietas, porque não sabiam para onde voava o avião”) e do desejo de abraçarem os pais (“agarraram-se ao elefante mas não era a mesma coisa”), houve festa na cidade. Noutra.

Prevê-se que o futuro da chancela seja radioso e que passe por despertar nos jovens leitores a vontade de ver as outras cores que o mundo contém e que só os olhares mais atentos conseguem vislumbrar, como a cor de burro quando foge”, dizem-nos da editora, informando ainda que “o nome resultou de um divertido diálogo com a ilustradora”, Christina Casnellie.

O autor do livro é também o editor da chancela, assina com o pseudónimo Manuel Palaio, é natural de Ferreira do Zêzere, “sempre admirou a sabedoria das crianças e inspirou-se nelas para criar este livro”.

Christina Casnellie é ilustradora e designer gráfica. Trabalha em publicidade, impressão tipográfica, serigrafia, design de produto e design editorial. Na sua página, diz: “Fico entusiasmada com qualquer tipo de projecto em que possa sujar as mãos.” Na cidade ou não.

Um Elefante na Cidade
Texto: Manuel Palaio
Ilustração: Christina Casnellie
Edição: Cor de Burro Quando Foge
48 págs., 14€

Texto divulgado na edição do Público de 3 de Abril de 2021 e no site-satélite Ímpar.

PáginaElefanteCidadeAbril2021

Na edição impressa, a página foi desenhada por Sandra Silva. A parte de agenda ficou a cargo de Cláudia Alpendre Marques e Sílvia Pereira, que andam sempre à procura de actividades para a família. Ainda bem.

Monstros simpáticos que gostam de livros e de papas de aveia

CapaLeiturasPapasAveia

Uma história escrita para uma criança ainda por nascer conquistou o maior prémio de literatura infantil do país.

Monstros minúsculos vivem numa aldeia instalada nas molas do colchão de Olívia, mas o autor faz imediatamente saber que não é caso único: “Acontece em praticamente todas as casas, nas molas dos colchões daqueles que mais gostam de ler. Porque os monstros — e isso é que quase ninguém sabe — têm o vício das histórias.”

António Pedro Martins atribui-lhes nomes divertidos, Papa-Livros, Tira-Linhas, Tira-Teimas, Meia-Leca, Enche-a-Pança, Troca-Tintas, e características humanas, entre elas, a curiosidade. Por isso, ao descobrirem um livro de receitas, vão explorar os seus dotes culinários, enquanto toda a gente dorme.

Esta foi a história vencedora da 7.ª edição do Prémio de Literatura Infantil do Pingo Doce (em 2020), que vale 25 mil euros a quem a escreve. O autor, na altura da atribuição do prémio, explicou o que queria defender: “A importância de ler e aprender com o que os livros têm para nos ensinar, e a ideia de que não podemos dizer que não gostamos das coisas sem as conhecer.” Quando tinha acabado de saber que iria ser pai, esforçou-se por escrever algo para a filha por nascer, Olívia.

Querer ser publicado

Os outros 25 mil euros ficam para o ilustrador que se revelar com mais talento para transfigurar o texto em narrativa visual. No caso, foi Duarte Carolino, com quem o PÚBLICO falou por estes dias, nas vésperas de se encerrar a candidatura para a 8.ª edição (2 de Abril).

Diz-nos ainda que a motivação principal para concorrer foi “tentar ser publicado”, sem deixar de acrescentar: “Claro que o valor em causa é uma motivação extra.” No entanto, desculpando-se pelo cliché, “estava longe de pensar que ia ganhar”. Mas ganhou. E ainda bem. As figuras simpáticas que desenhou, não só enriquecem o texto, como lhe conferem mais humor e até serenidade para as crianças mais medrosas. Consegue transformar monstros em seres afáveis e bem-dispostos. Amigos com quem nos apetece tomar o pequeno-almoço.

A nosso pedido, descreve o processo de trabalho: “Comecei no papel, com muitos esboços, depois passei para o computador, onde incorporei texturas que produzi manualmente.”

As seis ilustrações apresentadas a concurso (que correspondem a seis planos, páginas duplas) foram uma amostra feliz e representativa, não só do registo escolhido, como da atmosfera pretendida, da diversidade de elementos, escalas, perspectivas e cores.

Tornar contemporânea a arte popular

Duarte Carolino, que foi tomando em consideração a opinião da filha de oito anos à medida que criava as novas ilustrações, diz que “genericamente ficou satisfeito com o produto final”: “Depois de saber que tinha ganho, o processo é muito rápido, os prazos para finalizar as restantes ilustrações são apertados (bem mais curtos do que num livro de ilustração editado de forma convencional) por isso era difícil fazer melhor.

Para chegar à estética dos monstros do colchão da Olívia, socorreu-se da arte popular portuguesa, sobretudo inspirando-se e investigando os trabalhos de Rosa e de Júlia Ramalho (Barcelos). Deu-lhes contemporaneidade e novos rostos.

Formado em Artes Plásticas pela Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha, Duarte Carolino interessa-se por tipografia e, nos últimos anos, tem realizado vários projectos de serigrafia, na companhia de Matilde Beldroega.

Sete anos, 130 mil livros

O Prémio de Literatura do Pingo Doce teve a sua primeira edição em 2014 e já revelou 14 novos talentos na literatura para a infância e na ilustração e design gráfico. O total de sete obras publicadas traduz-se em mais de 130 mil livros disponíveis em mais de 400 lojas e a preços baixos.

Para Maria João Coelho, directora de Marketing do grupo, “o Prémio de Literatura Infantil Pingo Doce vem reforçar o compromisso de promoção da literacia infanto-juvenil, através da democratização do acesso aos livros infantis, estimulando os hábitos de leitura em família, desde cedo”.

As candidaturas para a fase de texto terminam a 2 de Abril (Dia do Livro Infantil). Depois de conhecido o vencedor, a 5 de Maio (Dia Mundial da Língua Portuguesa), será a vez de os ilustradores terem o privilégio de conhecer a história em primeira mão e de a tentarem transpor para linguagem visual. Poderão então concorrer a partir de 13 de Maio e até 1 de Julho (Dia Mundial das Bibliotecas).

Se o leitor tem uma história na gaveta, está na altura de a tirar de lá. Se só a tem na cabeça, ainda vai a tempo de a escrever e de concorrer. Com ou sem monstros.

Leituras e Papas de Aveia
Texto: António Pedro Martins
Ilustração: Duarte Carolino
Revisão: Alice Araújo
Design e edição: Livros Horizonte
Produção: Livros Horizonte, Lda para Pingo Doce — Distribuição Alimentar, SA
50 págs., 3,99€

Texto divulgado na edição do Público de 27 de Março de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pág.Crianças27Março2021Monstros

Na edição impressa, foi publicada uma versão mais curta do texto. Quem desenhou esta linda página foi Ana Fidalgo. O Guia do Lazer voltou a ocupar-se da parte de agenda.

Uma homenagem feliz aos mais velhos

01Pág.Crianças20Março

A autora reencontra o avô através da memória do banco de madeira em que ele se sentava. A ilustradora vai aos “bolsos das recordações” e também dá de caras com os seus avós.

A Geração dos Bancos de Madeira foi escrita, segundo Sara Brandão, numa tentativa ingénua de reencontrar o avô nas coisas mais simples. “Recordo-o muitas vezes sentado na cozinha, num desses bancos em madeira, e foi a partir dessa imagem que a história fluiu num tom infantil e ficcional”, conta ao PÚBLICO.

Diz ainda: “Queria abordar a perda, carinhosa e indirectamente, sobretudo aquilo que permanece. Acho que, à medida que vamos crescendo, tudo nos pesa e perdemos uma certa facilidade em recordar aqueles que nos deixaram por aquilo que foram e centramo-nos, em excesso, na sua ausência física.”

Com uma escrita fluente e imaginativa, Sara Brandão consegue criar uma voz verosímil para uma criança de 12 anos. “Vivo numa casa que não é grande nem é pequena, em frente à casa dos meus avós, que mesmo sendo do mesmo tamanho da minha, é sempre muito maior. A minha casa é branca e sonolenta, porque a maioria do tempo que lá passo estou a dormir.”

04Pág.Crianças20Março

Os nomes dados aos capítulos são bem escolhidos. Desde “Aprender a comer” a “Aprender a lidar” ou a “Aprender a fugir”.

Para a ilustradora, Luísa Coelho, começou por ser difícil dar corpo à narrativa: “Honestamente, quando comecei, não conseguia ver onde a ilustração poderia caber na história, sendo já um texto tão descritivo e poético, não queria que a ilustração viesse dizer o mesmo que as palavras, parecia-me redundante.”

Por isso andou uns tempos com tudo às voltas na sua cabeça, a esboçar ideias, mas sem nunca gostar do que estava a fazer, conta ao PÚBLICO. “Até que um dia, no Verão, decidi desligar-me parcialmente do texto e pensar no imaginário da criança, desde os amigos imaginários da personagem principal às confusões de pensamentos e emoções que esta menina sentia. Acabei por mergulhar nesse universo.”

Valeu-lhe identificar-se com a protagonista: “Muito! Acho que qualquer neto/a que tenha tido a sorte de conhecer os avós e a oportunidade de usufruir disso se identificará com esta história. Eu tenho o prazer de ser neta e ter os bolsos cheios de recordações dos meus avós, facilmente revejo os meus ‘bancos de madeira’. Assim como esta noção de vermos o tempo a passar e sabermos o quão importante é guardar estes momentos na memória.”

Colagens e um dedo partido

Luísa Coelho não seguiu uma regra rígida na escolha dos momentos a ilustrar. “Depois de ter percebido onde é que a ilustração iria existir nesta história, foi simplesmente anotar tudo o que dizia respeito ao imaginário da menina, o cavalo cor de beringela Manel, as confusões de vocabulário, as aventuras pontuais que iam acontecendo paralelamente à história principal. E a partir daí, foi passar tudo para o papel e começar a ilustrar as situações que me pareciam mais engraçadas e dinâmicas. No fundo, até ter terminado o livro, não fazia ideia de quantas ilustrações iriam ser, sabia só que pelo menos uma por capítulo tinha de existir.”

Inicialmente, apresentou três ilustrações quase finalizadas à autora do texto, “para poder exemplificar o que andava a magicar e como o queria fazer”. Depois, Sara Brandão deu-lhe “total luz verde para fazer o que quisesse” e então criou “de rajada as outras todas”.

08Pág.Crianças20Março

Sobre a técnica, descreve: “As ilustrações são todas analógicas, numa mistura de acrílicos, pastel seco, marcadores e colagem (talvez haja um lápis de cor aqui ou acolá também).”

E conta, bem-humorada, as vicissitudes do processo: “Quando finalmente percebi como iria fazer as ilustrações e com que materiais, nessa mesma semana, parti o dedo anelar da mão esquerda a surfar.” Sendo canhota, ficou atrapalhada, pois não conseguia desenhar como queria. “Não conseguia arranjar posição para a mão a segurar o pincel. Então foi aí que surgiu a colagem, veio por necessidade e no final acabou por resultar bastante bem.”

Truz Truz já editou online Disse o Mário e O Baile, sendo A Geração dos Bancos de Madeira o primeiro livro materializado.

“Vou e venho a pé da escola, sozinha. Gosto especialmente das quartas e sextas-feiras. Por não ter aulas à tarde, regresso guiada pelos cheiros que voam da cozinha da minha avó. Sigo numa caminhada de narinas, até à mesa que tem preparada para mim. Um banquete requintado com o carinho do Natal. Até aos meus onze anos almocei todas as quartas e sextas-feiras com os meus avós, sentada num banco de madeira e empoleirada sobre a mesa. Era esta a única vida que conhecia. A única vida que conheço. Hoje tenho apenas doze e mais um ano é coisa pouca para se falar em viver.”

Os dois últimos capítulos são “Aprender a aceitar” e “Aprender a honrar”. Seja.

A Geração dos Bancos de Madeira
Texto: Sara Brandão
Ilustração: Luísa Coelho
Edição: Truz Truz
104 págs., 14€

Texto divulgado na edição do Público de 20 de Março de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pàg.Crianças20Março2021BancosMadeira

Na edição impressa, foi publicada uma versão mais curta do texto. Quem desenhou esta página foi Ana Fidalgo. O Guia do Lazer voltou a ocupar-se da parte de agenda. Obrigada a todos. (E não se esqueçam de agradecer aos mais velhos. O que quer que seja.)

Zangada com o mar

01CapaPãg.Crianças13MarçoNOA

Uma criança deixa de falar quando perde os pais num naufrágio. Noa é uma história triste, mas também de superação e de reconciliação com a vida. A luz e calor das ilustrações atenuam o drama.

Uma tragédia entra pela vida adentro de uma criança. Foi o mar que a trouxe e o avô que a anunciou. E logo ali Noa perdeu a voz. “Eles mentiram-me. Abandonaram-me. Desistiram de mim. Será que me portei mal?

Um naufrágio de pesca leva-lhe os pais e a vontade de falar. Sobre a mãe: “Ela disse que eu não precisava de ter medo do escuro, porque nunca me deixaria sozinha. Mas agora está escuro, e ela não está aqui…” Sobre o pai: “Ele disse que vinha a correr, se eu chamasse. Mas eu estou farta de chamar, e ele não vem… Não deve ouvir a minha voz a tanta água de distância.”

A autora do texto, Susana Cardoso Ferreira, disse ao PÚBLICO, quando o livro foi publicado, no Verão de 2020: “Ter feito isto à Noa, matar-lhe os pais, foi dificílimo. Ela começou a sofrer e eu também. Não me apetecia usar palavras supérfluas, tal como Noa, apetecia-me ficar em silêncio.”

A menina foi viver com o avô, mas acabou por se ver rodeada de outras pessoas na “casa mais alta do que larga”, com jardim e de onde se avista o mar. Mas ela não quer olhar para ele.

Um corvo, uma ex-professora, um amigo do avô e uma miúda tagarela preenchem agora os dias de Noa. A pouco e pouco, a vida reformula-se. “Tenho esperança de ter passado a mensagem de que a vida continua e que é possível reconstruí-la, ter novas famílias. O mundo continua, é diferente, mas não é mau”, disse então a autora, que é também tradutora de literatura infanto-juvenil.

02Pãg.Crianças13MarçoNOA

Dar luz e calor à história

Agora, foi a vez de escutarmos a ilustradora, Raquel Costa, que nos diz: “Não queríamos que fosse um livro sombrio e triste. A ilustração funcionou como contraponto, com luz, calor e textura.” Formada em Artes Plásticas – Escultura, conta como a leitura do texto teve em si “uma ressonância emocional forte” e que o processo criativo foi muito “guiado pelo instinto”. Fala ainda “na sintonia feliz com a Susana”, já que ambas estavam “à procura de uma voz autoral genuína, espontânea e livre”.

Alguns pormenores das ilustrações não constam da história, “gosto de acrescentar elementos na transfiguração em narrativa visual”, mas Raquel Costa não quis criar imagens demasiado pormenorizadas. “Procurei desenhar sem excesso de detalhes. É preciso saber quando parar e evitar melhoramentos. Só estraga. Há que ser contida na metáfora visual.”

No início, foi preciso “partir muita pedra”, diz. “A fase inicial nunca é fácil. Demora a sentirmo-nos confortáveis dentro do desconforto das páginas em branco.” Depois de ambas se sentirem “alinhadas”, foi mais fácil e fluente.

À medida que ia desenhando, ia mostrando os esboços para aprovação. “O trabalho faz-se por avanços e recuos. Podemos aperceber-nos de que o fluxo tem de ser transformado e algumas ilustrações reconfiguradas ou mesmo excluídas”, descreve a também professora na Escola Superior de Design, do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.

Noa foi desenhado “exclusivamente com técnicas digitais”. Uma opção que teve que ver com o confinamento e com a possibilidade de se “saltar passos, como digitalização e pormenores de artes finais”. Assim, foi mais rápido e prático.

Ainda que goste de “sentir o lápis a riscar a folha”, defende que o digital permite igualmente “criar camadas e simular a pintura e fluidez” das imagens. Já não consegue imaginar Noa criado de outra forma.

Com este livro, Raquel Costa integrou a lista de 303 ilustradores seleccionados pela Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha (de entre 3235 candidaturas de 68 países). Não passou ao escrutínio seguinte, em que foram escolhidos os 77 que irão expor na próxima edição da feira, em Junho.

“Estaria mais feliz se tivesse sido seleccionada para a fase seguinte, mas estou muito orgulhosa por estar tão bem acompanhada nesta lista”, disse ao PÚBLICO no dia em que se soube que os portugueses a integrar a mostra em Bolonha seriam Catarina Gomes e Tiago Galo.

Quanto a Noa, já não afasta o olhar da nesga de mar que avista do jardim da casa. Mas é preciso deixar o tempo fazer o seu trabalho.

Noa
Texto: Susana Cardoso Ferreira
Ilustração: Raquel Costa
Edição: Oficina do Livro
112 págs., 12,50€

Texto divulgado na edição do Público de 13 de Março de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pàg.CriançasNoa13Março2021

Na edição impressa, foi publicada uma versão mais curta do texto. Quem desenhou esta página foi Sandra Silva. O Guia do Lazer voltou a ocupar-se da parte de agenda (tudo ainda online por causa do confinamento, que está quase a acabar…). Obrigada por se manterem aí e por nos visitarem.

A gritar é que a gente se desentende

Discordia_Capa_BR

Discórdia é um livro que também pode ser entendido por crianças, mas que se destina a todos. Fala, sem palavras, da urgência de se criar pontes de entendimento. Com esperança.

Integrado na colecção Imagens Que Contam, esta narrativa visual, explica-nos a autora, brasileira, começou assim: “Achei intrigante brincar com a ideia de fazer um ‘livro silencioso’ bem barulhento. Nessa pesquisa, me dei conta de que uma das maiores ‘gritarias’ que me rondavam há um certo tempo era justamente quando a política entrava no meio. Por ser brasileira e ter morado recentemente nos EUA e Inglaterra, presenciei de perto as transições para o ‘Brexit’, Trump e Bolsonaro. Era impossível fugir de discussões e opiniões questionáveis, desde motoristas de Uber a posts intermináveis no Facebook e WhatsApp.”

Fica assim explicado o título: Discórdia.

O que começam por ser pequenas nuvens de desacordo passam a tempestades de conflito, algumas irreversíveis. Nani Brunini, natural de São Paulo, conta ao PÚBLICO: “Vi muitos amigos afastando-se de seus familiares e amigos porque, conversar, sobre qualquer assunto, tinha-se tornado intolerável. Essa angústia ficou ainda maior quando percebi que pessoas que respeito estavam do ‘outro lado’. Era uma situação incompreensível, inesperada, bizarra e parecia que não iria acabar bem.”

A ilustradora, que agora reside em Portugal, diz ainda: “Tenho a impressão de que desaprendemos a discutir – o que, aliás, é um terrível exemplo para as crianças. Aprendemos muito quando estamos perto de opiniões e experiências diferentes das nossas.”

Mas o livro acaba por trazer esperança, já que haverá alguém que conseguirá ajudar as personagens a encontrar “pontes de entendimento” e a relembrar “que é possível discordar de forma respeitosa e construtiva”.

Desafiámo-la a fazer uma legenda única no livro: o que escreveria e onde? “Acho que não colocaria legenda em qualquer lugar… Apesar de ter sido um desafio ter falado sobre um tema tão complexo sem ajuda de um texto, fez-me ver o assunto de uma forma diferente.”

Recorre à expressão, de que gosta muito: “Não entendeu? Quer que eu desenhe?” (o equivalente ao nosso “é preciso fazer um desenho?”) e esclarece: “Parece bobo, e muitas vezes diminuímos o papel das ilustrações, mas o facto de não termos um texto como suporte exige do leitor um esforço, na minha percepção, positivo, para que ele chegue a uma narrativa própria.”

07Crianças6MarçoDiscordia

Escutar o outro

No livro, há uma espécie de salvador, um rapaz. Quisemos saber quem era: “A priori, não houve uma razão muito clara para escolher aquele personagem. Realmente poderia ter sido qualquer um deles. O engraçado é que só me dei conta depois de terminado o livro de que ele é o personagem que tem as orelhas grandes, ou seja, uma óptima metáfora/solução para um grupo de pessoas que precisam de parar de gritar e ouvir-se uns aos outros.”

O rapaz conta a ajuda de um cavalo para orientar os humanos a encontrar uma saída, mas podia até nem ser um animal, como explica a autora: “Ao serem engolidos pelo monstro, os personagens continuam o caos – alguns discutem, outros se desesperam. Um deles, no entanto, sai da bagunça e percebe que consegue moldar a sua fala em qualquer formato. Ele, então, cria um cavalo (poderia ter sido um skate, uma bicicleta, um dragão…) como uma maneira de procurar uma saída daquele lugar escuro e cavernoso.” Resultou.

Dos pincéis ao digital

Sobre a técnica usada, descreve: “A maioria dos desenhos começou à mão com pincel e tinta-da-china e depois passou por um vaivém entre Photoshop, Procreate e às vezes de volta para os pincéis.” Também nos dá conta do ambiente: “Escutei muita música clássica e voltei a desenhos da minha infância, como a Pantera Cor-de-Rosa e o Fantasia da Disney, para me ajudar a traduzir o que seriam manchas de fala mais ríspidas e outras mais calmas. Foi bastante desafiante, mas muito divertido.”

Na escolha das cores, Nani Brunini quis fugir às convenções cromáticas da política: “O azul e o laranja servem apenas para diferenciar um grupo do outro. No geral, procurei fugir de referências a grupos específicos, como vermelho para a esquerda e azul para a direita, por exemplo.”

Apesar de Discórdia ter nascido por observação e vivência de conflitos ligados à vida política, “não é necessariamente um livro sobre brigas entre grupos políticos”, esclarece. E acrescenta: “Como as falas são manchas abstractas e não ícones, não sabemos sobre o que exactamente estão contra ou a favor, nem de onde são ou mesmo que língua falam. Só sabemos que são dois grupos antagónicos e que estão muito zangados.” Vê-se. Aliás, quase se consegue escutar a gritaria que as imagens transpiram.

Querer ganhar pelo grito

Não tem dúvidas de que, “nos dias de hoje, há muita gente querendo ganhar no grito, tentando desesperadamente convencer o outro de que o seu lado está certo, geralmente com boas intenções. No entanto, esse caos barulhento só ajuda a aumentar o gap”.

A esperança que se vislumbra no livro não surgiu logo à partida, apareceu durante o processo criativo, como recorda a autora, que se estreia com este livro depois de um curso realizado na escola ArCo, leccionado por Catarina Sobral e Tiago Guerreiro, com a orientação de André Letria, editor da Pato Lógico. “Fazer o Discórdia, para mim, foi uma experiência extremamente catártica. Como eu estava vivendo aquela situação em tempo real, não tinha ideia de como o livro iria acabar. A história foi mudando junto comigo. Eu, na verdade, comecei bastante negativa. Não conseguia ver uma solução para um impasse tão grande.”

Com o avançar do tempo, Nani foi perdendo o pessimismo: “Aos poucos, lendo mais sobre empatia e conversando com mais pessoas, comecei a ver uma luz no fim do túnel – o que não quer dizer que o fim do livro foi algo estilo Hollywood, em que todos chegam a um ponto comum ou mesmo ao contrário, dizendo: ‘OK, não tem jeito mesmo, cada um para o seu lado. Agora só conversamos sobre se vai chover ou não’.” E concluiu: “A situação é muito complexa e não há uma única solução – às vezes até ouvir o outro lado não é suficiente – mas penso que é nossa responsabilidade procurar de forma proactiva reverter esse cenário.”

Discórdia é, portanto, um livro “para quem está cansado de gritaria”. Afinal, ganha quem grita mais alto ou perdem todos? Chiu!

Discórdia
lustração: Nani Brunini
Edição: Pato Lógico
40 págs., 13,50€

Texto divulgado na edição do Público de 6 de Março de 2021 e no site-satélite Ímpar.

Pág. Crianças Discórdia

Na edição impressa, foi publicada uma versão mais curta do texto. Quem desenhou esta bela página foi Sandra Silva. O Guia do Lazer voltou a ocupar-se da parte de agenda (tudo ainda online por causa do confinamento). Obrigada por se manterem aí e por nos visitarem.