À escala humana

Brasília é a cidade monumental, mas é também a cidade das quadras residenciais, que é como quem diz dos bairros. Passear pelos blocos de apartamentos que o programa de Lúcio Costa previu, associando-os a bibliotecas, igrejas, escolas, lojas, cinemas e clubes de vizinhança dá-nos uma outra perspectiva e a medida da “qualidade de vida” de […]






O Willys do Presidente

O Brasília Palace é um símbolo da cidade, não é só um hotel. É um dos primeiros marcos que Niemeyer criou para a capital brasileira e continua a ser hoje uma das suas referências. “Um hotel de arquitectos para arquitectos e estudantes de arquitectura”, diz-nos o guia e o recepcionista confere: neste momento estão hospedados […]






Para lá da fronteira

O fim de tarde à beira do Lago Paranoá faz lembrar um dia de férias. Os condomínios fechados, com jardins demasiado artificiais e guardas na cancela, contrastam com a cidade sem fronteiras dos grandes edifícios públicos, do Congresso Nacional ao teatro que Niemeyer quis parecido com uma pirâmide azteca. Há lanchas, motas de água e […]






Brasília fora dos livros

A Brasília das fotografias raramente tem pessoas e, se as tem, são operários apanhados no gigantesco estaleiro que em menos de quatro anos transformou por completo (e para sempre) o planalto central. Mas, quando se aterra na cidade de Juscelino Kubitschek (Presidente entre 1956 e 1961) — que é também a cidade do arquitecto Oscar […]






Aplauso

Ao longo desta semana, Joana Ama­ral Car­doso, no Rio de Janeiro, e Tiago Bar­to­lo­meu Costa, em Macau e depois Hong Kong, tro­cam car­tas de via­gem a mais de 17 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Duas rea­li­da­des, onde o por­tu­guês ainda é lín­gua, em dois paí­ses emer­gen­tes, duas pon­tas do BRIC (sigla que une qua­tro paí­ses emer­gen­tes — Bra­sil, Rús­sia, Índia […]






Tratar o Rio por tu (ou você)

Ao longo desta semana, Joana Ama­ral Car­doso, no Rio de Janeiro, e Tiago Bar­to­lo­meu Costa, em Macau e depois Hong Kong, tro­cam car­tas de via­gem a mais de 17 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Duas rea­li­da­des, onde o por­tu­guês ainda é lín­gua, em dois paí­ses emer­gen­tes, duas pon­tas do BRIC (sigla que une qua­tro paí­ses emer­gen­tes — Bra­sil, Rús­sia, Índia […]






Um dia destes ainda subo ao Pão de Açúcar

Ao longo desta semana, Joana Ama­ral Car­doso, no Rio de Janeiro, e Tiago Bar­to­lo­meu Costa, em Macau e depois Hong Kong, tro­cam car­tas de via­gem a mais de 17 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Duas rea­li­da­des, onde o por­tu­guês ainda é lín­gua, em dois paí­ses emer­gen­tes, duas pon­tas do BRIC (sigla que une qua­tro paí­ses emer­gen­tes — Bra­sil, Rús­sia, Índia […]






O Rio de uma janela e os duplos

Ao longo desta semana, Joana Ama­ral Car­doso, no Rio de Janeiro, e Tiago Bar­to­lo­meu Costa, em Macau e depois Hong Kong, tro­cam car­tas de via­gem a mais de 17 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Duas rea­li­da­des, onde o por­tu­guês ainda é lín­gua, em dois paí­ses emer­gen­tes, duas pon­tas do BRIC (sigla que une qua­tro paí­ses emer­gen­tes – Bra­sil, Rús­sia, Índia […]






Rio ressaca

Ao longo desta semana, Joana Ama­ral Car­doso, no Rio de Janeiro, e Tiago Bar­to­lo­meu Costa, em Macau e depois Hong Kong, tro­cam car­tas de via­gem a mais de 17 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Duas rea­li­da­des, onde o por­tu­guês ainda é lín­gua, em dois paí­ses emer­gen­tes, duas pon­tas do BRIC (sigla que une qua­tro paí­ses emer­gen­tes – Bra­sil, Rús­sia, Índia […]






Manaus a aprender a ser

A chuva torrencial não assusta os dois miúdos que aguardam que o jogo arranque no pequeno LCD. Estão debaixo de uma das dezenas (serão centenas, milhares?) de pequenas barraquinhas de toldo vermelho, os camelôs, que há uns anos – à semelhança de outras cidades brasileiras – prostraram-se nos passeios de Manaus, num frente a frente […]