Brahma deixou cair uma flor-de-lótus

mj4

Pushkar fica ao pé do deserto de Thar. Esta é a varanda do meu quarto, num hostel colorido. É uma cidade um bocadinho psicadélica, embora seja sagrada: só há comida vegetariana e não se pode beber álcool. Mas eu bebi uma cerveja num terraço com vista para o lago que nasceu onde, conta a história, Brahma deixou cair uma flor-de-lótus.

Nas ruas, é só comércio: pulseiras, fios, malas, cremes naturais. Há de tudo: numa banca de livros, havia o God is not great de Christopher Hitchens ao lado de um outro chamado Asana Pranayama Mudra Bandha. No restaurante, ouve-se Bob Dylan, mas lá em baixo, nas ruas, há um desfile com mulheres, música e flores. À excepção de carne, peixe e álcool, mais nada é pecado neste canto do Rajastão.

No fim do pequeno-almoço, o senhor veio oferecer-me uma fatia de bolo de chocolate.
– Sure this is chocolate cake?
É fácil enganar uma gulosa.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>