6ª etapa: Descanso dos guerreiros

O sexto dia não envolveu bicicletas nem equipamentos de lycra.

Vista do Douro do iate

Vista do Douro do iate

Começámos o dia bem cedo com uma viagem de autocarro pelas curvas da região vinhateira do Douro e, chegados ao Peso da Régua, partimos para uma aventura de iate. Todos ficámos fascinados com a beleza das paisagens e até o atraso na partida pareceu propositado, uma vez que conseguimos ver a eclusa a  abrir-se para a passagem do nosso barco. Durante duas horas pudemos sentir a brisa do rio, ver o comboio do Douro a passar por grutas ou pontes e identificar os diferentes nomes das caves de vinho que iam surgindo de um lado e do outro das colinas.

Em Pinhão, onde terminou a viagem de iate que nos fez sentir autênticas estrelas do ciclismo profissional, almoçámos no restaurante LBV 79, com vista para o Douro. E foi durante a refeição já tardia que todos sentimos uma explosão de alegria quando, entre pedidos de pratos (sardinhas) e vinho (Alvarinho), João Correia levanta-se da mesa e consegue o consentimento dos ciclistas para termos um dia de descanso em vez de um percurso de 90 quilómetros solarengos, a seguir ao almoço. Todos nós precisávamos de repousar as pernas e recuperar de tantas pedaladas e a notícia entornou o caldo, uma vez que a partir da notícia foi comer e beber até não poder mais.

Da parte da tarde, em vez do percurso de ciclismo, tivemos uma viagem de duas horas de autocarro até à Pousada de Santa Maria do Bouro. Ao contrário dos outros dias que tínhamos que cumprir um horário que dava pouco mais do que ter a massagem, jantar e dormir, tivemos a oportunidade de ir dar uns mergulhos à piscina, ficar encantados com a Pousada que está inserida num Convento do século XII e que mais recentemente foi remodelada por Eduardo Souto Moura e sentir o ar puro do Parque Natural do Gerês e da região do Minho.

Corredores da Pousada de Santa Maria do Bouro

Corredores da Pousada de Santa Maria do Bouro

Para jantar só precisámos de atravessar a estrada e andar 100 metros para nos deliciarmos com umas papas de serrabulho, um cabrito assado e uns rojões à moda da região. Como ninguém pedalou durante o dia, ainda tivemos energia para conversar e sentir a brisa fresca numa esplanada depois de jantar. Já se sentia no ar uma tristeza pois por poucas horas seria a última etapa que nos levava até Caminha.

___
Miguel Andrade viaja a con­vite da InGamba Tours

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>