O mesmo céu, mas outra terra

Chegar à Chapada de Veadeiros depois de quatro dias em Brasília causa uma sensação estranha. Em Brasília tudo é arquitectura, betão (aqui chamam-lhe “concreto” e mais concreto seria difícil), formalismo e ordem. Na chapada tudo é terra, cerrado, mata e um caos bom, nas ruas com nomes de frutos e nas casas pequenas e carregadas de cor do povoado de São Jorge, porta de um parque natural com 65.500 hectares e que, pela sua biodiversidade, a UNESCO inscreveu na lista do património mundial em 2000.

Percorrendo as margens do Rio São Miguel pelo Vale da Lua encontram-se as primeiras cachoeiras, rodeadas de rochas cheias de veios de cristais e de sulcos moldados pela água corrente que no Verão, quando chegam as chuvas ao planalto central, enchem o leito de todos os afluentes e ribeiras. E por todo o lado há vegetação e aves: e com cada planta uma palavra nova (buriti, babaçu, candombá), com cada ave uma surpresa  (siriema, João-de-barro, quero-quero)…

Na Chapada de Veadeiros a natureza “esbanjou beleza”, diz Manuel Pacheco, que há 30 anos trocou o Estado de São Paulo pelo de Goiás. E ele tem razão. Aqui a natureza também constrói.

___________
A Fugas viaja a con­vite da Embratur

Esta entrada foi publicada em Brasil com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/emviagem/2013/07/12/o-mesmo-ceu-mas-outra-terra/" title="Endereço para O mesmo céu, mas outra terra" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>