Para lá da fronteira

IMG_0857O fim de tarde à beira do Lago Paranoá faz lembrar um dia de férias. Os condomínios fechados, com jardins demasiado artificiais e guardas na cancela, contrastam com a cidade sem fronteiras dos grandes edifícios públicos, do Congresso Nacional ao teatro que Niemeyer quis parecido com uma pirâmide azteca.

Há lanchas, motas de água e barcos à vela. O lago artificial é grande, mas apenas 10% da sua margem permanece pública — tudo o resto são clubes privados, empreendimentos, restaurantes e casas particulares com pontões de madeira sobre as águas. Apetece ficar na relva ou entrar numa das embarcações. As pessoas que ali moram todo o ano são as mesmas que enchem os edifícios de serviços da cidade.

Como será regressar do trabalho para içar a vela grande e molhar os pés no Paranoá antes do jantar?
___________
A Fugas viaja a convite da Embratur 

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>