Salsichas e cerveja

Adriano Miranda

“Vou até à Alemanha beber cerveja e comer salsichas.” Antes de ter de acordar às 5h para apanhar um avião que deixava o Porto às 6h30 em direcção a Nuremberga, brinquei com o facto de o programa de três dias incluir, mais do que uma vez, tempo para degustar cervejas e experimentar linguiça típica da região. Mas isso foi antes de aterrar em Bayreuth e visitar a fábrica de cerveja dos irmãos Maisel. E perceber que a cerveja, afinal, é um assunto muito sério por estes lados.

Os Maisel criaram a sua empresa em 1887 e construíram uma imponente fábrica em tijolo vermelho, que foi sendo apetrechada com toda a maquinaria mais moderna da época, capaz de produzir uma cerveja macia e absolutamente dourada, feita da forma mais tradicional possível: apenas com água, malte, lúpulo e cevada.

Foto de Adriano MirandaA fábrica de tijolo tornou-se, entretanto, obsoleta para as exigências da produção moderna e a família Maisel decidiu substituí-la por outra, mas sem abdicar do espaço que vira crescer a famosa cerveja de Bayreuth. Por isso, a velha fábrica deixou de produzir em 1974, mas reabriu as portas como museu em 1981. Franziska, a nossa guia, acredita que todas as máquinas deste enorme museu voltariam ao serviço, caso assim lhes fosse exigido, sem grande problema.

O museu foi um sucesso e recebe, anualmente, cerca de 25 mil visitantes. Em 1988 surgiu no Livro de Recordes do Guinness como o maior e mais compreensivo museu de cerveja do mundo.

Hoje, na cidade que se alimenta de Wagner e da nobre Wilhelmine (muito mais sobre ambos, em breve, numa Fugas perto de si), a bebida de excelência é, sem dúvida, a cerveja. E o museu que não quer perder é o Maisel. Mesmo se, depois de experimentar a sua cerveja, no bar do museu, decidir que prefere outra qualquer. Escolha não lhe falta. A nossa guia da cidade, Inge, garante que nos 60 quilómetros que separam Bayreuth de Bamberg existem 200 cervejarias. “A média é de uma cervejaria por cada 500 habitantes”. A razão? A paixão dos alemães pela bebida, com certeza, mas também a água que existe nas montanhas em redor e que é excelente para a produção da bebida dourada.

Foto de Adriano MirandaA Maisel’s Weiss, a mais famosa das cervejas dos irmãos Maisel, já consta da lista de provas. Amanhã, espera-nos a cerveja fumada de Bamberg, a famosa Schlenkerla. Os responsáveis pela sua produção defendem que este será, muito provavelmente, o mais original dos sabores da cerveja, porque na Idade Média, a secagem e cozedura dos componentes da bebida era feita com recurso a fogueiras, o que deixaria em todas as cervejas o leve sabor fumado. Há muito mais do que aquilo que seria de esperar num copo de cerveja.

___

Adriano Miranda e Patrícia Carvalho viajam a convite da Ryanair

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>