Che Guevara, Franco e estrela Michelin

Depois de um dia a caminho do Inverno, um dia a caminho do Verão. Hoje alguma Corunha já foi à praia, na ria, entre Oleiros e Santa Cruz, pelo menos.

Nós limitamo-nos a ver as enseadas tranquilas, de vários azuis em concorrência, enquanto percorremos os caminhos da geografia caprichosa da área metropolitana corunhesa, que desenha penínsulas, transborda em cabos e línguas mar pelas Mariñas (dos frades em oposição aos condes). E encerra, por exemplo, o maior retrato de Che Guevara fora de Cuba (numa rotunda em Oleiros) ou o paço oferecido ao caudilho espanhol durante a Guerra Civil e que passou a ser, até à sua morte, a sua residência de Verão, convertendo a pequena Meiras, durante algumas semanas por ano, na capital de facto de Espanha.

Numa Corunha que se revela muito feminina (a primeira habitante foi mulher, o grande herói da cidade é uma heroína) vamos encontrar em Cambre a primeira mulher a ganhar o prémio Cozinheiro do Ano em Espanha. Isso foi há quatro anos – há três, Beatriz Sotelo e o sócio, Xoan Crujeiras, conseguiram para o A Estación uma estrela Michelin que mantêm até hoje. A estação ferroviária está desactivada, mas esta é uma paragem obrigatória no roteiro gastronómico da Galiza – a 12 quilómetros da Corunha. Mas disso falaremos depois.

__
Andreia Marques Pereira (texto) e Sérgio Azenha (fotos) viajam a convite da TAP e Turismo da Corunha

Esta entrada foi publicada em Espanha com os tópicos , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/emviagem/2013/06/03/che-guevara-franco-e-estrela-michelin/" title="Endereço para Che Guevara, Franco e estrela Michelin" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>