A Invérnia da Auvérnia

Auvérnia é terra de vulcões. Adormecidos, é certo, mas marcantes, quais bossas de camelo, pontuando a paisagem. Aqui e ali uma cratera, acolá um lago, e outro, e outro. Não há lava, a não ser nas paredes do parque temático Vulcania, e essa é de faz de conta. Mas há neve. Sim, leu bem. Neve. Pouco passava dos mil metros de altitude quando, a zero graus, ela se atirou sobre as coníferas da berma da estrada, não sei se antecipando o próximo Natal, se insistindo em celebrar o que passou. Não vimos quase nada do que nos prometia o guia de viagem, mas vimos, a dias de entrarmos em Junho, um lago de margens geladas a dizer-nos que há beleza nesta loucura de não sabermos com que clima contar. Agora, a 1880 metros do nível do mar, é invernal a paisagem, a menos de um mês do Verão. Auvérnia, Invérnia, o nome pouco importa.

____
Abel Coen­trão (texto) e Adri­ano Miranda (fotos) em Clermont-Ferrand a con­vite da Atout France

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>