A época da bicicleta… e das cerejeiras

Toda a gente me diz, e eu sei bem que é verdade: tive mesmo sorte com o tempo em Berlim. Começou a Primavera, e logo os berlinenses desataram a subir as calças para apanhar sol nas esplanadas, tiraram as sandálias dos armários, e abriu a época da bicicleta.
Dizer que a maioria dos berlinenses anda de bicicleta é um understatement. Há três – três! – revistas diferentes dedicadas a bicicletas, e li que todos os dias cerca de 500 mil circulam pela cidade.
Os passeios de bicicleta são ainda um grande filão turístico: há rotas para todos os gostos, desde Berlim “pobre mas sexy”, na famosa frase do presidente da câmara Klaus Wowereit, ou ao longo do muro: alguns troços da estrada de alcatrão em que os soldados da RDA patrulhavam a faixa de terreno junto ao muro foram preservados e são hoje ciclovias. Foi este paseio ao longo do muro que fiz, três horas em que se misturaram a normalidade das ciclovias, a calma de vários parques e ainda a adrenalina de andar pela estrada com carros a passar rés-vés – passa, não passa? Ufa, passou!
Mas a grande, grande sorte, foi termos chegado à Borholmer Strasse, o primeiro local em que muro caiu, e as cerejeiras (que lá foram plantadas para marcar um troço onde passava o muro), estarem em flor. As flores aguentam-se uns quatro dias nas árvores, e é fácil serem levadas até mais cedo pela chuva ou vento. Ontem foi o dia perfeito para as ver.

Esta entrada foi publicada em Berlim com os tópicos , , , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/emviagem/2011/04/20/a-epoca-da-bicicleta-e-das-cerejeiras/" title="Endereço para A época da bicicleta… e das cerejeiras" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>