Visita de Dilma e Lula tem peso simbólico mas Brasil não deverá anunciar ajuda a Portugal

É “improvável” que o Brasil anuncie compra da dívida portuguesa durante a visita da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula da Silva, segundo especialistas ouvidos pelo PÚBLICO.
A estadia de Dilma em Coimbra e Lisboa, hoje e amanhã, tem um peso simbólico por ser a segunda vez que se desloca ao estrangeiro e a primeira à Europa desde que tomou posse, mas também por homenagear Lula no seu doutoramento “honoris causa”, ele que nunca foi à universidade.
Quanto a ajuda à dívida, não deverá haver notícias.
“Claro que pode vir um anúncio surpreendente, mas a visita não estava a ser tratada pelo governo aqui em Brasília como de promoção de negócios, muito menos de apoio financeiro”, diz o analista económico Sérgio Leo, baseado na capital brasileira.
Leo escreveu sexta-feira na revista “Valor Económico” liminarmente que “o governo brasileiro deve rejeitar novo pedido do governo de Portugal para que o Brasil compre títulos da dívida do Tesouro português, como parte do esforço para enfrentar a crise económica naquele país”.
E ontem, ao PÚBLICO, mantinha esta previsão.
Então, não havendo assim nada de substantivo a anunciar, porquê manter a ida a Portugal em plena crise política? “É uma visita de carácter pessoal, sentimental”, diz Leo. “O plano inicial de Dilma era ir aos Estados Unidos e à China, para afirmar os dois grandes parceiros do Brasil. A visita aos Estados Unidos transformou-se numa visita de Obama ao Brasil, por iniciativa do governo americano. Então, Dilma fez uma visita à Argentina para mostrar que a relação com a América Latina continuava a ser prioridade.” E em breve vai à China. “Mas estava faltando a Europa, e surgiu essa oportunidade, uma homenagem a Lula, que no Brasil é vítima de preconceito por não ter título universitário.”
Lula é o homem que acreditou em Dilma para presidente. Acompanhá-lo à cerimónia na Universidade de Coimbra, respeitada no Brasil como bastião do prestígio académico, “é um sinal que Dilma dá ao público brasileiro”, sublinha este analista. Sobretudo num momento em que se especula sobre uma eventual tensão entre o ex-presidente e a sua sucessora. “Na imprensa houve notícias de que Lula estaria chateado com o caminho da política externa, e isso é uma maneira de mostrar que a relação entre os dois está muito forte.”
Fernando Henrique Cardoso e Juscelino Kubitschek foram outros presidentes brasileiros a quem a Universidade de Coimbra atribuiu títulos “honoris causa”, mas no caso de Lula o doutoramento tem um significado especial.
Certo é que a visita foi mantida, apesar da demissão de José Sócrates e do acentuar da crise em Portugal. Mas houve “um temor em Brasília que a viagem fosse encarada como um sinal verde à compra da dívida”, quando Dilma “não está preparada para discutir isso”, reforça Leo. “O Ministério da Fazenda [Finanças] não terminou os estudos [quanto a isso] e o Brasil não está preparado para entrar como ‘player’ na crise europeia. Considera-se que esse papel é da Alemanha.”
O analista Ilimar Franco, da redacção do “Globo” em Brasília, dá ao PÚBLICO um quadro semelhante: “O governo de Portugal pediu para o Brasil adquirir títulos de sua dívida. O assunto está em análise no Banco Central do Brasil. Ainda não há decisão. Mas previamente a autoridade monetária do Brasil vê ‘certa complicação’ (expressão usada por um assessor da presidente Dilma Rousseff) nesta operação financeira.”

Impulso comercial

Ainda assim, esta visita pode animar as relações comerciais. “Devido aos laços históricos, Portugal é estratégico para o Brasil”, diz Ilimar Franco. “O comércio entre os dois países pulou de algo em torno de 700 milhões de dólares em 2003 para 2,3 mil milhões de dólares em 2008. Há interesses económicos em jogo na visita.”
Sérgio Leo reforça: “Não está descartado que Dilma aproveite a viagem para dar um impulso a negócios entre empresas privadas.” O Brasil, lembra este analista, já é o quarto maior investidor estrangeiro em Portugal.
Leo escreveu na “Valor Económico” que durante esta visita “Dilma poderá abordar projetos em estudo por empresas brasileiras, como a instalação, no território português, de uma fábrica de ‘plástico verde’, baseado em etanol, para exploração de matéria-prima importada de Angola”. E acrescentou: “Os portugueses falam em negócios maiores, porém, como a possível compra, pela Petrobras, de 25 por cento da portuguesa Galp. O negócio chegou a ser discutido no início do ano, mas aparentemente foi deixado de lado, e não há executivos graduados da estatal brasileira na comitiva de Dilma [que vai a Portugal]. A compra de parte da EDP pela Eletrobras representaria desembolso da ordem de 500 milhões de dólares, mas é baixo o interesse brasileiro no negócio.”

O gesto de Lula

A questão da ajuda brasileira a Portugal colocou-se nos últimos meses, ainda na presidência de Lula.
No começo de Dezembro, o então ainda presidente aproveitou a cimeira Ibero-Americana para um encontro de três horas e meia com Sócrates e Cavaco, que aliás terminou com Lula a juntar as mãos dos dois políticos portugueses, depois de ter falado da disponibilidade brasileira para ajudar Portugal.
Dias depois, o ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, veio ao Brasil e confirmou ao seu homólogo Guido Mantega o interesse de Portugal na venda dos títulos da dívida, lembrando nomeadamente que a China já decidira comprar. Estávamos então em plena transição, com o executivo Lula a dias de sair, e o governo brasileiro protelou uma resposta.
A 1 de Janeiro, Dilma tomou posse, Sócrates veio à cerimónia e os dois tiveram um encontro. Dima terá comunicado ao primeiro-ministro português a sua vontade de acompanhar Lula no doutoramento “honoris causa”.
A visita começou a ser preparada, e a questão da ajuda manteve-se nas entrelinhas, com o presidente timorense Ramos Horta a sugerir entretanto uma aliança com Angola e o Brasil para compra de dívida portuguesa a juros mais baixos.

(Público, 29-3-201)

Um comentário a Visita de Dilma e Lula tem peso simbólico mas Brasil não deverá anunciar ajuda a Portugal

  1. Oi Alexandra,tudo bem?
    Vi um vídeo seu no youtube,falando sobre um livro chamado Vai,Brasil e fiquei doida pra ler..procurei na internet e não o encontrei em nenhum site de vendas brasileiro.
    Ele não está disponível no Brasil?
    Não existe pelo menos a possibilidade de compra-lo digital?
    Eu sinceramente gostaria de lê-lo.Eu vi entrevistas suas, li entrevistas,e achei interessantíssimo.
    O Brasil em um ponto de vista diferenciado,
    pois você é ao mesmo tempo estrangeira,portuguesa e possui uma
    “noção de mundo” devido às suas viagens.
    Espero que esse blog que eu achei seja realmente da escritora que estou procurando e não de alguém com o nome parecido. =)
    E a propósito, eu sou brasileira..mas eu não precisava nem dizer..a escrita já me entregou.
    Atenciosamente
    Maria Clara
    =D

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>