Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Francisco Louçã

18 de Julho de 2017, 08:24

Por

Corto Maltese, 50 anos depois

Parece que Mitterrand, perguntado sobre que personagens o impressionavam ou o seduziam, apontava para Corto Maltese. Matreirice, seria uma imitação mais elegante, mas escassamente menos narcísica, de um De Gaulle que afirmava que só temia a concorrência da popularidade de Tintin. Cada um vinha do seu tempo e, se ambos sobreviveram com um “perfume de lenda”, como escreve Umberto Eco sobre Corto, o facto é que foi Hugo Pratt quem marcou a imaginação que trespassa as fronteiras do espaço e da imaginação. Por isso, Corto Maltese é o herói moderno que sobrevive à sua contemporaneidade.

Talvez as pistas sobre este marinheiro maltês, filho de uma cigana de Sevilha e de outro marinheiro perdido, que nasceria em 1887 e cresceria no bairro judeu de Córdoba, ou seja, sem pátria, assistindo depois às guerras inaugurais do novo século, estejam por aí espalhadas: Italo Calvino participara na preparação de um guião de um filme, “Tikoyo e o tubarão” (1962, Folao Quilici), sobre uma criança que fala com o seu amigo tubarão, e horizontes oníricos desse tipo foram sendo explorados por muitos autores (veja-se a “Balada” ou “Mu”); e, evidentemente, a literatura de viagens aventurosas, de Rimbaud a Jack London, povoara a juventude de Hugo Pratt. Pratt, aliás, cresceu na Etiópia, viveu em Buenos Aires e Veneza, e sobretudo, percorreu as fábulas em que se mistura com Corto, a que dá forma no dia 10 de julho de 1967, com “A Balada do Mar Salgado” – fez agora cinquenta anos.

O maravilhamento de algumas figuras cimeiras da literatura com a banda desenhada, mesmo que a vissem como género menor, também não é de hoje e não se inventou certamente com Pratt. Steinbeck, que não era modesto, adivinhava provocatoriamente um Nobel para Al Capp, pela força do seu Li’l Abner, a representação encantatória do mundo rural norte-americano (e de uma simplicidade desarmante que levava a água ao seu moinho). Umberto Eco dedicou-se aos Peanuts e a Charlie Brown num livro, “Apocalípticos e Integrados” (edição portuguesa na Relógio d’Água), em que descreve os enquadramentos de cinema na tira do desenho.

Pode-se perguntar então de onde vem o ciúme ou a curiosidade que escritores de mérito têm da banda desenhada. No caso do sucesso de Pratt, percebe-se de onde vem essa sensação: é que Corto Maltese é mesmo um romance em forma de apresentação gráfica. Aliás, Pratt explora decididamente esse vínculo e pisca o olho à literatura clássica: Pandora lê Melville, Slutter lê Rilke e Shelley, Corto cita Conrad e a “Utopia” de More e, ao atravessar as mitologias (célticas, etiópicas, caribenhas, argentinas, venezianas, o vodoo ou o que lhe apetece), ao escolher com que se cruza (Butch Cassidy, o Barão Vermelho, Tiro Fixo, mas também Hemingway, Hesse, Joyce), vive aventuras que transcendem os limites do tempo. Nenhum romance pode pedir mais, se os traços são marcados, se as personagens vivem a sua vida, se nos surpreende, então é a melhor literatura. É certo que, sendo desenho, deciframos melhor nessas páginas alguma coisa do autor (Eco conta que a sua filha pequena, apresentada a Pratt, disse que ele era Corto), e portanto a mentira da literatura é vivida à nossa vista.

Mas Pratt morreu há vinte anos. Corto, que é mais teimoso, continua agora com o desenho dos espanhóis Juan Diaz Canales (Blacksad) e Rubén Pellejero, em “Sob o Sol da Meia Noite”, já editado em Portugal (Arte de Autor, 2017), anunciando-se um segundo livro desta dupla, “Equatoria”. Discutir-se-á se outro escritor pode continuar “Os Maias” ou “A Guerra e Paz” e dir-se-á que não pode. Mas, neste atrevimento, Corto cruza-se com Jack London, encontra rebeldes irlandeses, sonha com Rasputine, destrói uma rede de tráfico de mulheres, percorre o Yucon – e nós imaginamos o resto e aceitamos a aventura.

Comentários

  1. Seria mau que o post do Professor não fosse merecedor de um só comentário…Um tema tão aliciante…Aqui vai a minha modesta opinião.

    Recordo o Luis Euripo, o Mandrake, Mortimer, Roy Rogers…

    Corto Maltese e Hugo Pratt são outra louça…Parece que todos gostaríamos de ter sido um pouco Maltese…Mas só Pratt poderia dar vida a uma personagem deste tipo, Ele, Pratt, foi um nómada, um viajante e um aventureiro.

    Através do PÚBLICO tomei contacto, de forma cabal e comentários apropriados de Carlos Pessoa, com as novelas de Pratt e Maltese: “A Balada do Mar Salgado”, “Sob o Signo do Capricórnio”, “Na Sibéria” e “As Célticas”. Primeiro li os balões”(a literatura), depois vi com atenção os grafismos e só então pude chegar ao âmago da história. É tão espectacular que só desta forma podemos acompanhar as viagens e as aventuras. Fico impressionado com aquilo que Pratt viveu para poder ter deslindado estas crónicas de aventura.

    Não concordo que hajam continuadores de Pratt. Estarão interesses ligados à edição em jogo. Só o espírito de aventura de Pratt, a vida que viveu, gerou esta obra. Como os Pink Floyd só foram Pink Floyd enquanto o quarteto Waters, Gilmour, Mason e Wright esteve junto(a passagem a trio, sem Waters, foi pouco criativa e limitou-se a recriar em tournées o trabalho dos anos anteriores); como os Quenn acabaram com a morte de Mercury, não tendo havido possibilidade de renascimento; como não há hipótese de continuar os livros do Milllenium depois da morte de ;Larsson, embora já tenha aparecido no mercado um 4º. volume que pouco gente deve ter comprado. São simplesmente tentativas legítimas de fazer dinheiro, quando os que partiram eram a alma dos projectos.

    Claro que a Banda Desenhada é,uma arte. A 9ª., de acordo com a lista recentemente estabelecida.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo