Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Ricardo Cabral

20 de Julho de 2014, 19:40

Por

Há frases que ficam (e que merecem ficar)

Grandes homens (e grandes mulheres) ficam, com frequência, na História, não só pelos seus actos, mas sobretudo pelas suas palavras. E se há algo que é interessante fazer é investigar citações que passaram a conhecimento popular. Muitas vezes essas citações incorporam conhecimento e nuances que revelam o génio de quem as disse pela primeira vez. E é surpreendente descobrir, que em alguns casos, só por acaso, essas citações são hoje conhecidas.

Uma frase com frequência atribuída a Abraham Lincoln – mas em que existem fundadas dúvidas sobre se é mesmo da sua autoria[1]– é reveladora:

“You can fool all the people some of the time, and some of the people all the time, but you cannot fool all the people all the time.”

É uma frase que faz pensar. Sugere que existem conspirações permanentes e recorrentes que procuram enganar ou manter desinformada a generalidade da opinião pública. Sugere ainda que esse tipo de conspirações tem sucesso a maior parte do tempo. Acresce que sugere que são poucos os que são capazes de descortinar a verdade. Por último, e porque se me afigura que a frase traduz em larga medida a realidade, a frase traz consigo a solução para o problema: são necessários mecanismos que permitam que aqueles que detectam a conspiração possam informar a restante opinião pública – ou seja, por exemplo, a ideia de uma imprensa livre.

Estou certamente a ler mais na frase do que ela contém. Mas é essa a riqueza das palavras.

 

[1] http://www.abrahamlincolnassociation.org/Newsletters/5-4.pdf

Comentários

  1. O pior é que os campeões da propaganda da poltica desastrosa que temos, estão em horário nobre da TV grátis…e vocês estão aqui neste nicho, mas, mais vale poucos mas bons, neste momento acho que ainda são muito poucos.

  2. Nesse aspecto estamos mal: todas as citações famosas dos políticos portugueses são – no pelas piores razões. E não passam fronteiras, apesar de ficarem registadas para a história.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tópicos

Pesquisa

Arquivo