Tudo Menos Economia

Por

Bagão Félix, Francisco Louçã e Ricardo Cabral

Julho 2014

Ricardo Cabral

31 de Julho de 2014, 23:50

Por

Meritocracia

  É uma palavra que, de acordo com a Wikipedia, conjuga mereō ou meritum “merecer”, do latim, com o sufixo –cracy (“poder”) do antigo grego. A meritocracia insinuou-se nas nossas vidas. Fomos educados a acreditar que a meritocracia desempenha um papel fundamental na organização (de parte) do nosso mundo e é um conceito com uma conotação positiva: os mais merecedores triunfam (e são recompensados não no céu, mas nesta vida)! Mas a palavra meritocracia é uma invenção recente. Não existia tal… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

31 de Julho de 2014, 19:15

Por

A traição que rasga a vida, em dois filmes: “Omar” e “Belém”

Enquanto tão longe continua a guerra em Gaza, dois filmes de 2013 estreiam quase simultaneamente entre nós, um há duas semanas, outro hoje, contando a mesma história, ou como se fosse a mesma história, passada na tragédia da guerra da Palestina. “Omar” foi realizado pelo palestiniano Hany Abu-Assad e foi candidato ao Óscar do Melhor Filme Estrangeiro, tendo recebido o prémio especial do júri em Cannes; “Belém” é do israelita Yuval Adler e recebeu seis prémios Ophir da Academia de… Continuar a ler ›

António Bagão Félix

31 de Julho de 2014, 17:00

Por

Álgebra constitucional

O Tribunal Constitucional, ainda que muito dividido, pronunciou-se pela não inconstitucionalidade da chamada CES sobre as pensões de valor igual ou superior a 1000 euros (brutos). Diz o Acórdão que este tributo é uma medida de natureza transitória ou temporária, factor que deverá ser levado em conta na ponderação subjacente ao juízo de constitucionalidade. Mais uma vez, as medidas relativas a reformas e pensões passam no crivo do Tribunal. Como, antes, havia passado a desonesta e injusta medida de o… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

31 de Julho de 2014, 11:53

Por

Turbilhão nos idos de julho

Ações do BES a caírem 50% numa manhã, depois de já terem caído 70% em duas semanas. Família proibida de votar no banco a que dá o nome há 140 anos. O maior prejuízo da história de Portugal. Incumprimento da Argentina, não por não querer saldar dívidas, mas porque um tribunal norte-americano exige a prioridade de pagamento aos abutres. Guerra na Ucrânia começa a incendiar os preços da energia na Europa. Tribunal Constitucional aceita imposto sobre os reformados porque é… Continuar a ler ›

Francisco Louçã

30 de Julho de 2014, 15:15

Por

Gaza, Gaza, onde fica Gaza?

Entre 22 de julho e 12 de setembro de 1942, as autoridades nazis mataram ou deportaram 300 mil judeus polacos para campos de extermínio. Só trinta e cinco mil foram autorizados a ficar no gueto de Varsóvia. Esses, que se sabiam condenados, prepararam-se para o pior, porque o exército ocupante os podia exterminar sem piedade a qualquer momento. Escavaram túneis. Reforçaram caves e bunkers. Fabricaram bombas. Esconderam armas e alimentos para resistir. Todos os edifícios foram transformados pelos sobreviventes em… Continuar a ler ›

Ricardo Cabral

30 de Julho de 2014, 13:00

Por

Saltar fora do navio

  “O Banco de Portugal é responsável pela supervisão prudencial dos bancos que fazem parte da jurisdição. A troika não tinha o mandato nem a capacidade para levar a cabo essa atividade durante o programa e não era responsável pela supervisão dos bancos”, FMI, citado pelo Jornal de Negócios, 29 de julho de 2013 (A posição da Comissão Europeia foi muito similar, o BCE não se pronunciou).   É tecnicamente correcto dizer que é o BdP que é responsável pela… Continuar a ler ›

Tópicos

Pesquisa

Arquivo