Digg a afundar

O Digg, um site onde os utilizadores inserem e hierarquizam conteúdos que encontram online, é um caso interessante no meio da proliferação de start-ups na era da Web 2.0.

A empresa percorreu o caminho certo. Construiu um site colaborativo e assente em conteúdo criado pelos utilizadores (na lógica de “nós damos a plataforma, vocês fazem o resto”), incluía boa parte dos conceitos-chave (ou buzzwords, se preferirem) que faziam os investidores de risco abrir os cordões à bolsa, teve ampla atenção mediática e foi crescendo.

O problema: ninguém o comprou, mesmo quando abundavam os rumores de compradores interessados.

Para a empresa, a alternativa tem sido a publicidade. Mas, em tempos de crise, o mercado encolhe. E o Digg já começou a despedir. Antes que os milhões se esgotem:

Even though Digg has “multiple years” of cash on hand for operating expenses at the current burn rate, [Jay] Adelson [CEO do Digg] said, it’s a brutal economy today. “It’s true we have cash in the bank, but getting to profitability makes more sense to us.” Sounding like almost every other Web start-up CEO on the state of his business today, he continued, “If things don’t get worse this year, if we get to the second or third quarter and things look good, I can bring some of that talent back in. But if we go in the other direction, that’s not a burn rate we can maintain.”

Esta entrada foi publicada em Negócios com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/tecnopolis/2009/01/23/digg-a-afundar/" title="Endereço para Digg a afundar" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>