Factos sobre o Magalhães

O afamado computador Magalhães é assunto que tem dado muito que escrever, na blogosfera e na imprensa.

No meio da informação e do ruído, é fácil perder alguns pontos essenciais. Aqui fica uma breve compilação de factos e links relacionados com o assunto. Está longe de ser uma lista completa.

– Em Outubro de 2006, o vice-presidente da Intel John E. Davies, responsável pelo programa World Ahead (o programa que distribui os Classmate PC, do qual o Magalhães é uma adaptação) esteve em Portugal para assinar um memorando com o governo português para equipar com chips Intel os computadores do programa e-escola.

– O Magalhães é anunciado pelo primeiro-ministro, José Sócrates, a 30 de Julho. É descrito pelos media como o primeiro portátil português, afirmação que foi amplamente desmentida nos dias seguintes (e que provocou particular agitação na blogosfera).

– O computador é produzido pela empresa JP Sá Couto, numa fábrica em Matosinhos. O custo de produção ronda os 180 euros.

– O objectivo do Governo é colocar 500 mil destes portáteis nas escolas. Consoante o escalão da acção social escolar, o Magalhães custa aos alunos zero, 20 ou 50 euros. Não inclui ligação à Internet.

– Em Agosto, uma delegação venezuelana em Lisboa analisa a possibilidade de importar o Magalhães.

Nesta entrevista, o presidente da Intel, Craig Barret, fala do acordo com o Governo e das possibilidades de Portugal ser um país exportador do portátil.

– A Líbia é apontada como um destino possível para exportar o portátil; Macau também pondera comprar o computador (a 25 de Setembro, o director de marketing da JP Sá Couto recusou comentar o assunto).

– A 23 de Setembro, são distribuídos em 11 escolas os primeiros três mil Magalhães.

– À meia-noite de 26 de Setembro, são postos à venda 500 Magalhães em duas lojas FNAC. O preço é de 285 euros. As máquinas são iguais às que foram distribuídas nas escolas, mas o software é diferente. Há uma versão para adultos que se queiram iniciar na informática. A 29 de Setembro o portátil chega a mais lojas.

– A 27 de Setembro, Sócrates e o presidente venezuelano, Hugo Chávez, assinam um acordo para a venda de um milhão de portáteis.

Algumas das questões colocadas pelo Público à JP Sá Couto, no início de Agosto, e que ficaram sem resposta:

– O custo de produção do Magalhães é de 180 euros. Foi noticiado que a diferença entre o custo e o que os utilizadores pagarão será suportada pelo Estado e operadores móveis. Mas qual será exactamente a contribuição destas entidades? Qual a margem de lucro do fabricante?

– O Magalhães suporta sistemas operativos Windows e Linux. Quem vai fazer a escolha dos sistemas que vão equipar cada unidade? Os primeiros 500 mil computadores já anunciados têm sistema operativo definido?

– Foi anunciado que, neste momento, 30 por cento da tecnologia dos portáteis é nacional, mas que em breve todos os componentes, com excepção dos processadores, serão portugueses. A que componentes correspondem estes 30 por cento? E, quando os restantes 70 forem portugueses, onde serão produzidos?

Esta entrada foi publicada em Hardware com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/tecnopolis/2008/09/29/factos-sobre-o-magalhaes/" title="Endereço para Factos sobre o Magalhães" rel="bookmark">endereço permamente.

4 comentários a Factos sobre o Magalhães

  1. – O Magalhães suporta sistemas operativos Windows e Linux. Quem vai fazer a escolha dos sistemas que vão equipar cada unidade? Os primeiros 500 mil computadores já anunciados têm sistema operativo definido?

    Na versão que será distribuída nas escolas, os tais 500 mil, vêm com dual boot: Win XP + Caixa Mágica. Por defeito, o sistema arranca em Caixa Mágica.

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>