É possível amar um robô?

Blade RunnerÉ a esta questão (muito presente na ficção científica) que o projecto Heart Robot quer dar resposta.

Um grupo de cientistas britânicos criou um pequeno robô humanóide, cujo comportamento varia consoante a interacção com os humanos. Por exemplo, os ritmos de respiração e cardíaco abrandam se o robô estiver num contexto calmo.

O Público tem um vídeo que ilustra bem o efeito deste robô em algumas pessoas. Indubitavelmente, há reacções emocionais. Mas será possível apaixonarmo-nos por um robô?

Deixando de lado as eventuais complexidades da definição de “amor”, a resposta não é tão difícil como à partida pode parecer: há quem se apaixone pelo carro ou por um gadget (veja-se o iPhone); e é frequente a transposição para objectos – ou plantas, ou animais de estimação – de características humanas. Não é, por isso, difícil de acreditar que muitas pessoas facilmente se afeiçoarão a um robô – basta que este tenha o aspecto adequado e inteligência artificial qb.

O site do Heart Robot sintetiza:

Em breve, haverá robôs à nossa volta que vão usar uma linguagem emotiva – sorrir, ter um ar triste ou preocupado – para comunicar connosco mais facilmente. Ainda que estes robots não tenham emoções a sério, podemos facilmente imaginar que têm!

Nota para aplacar os ânimos dos eventuais aficionados da ficção científica: sim, os replicantes do filme Blade Runner (de onde foi retirada a imagem deste artigo) não são exactamente robôs; mas também não são humanos…

Esta entrada foi publicada em Futuro, Web com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/tecnopolis/2008/08/05/e-possivel-amar-um-robo/" title="Endereço para É possível amar um robô?" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>