O Zé Francisco partiu

O Zé Francisco, com a mulher, Sara, e o filho, Ivo, no dia em que os entrevistei, na “ilha” de Campanhã. Fotografia de João Pina

OLá Paulo Moura,

O Zé Francisco partiu. Faleceu ontem no Hosital de S. João.
Quando a grande reportagem do Jornal Publico foi editada já se
encontrava internado.
Mesmo sendo severamente pobre e castigado por estas políticas sociais,
o Zé sonhava ver o IVO crescer, a Sara sorrir com dentes novos e
passar já o proximo Natal numa casa digna e decente cedida pela
Camara Municipal do Porto
Soube hoje desta triste notícia pela boca do seu filho que me procurou
com a Avó no posto de atendimento do Bairro do Lagarteiro  para me
dizer ” Ó Dr. Pinto, o meu pai já saiu do hospital, mas agora não
podes falar mais com ele. Foi para o Céu. Quando eu for grande e se me
portar bem , ele volta”
Peguei neste menino de óculos novos e fomos passear de carro. Ouvir
musica, lanchar, desenhar, jogar computador. Devolvi-o à mãe de olhos
encharcados às 19h30m. Já era noite, tudo estava escuro e triste
naquele portão da ilha.
O Zé era muito novo. Merecia ter vida e vida em abundância. O sistema
esmagou-o, não lhe deu oportunidades nem recursos, não permitiu que
ele realizasse os seus sonhos , não lhe proporcionou as mínimas
condições dignas  de sobrevivência, não foi justo com as suas
reivindicações. O zé chorou no hospital quando percebeu que estava a
chegar ao fim, semanas antes tinha-se revoltado no Gabinete do
Inquilino Municipal quando a técnica gestora do seu pedido de casa o
informou que a chave do novo tecto ainda estava demorada. Nesse dia
chorou de raiva. A sua dignidade e os seus direitos foram ao longo
destes anos sendo enterrados, hoje o seu corpo também foi para
debaixo da terra
Aquele abraço fraterno
José António Pinto (Chalana)

8 comentários a O Zé Francisco partiu

  1. As Universidades fecharam a torneira de dialogar com este governo PSD/CDS, porque ao serem mais uma vez enganados com o corte de subsídios para as Universidades sem terem tomado qualquer dialogo com o governo ” CHOREI ” porque dos nossos estudantes e das universidades com qualificação e prestígio no Estrangeiro, o governo entendeu que não valia a pena continuar a dar mais dinheiro para que os alunos se formassem e depois com o canudo na bolsa iriam partir para o estrangeiro com o dinheiro que foi empregue nas suas formações. Isto é de bradar aos Céus, estaremos nós a ser vítimas de um governo ignorante que não nos dá qualquer oportunidade de emprego e depois nos gabinetes coloca pessoas sem o mínimo de conhecimentos académicos para o cargo que vão exercer? Sim, não é mentira não, até temos um contrato com a Alemanha para daqui a cinco ou dez anos, ” não estou bem certo nos anos ” que 10 mil engenheiros, vão ser reformados, então esse contrato existe já com a Universidade de Coimbra para que esses engenheiros de toda a ordem, isto é de várias componentes que se vão embora para lá ” Alemanha “. Então?, governo português!, como te vais safar desta embrulhada « mais uma » que te meteste? Gostaria se possível de uma resposta porque ser PORTUGUES, é ser não desistente de nada, esse é o apanágio do PORTUGUES.

    Responder
  2. o estado somos todos nós e o estado vive de nós,a unica prova quie eu tenho da existencia do estado é no fim do mês,quando olho para a folha de ordenado e vejo que o estado me levou 350 euros das noitadas de trabalho que faço aos anos.nunca usufrui 1 centimo de regalias ou subsidios e sempre empurrei para a frente,sempre procurei ganhar dinheiro para o dia a dia.moro numa casa alugada da qual pago 350 euros por mês;já engoli muita merda a patrões e chefes mas mesmo assim saio de casa de cabeça erguida pois não devo nada a ninguem.querem o meu conselho:o estado é a vossa familia e aqueles que dependem de vocês.quanto ao outro estado;não esperem nada dele porque dele nada vão receber.os coelhos e os portas vêm-vos como vacas prontas para serem mugidas onde podem sacar o dinheiro para pagar aos ladrões do capital internacional,

    Responder
  3. Pingback: O Zé Francisco partiu

  4. Paz ao Zé e um obrigado ao Paulo por , uma vez mais, nos desviar o olhar da espuma dos dias para a vida e seus valores, esbatidos que andam pelas luzes da superfície.Quase sempre vazia.
    Os meus sentimentos aos que ficam e que sofrem.

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>