O bikini


Naquele ano de 1963 foi inaugurado o Vasco da Gama, um hotel de 5 estrelas na praia de Montegordo. O senhor Burrié trabalhou na construção. Ganhava 15 escudos por dia, o mesmo que lhe pagavam depois, na praia, como banheiro. Mas nesta profissão, que ainda exerce, auferia mais uma percentagem das multas aplicadas aos banhistas, conta agora ele, que chegou aos 77 anos e o Vasco da Gama desceu para 3 estrelas. Isto se o cabo do mar dividisse com o banheiro, como era sua obrigação, as multas a quem fosse apanhado a usar ilegalmente guarda-sol privado (uma licença para guarda-sol custava 10 escudos, válida só em Montegordo, vinte, para todo o Algarve), ou às mulheres que não usassem fato de banho da cabeça aos pés, e aos homens em tronco nu. Mas o cabo do mar ficava com o dinheiro todo. Vinte e cinco tostões de cada vez.

Naquele Verão de 1963, os pescadores de Montegordo ainda viviam em palhotas e passavam fome, como aliás acontecia com grande parte da população do país. A toda a volta do imenso areal dourado, apenas um edifício rasgava o horizonte – o branco e enigmático Vasco da Gama. Embora absolutamente inacessível, era a grande atracção do ano. Naquele dia, porém, foi ofuscado por uma luz mais intensa.

Por toda a aldeia se espalhou a notícia e a população correu à praia para ver o que nunca tinha sequer sonhado: uma actriz de Hollywood em bikini.

Ingrid Bergman acabara de filmar, nesse mesmo ano de 1963, “Hedda Gabler”, uma adaptação à televisão da peça de Henrik Ibsen. A sua personagem, Hedda, é uma mulher casada por conveniência com um homem que não ama. A sua vida é uma sucessão de actos loucos que culminam no suicídio.

A estreia na televisão do grande clássico do século XIX, considerado a primeira peça de teatro verdadeiramente feminista, não ajudou Ingrid Bergman a pagar o preço social que lhe custara a relação ilícita com Roberto Rossellini.

Nesse mesmo ano de 1963 estreou-se o filme “Beach Party”, o primeiro de uma série de cinco, da autoria de William Asher, que inauguraram o género “beach movie” e transformaram o bikini num ícone da cultura popular.

Numa Califónia meridional anterior ao “boom” imobiliário que também viria a destruir o Algarve, Frankie Avalon e Annete Funicello, com a sua “mise” ilesa e hirta na ventania do descapotável, desafinavam cançonetas melosas entre cenários de praias de cores cintilantes, cheias de raparigas em bikini.

Mas nos cinemas de Montegordo – o Mariani e o Carapeto – o que passava eram os filmes do Bucha e Estica e do Cantinflas, o inefável Gianni Morandi ou o esganiçado Joselito. Nunca ninguém tinha visto um bikini. Nem uma actriz de Hollywood.

O senhor Burrié lembra-se perfeitamente daquele dia. Ingrid Bergman veio a Montegordo, sabe-se lá porquê, ficou hospedada no hotel Vasco da Gama e desceu, sublime e provocadora, até ao mar. Tinha, na altura, 48 anos, mas era ainda uma das mulheres mais belas do mundo. Também Montegordo era ainda uma das praias mais belas do mundo.

O povo juntou-se, extasiado, para ver Ingrid Bergman em bikini. Era uma imagem dos sonhos e do futuro, mas, infelizmente, ilegal. O cabo do mar estava atento. Avançou pela praia, estacou, baixote e miserável em frente da diva, e escrevinhou no seu implacável caderninho. Vinte e cinco tostões. Tudo para ele.

(PÚBLICO)

2 comentários a O bikini

Responder a CCF Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>