Dez modos de reprimir um jornalista

Cartoon: Rayma

Cartoon: Rayma

Os governos e outras organizações, em todo o mundo, aperfeiçoam as técnicas destinadas e impedir os jornalistas de falar sobre corrupção e violações dos direitos humanos, afirma a Amnistia Internacional, que aproveitou o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa para apresentar dez procedimentos para reprimir um jornalista. São eles:

Os ataques físicos
Em certos países, como a Síria, o Turquemenistão e a Somália, os governos, as forças militares e os grupos armados atacam e matam os jornalistas críticos das suas políticas e práticas.

As ameaças de prisão
Os jornalistas arriscam-se igualmente e frequentemente a ser acusados em nome de uma legislação penalizadora da expressão pacífica de opiniões ou de elementos totalmente forjados (para os incriminar por posse de droga ou fraude, por exemplo), assim os impedindo de se exprimirem.

A perseguição
Inúmeros governos julgam que ameaçar os jornalistas ou as suas famílias servirá para os fazer calar.

A vigilância
Em diversos países, como Cuba ou China, os activistas e os jornalistas consideram particularmente difícil abordar as questões relativas aos direitos humanos já que as suas comunicações podem ser vigiadas por funcionários do Estado.

As interdições de acesso à Internet
Certos regimes repressivos procuram controlar o acesso à Internet para vigiar as actividades dos jornalistas.

O recurso excessivo às leis sobre difamação
As leis sobre difamação podem ser deturpadas para impedir os jornalistas de criticar os responsáveis governamentais ou pessoas com poder.

O cancelamento de vistos e de autorização de trabalho
Em certos países, como a Síria, os governos recusam-se a conceder vistos aos jornalistas estrangeiros (ou a cancelar os já concedidos) para os impedir de investigar violações dos direitos humanos. Os jornalistas nacionais podem ficar sem autorização de trabalho.

A ausência de investigações sobre os ataques contra os jornalistas
Não havendo qualquer procedimento judicial contra os responsáveis pelos ataques contra os jornalistas, os governos estão a dizer que é autorizado neutralizar as informações relativas a questões ‘sensíveis’.

O encerramento dos media
As autoridades de inúmeros países encerram os jornais e as estações de rádio consideradas críticas da sua actuação.

A calúnia
Em inúmeros países, os governos favorecem os ataques difamatórios contra os jornalistas críticos.

[O cartoon de Rayma integra a colecção de Cartooning for Peace]

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>