As novas tecnologias não bastam para que haja inovação educacional

Cartoon: El Roto. El País, 19 de Junho de 2011

Cartoon: El Roto. El País, 19 de Junho de 2011

É errado julgar que o uso das Tecnologias da Comunicação e da Informação é suficiente para promover a inovação educacional. A afirmação é de Claudia Maria Lima, professora do Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista e coordenadora de uma recente investigação sobre novas tecnologias e inovação, e é citada por Marcus Tavares, especialista em educação para os media, num artigo publicado em O Dia. Claudia Maria Lima teme ainda que o erro referido, ao sobrevalorizar a tecnologia em detrimento do humano, contribua para desconsiderar o papel do professor.
Perde-se assim, acrescenta Marcus Tavares, “o verdadeiro conceito da inovação educacional, que consiste em propor novas formas mais significativas de ensino e aprendizagem com o objectivo de promover uma sociedade menos desigual e mais capaz, autónoma, responsável e solidária”. Neste processo, nota Marcus Tavares, “a tecnologia ajuda, mas não é pré-requisito”.
É por isso necessário, como propõe o especialista em educação para os media no diário do Rio de Janeiro, que, perante o apelo das novas tecnologias, se discuta o que significa a inovação na educação.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>