Ler é decisivo

A existência de um número de jovens cada vez maior que gostam de ler livros é a constatação que a Veja levou para a capa do seu número mais recente. A revista brasileira dedica ao tema o editorial e uma reportagem de onze páginas. O autor, o jornalista Bruno Meier, pretende contrariar os que julgam que o uso da Internet prejudica outras leituras e, sobretudo, os que consideram que os leitores de Harry Potter são incapazes de, a seguir, ler obras clássicas da literatura. Quem lê Harry Potter facilmente lerá Os Maias pouco depois. Por isso, nas páginas da Veja, apresentam-se abundantes sugestões de percursos que começam com a leitura de livros mais ou menos duvidosos e prosseguem com a de obras de qualidade indiscutível. No início dos caminhos chamados “um livro puxa outro” encontram-se, por exemplo, as séries Harry Potter e Crepúsculo, os best-sellers A cabana e A menina que roubava livros ou os romances de Nicholas Sparks. A seguir, sugere a Veja, “os aventureiros de espírito podem zarpar de um desses portos e chegar a destinos fulgurantes como Moby Dick, Grande sertão: Veredas ou Em busca do tempo perdido”.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>