Pastel de bacalhau com queijo da Serra é uma “obscenidade”, diz Maria de Lourdes Modesto

Recebi de Maria de Lourdes Modesto um email intitulado “Socorro”. O tema? O polémico pastel de bacalhau com queijo Serra da Estrela que já se vendia no Museu da Cerveja, no Terreiro do Paço, mas que agora, há pouco mais de um mês, ganhou um espaço próprio na Baixa.

pastel10

Chama-se a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau e vende, a 3,45 euros a unidade, pastéis de bacalhau (segundo a receita de Carlos Bento da Maia, autor do Tratado Completo de Cozinha e de Copa, afirmam os proprietários, o que, dizem, justifica a data de 1904 que utilizam na promoção do estabelecimento). A “novidade” é que os rechearam com queijo Serra da Estrela.

Segue-se o texto-apelo de Maria de Lourdes Modesto sobre aquilo que classifica como “uma verdadeira obscenidade”.

Em defesa do  Pastel de bacalhau e do queijo Serra da Estrela

“Levantei os olhos, e deparo com uma verdadeira obscenidade no ecrã do meu televisor: um pastel de bacalhau a esvair-se em queijo Serra da Estrela. Não pode vir mais a propósito a expressão: “com uma cajadada matar dois coelhos”. Duas  das mais queridas e conseguidas especificidades da nossa gastronomia, numa pornográfica e ridícula figura! Julgo que vi, e foi-me confirmado, que a ideia seria do Turismo de Portugal. Chamar a atenção para o nosso recatado País com aquela obscena imagem, parece-me obra do diabo, quiçá, do Estado Islâmico.

O queijo Serra da Estrela já está habituado a estas diabruras o que me leva a pensar que, pessoas com responsabilidades,  nunca o conheceram na sua pujança: maduro e cortado à fatia; mas o inocente pastel de bacalhau, Senhores ! Porquê?.

Não desconheço que as autoridades, por desespero da população, estão muito preocupadas com os toldos que abrigam a referida aberração, mas… e na Cultura, não há ninguém com papilas saudáveis, bom gosto e que saiba que o pastel de bacalhau é uma das joias mais perfeitas e mais queridas da nossa gastronomia popular? Não foi a nossa gastronomia elevada a Património Cultural?

Ninguém com poder toma conta “disto”?”

Maria de Lourdes Modesto

photo (64)

113 comentários a Pastel de bacalhau com queijo da Serra é uma “obscenidade”, diz Maria de Lourdes Modesto

  1. Apoio incondicional a sra Maria de Lurdes Modesto. Na verdade pastei de bacalhao como o propri nome indica sao de bacalhau . Deixemos o queijo da serra como entrada ou no final isso sim. Mas essas modernisses desses novos chefs fazem me rir. Nao é so no pastel de bacalhau infelizmente. Kuanto a uma critica sobre servido kente ou frio , para mim frio, mas sei k os brasileiros têm por habito comer esses salgados quentes. Aí eles so têm k pedir para aquecer e nao criticar do jeito k nós comemos. Kuanto ao preço praticado nessa casa:( vao roubar pra outro lado).

    Responder
  2. Pingback: Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau: Much Ado About Tradition | Gail at Large

  3. Gosto dos dois, do pastel de bacalhau e do queijo da Serra, porém separados. Acho o bacalhau e o queijo ingredientes muito fortes para serem usados em uma mesma receita, um anula o gosto do outro, pelo menos para o meu paladar.

    Responder
  4. Ontem dia 12/11/2017 provei finalmente esta nova receita, confesso que adorei, temos que inovar, mas achei o preço exorbitante, 4€…é realmente feito para os turista pois nós Portugueses não temos poder de compra para várias visitas a esta casa. O que é pena, mas se o preço do pastel é alto o preço das bebidas é completamente anormal, uma imperial 3€ e um refrigerante 3€ também, estao mesmo a gozar, só por essa atitude de serem gulosos e lambões, a casa devia de fechar.

    Responder
  5. eu sou canadiano , comeu ou tal pastel esta varao passada ne porto , que marivilha,
    compre queijo de estrello para fazer em casa , os meu amigos canadianos e Portuguese gostarem , e presiso de enventar novas coisas para avancar !

    Responder
  6. POR CAUSE DESTES VELHADAS QUE O POVO NAO ANDA PRA FRENTE COMI ESSE PASTEL, E SIM ESSE É UM PURO MANJAR DOS DEUSES… a tradiçao É um atrazo na vida da humanidade.

    Responder
      • Concordo com a Manuela. Que infeliz comentário de Silvia. Aquela figura acha que tem os privilégios de hoje, graças a quem? À velhada que experimentou, ensinou,produziu e suou para que nós,os mais novos pudéssemos usufruir,aprender e aperfeiçoar se for o caso. atraso na vida da humanidade é o desrespeito com a memória cultural, o preconceito com os mais velhos e o hábito de falar sem pensar.

        Responder
  7. Pingback: Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau | PINN

  8. Pingback: A FERMOSURA DO CARAVEL (V). Septenario de Lisboa « O Can de San Roque

  9. No outro dia passei nesse estabelecimento por acaso e que me chamou a atenção pelo apelo à tradição e tal, pensando eu que se tratava de algo que me iria remeter para a memória dos fantásticos pasteis de bacalhau da minha mãe ou avó. Lá encomendei 2 e quando olho para a conta ia-me dando um treco, praticamente 7 euros por 2 pasteis de bacalhau o equivalente ao preço de um prato do dia em qualquer tasca portuguesa. Pensado eu, devem cobrar caro porque os pasteis são grandes e devem ser muito bons. Nem tenho nada contra as fusões de meter queijo, chouriço ou maionese, o problema é que se trata do maior embuste da história da cozinha portuguesa, até os próprios turistas devem vomitar aquilo, o sabor é horrível, sabe a uma espécie de puré de batata ácido e requentado. A pessoa com que ia não conseguiu dar mais de uma dentada (1 euro), não há frescura nenhuma, simplesmente horrível essa casa só existe por um golpe de marketing para enganar o turista, desprestigiando a nossa maravilhosa cozinha. Qualquer embalagem de pasteis de bacalhau congelados das grandes superfícies a 20 cêntimos a unidade dá 10 a 1 a esses. Queridas receitas da minha mãe a avó…

    Responder
  10. Triste discussão, quer quer come quem gosta gosta, quem não quer não quer. O que não posso aceitar é a utilização ABUSIVA de uma data, receita e do nome de Carlos de Melo, isso não devia acontecer e carece de punição. Sobre os letreiros e outras aberrações só posso apontar o dedo à camera municipal por não impor regras concretas a TODOS os comerciantes . Tentando ser positivo, deixo a receita original do dito militar.

    (…) Toma-se o bacalhau cozido, limpa-se de peles e espinhas, mistura-se com batatas cozidas e bastante salsa cortada em pedaços, e passa-se tudo pela máquina de picar. O polme resultante liga-se com leite e gemas de ovos e tempera-se com um pouco de sal fino e pimenta em pó. Bate-se a massa, à qual juntam-se as claras de ovos, previamente batidas em castelo, liga-se tudo rapidamente, tira-se a massa às colheradas, que tendem, fazendo-se passar de uma para outra, (as colheres molham-se no azeite fervente em que os bolos hão de ser fritos) e, em seguida e sucessivamente, põe a frigir. O azeite deve ser abundante, para que os bolos mergulhem nele sem tocar o fundo. Tiram-se do azeite com uma colher crivada e põem-se a escorrer. (…)

    Responder
  11. obsceno é a falta de respeito evidente quando diz “parece-me obra do diabo, quiçá, do Estado Islâmico.”
    Sou católica, praticante e nunca irira desrespeitar, e muito menos num contexto culinário, outros credos

    Responder
  12. Acho que esta senhora tem um percurso profissional assinalável, tenho até admiração por ela mas… não concordo minimamente com a sua opinião. Eu gosto de pastel de bacalhau e gosto de queijo da serra, pessoalmente não me imaginaria a misturar os dois sabores mas acho que a cozinha é isso mesmo, é (re)invenção e acho que TUDO é permitido. É claro que eu posso fazer uma experiência desatrosa em casa com amigos (e eles não voltam lá…), ou fazer uma experiência desastrosa num negócio (e vou à falência…) cabe ao paladar e decisão de cada um decidir. Uma coisa é a receita tradicional, para isso há confrarias gastronómicas para as defenderem e que eu apoio sem condições, outra coisa é a experiência gastronómica… Francamente não vejo onde está a obscenidade. Eu gosto de arroz de pato e de arroz doce, mas também gosto de inventar mesmo nesses pratos. Bom apetite a todos 😉

    Responder
  13. Em 3 de julho de 2014, ou seja há um ano, escrevi quanto segue no meu blogue http://sereno-variabile-23.blogspot.pt/, sendo desnecessário pôr mais na carta: “… pelo Terreiro do Paço onde, para além dos tão alfacinhas rickshaws de aluguer, o que mais me chamou a atenção foi a nova especialidade lisboeta, na senda do estrondoso êxito do pastel de nata de bacalhau, que é o pastel de bacalhau que, quando se morde deita cá para fora um cremoso queijo da serra, tudo anunciado em belos posters, no limite do pornográfico, pespegados nos pilares pombalinos dos ex-Ministérios transformados em locais de lazer e engorda. Vem-me de perguntar se nos não ex-Ministérios não é a mesma coisa. Ao regressar às Finanças, desta vez pela porta da Rua da Alfândega, dei comigo a apressar o passo na Rua dos Bacalhoeiros para fugir da visão proporcionada pela fachada do estabelecimento de mercearias finas “Silva & Feijó”, pensando estar perdido e em perigo no kasbah de Marrakech ou no souk do Cairo, e não em Lisboa, melhor cidade europeia para estadias de curta duração segundo a World Travel Awards.”

    Responder
  14. Tristes, ridículos, ignorantes, obtusos e realmente obscenos são os comentários da dita “senhora” aos pastéis de bacalhau. Uma combinação por no gráfica??? Estado islâmico??? (a sério???) inacreditável!! Tenha juízo!

    Responder
  15. E se calhar nem o pastel de bacalhau é grande espingarda, nem o queijo que lá está dentro

    A julgar pelas experiências que tenho tido nesses cogumelos novinhos em folha a brilhar que se afirmam como tradicionais e querem-se bem pagos…

    Responder
  16. será que eu rechear uma Bola de Berlim com um Pastel de Belém
    terei direito a uma condecoração pelo srº presidente da republica?
    por um descobrimento inovador da nossa gastronomia…

    Responder
  17. Mas desde quando é que as pessoas não podem escolher o que comer??? Não gostam, não comem! Particularmente gosto dos dois artigos mas em separado mas porque não experimentar?

    Responder
  18. Inovação? Inovações? Infelizmente parece que estão muitos sobrevalorizadas nestes dias. Se eu adicionasse a um pastel de bacalhau outro qualquer ingrediente, assim sem mais nem menos, será que seria inovação? teria um produto completamente novo? não me parece. Chamar-lhe-ia antes invenção e muito pobre por sinal (sobretudo para turistas incautos ou quem queira provar algo diferente, o que nem sempre é melhor), existem ainda evidências de uma espécie de chico espertismo do género empreendedor pimba confirmado por exemplo pela ostentação barata da decoração da loja, preço, entre outros aspectos pitorescos.

    Termino dizendo que não tenho absolutamente nada contra esta “casa portuguesa do pastel de bacalhau” ou o seu mix, só não chamem ao tal do pastel coisas que não é.

    Valorizem o que deve ser valorizado, verdadeiras inovações. Isto não é progresso em lado nenhum.

    A verdade é que para eles má publicidade é publicidade.

    Responder
  19. Dar 2 dos mais maravilhosos ingredientes da alma portuguesa, e assim criar inovação e talento, isso eu entendo. Não entendo como dão internet para cada asno fazer o seu “psudo” comentário nacionalista. Avança Portugal!! Viva o pastel pornográfico, até da vontade de fazer sexo depois de comer uns quantos, aliás acho que é isso que falta para essa malta do passado.

    Responder
  20. anda tudo doido?
    Já agora recheiem um croquete com camarão
    Ou então sirvam salsichas com ovos e açorda e chamem-lhe bitoque
    Isso sim, seria InOvação he he
    Querem inventar, inventem e batizem, não enganem

    Responder
  21. Não percebi a revolta desta senhora.
    Não deixamos de ter o pastel de bacalhau. Não deixamos de ter o queijo da serra.
    Só juntamos duas iguarias portuguesa numa só.
    Além do mais, não é normal haver pregresso, mesmo na gastronomia? Ou devemos ter duas palas à frente dos olhos?
    Considero-me conservador, mas há gente que abusa.

    Responder
    • Caro Miguel. Nao me interessa a sua idade, formacao civica ou academica. Nao pactuo com os seus vituperios para com uma senhora – que nao conheco pessoalmente – de saber e experiencia unicos que elaborou o livro Cozinha Tradicional Portuguesa, durante 25 anos de trabalho com a colaboracao de dois extraordinarios fotografos e percorreram todo o territorio portugues. La, encontra a originalidade da comida portuguesa. Simples: A ORIGINALIDADE!
      Se aquilo e “progresso gastronomico” solicito que se cultive. Trata-se da caca (nao uso acentuacao…, desculpe!) ao dinheiro e a incultura da gente mais jovem e da maioria dos portugas que nao sabem cozinhar.
      “Palas a frente dos olhos” nao e digno de finura, de educacao, de respeito. E descabido.
      Considera-se “conservador”? Enganou a sua pessoa.
      Aquela receita e muito apropiadamente “obscenidade gastronomica”. E contraria a decencia; ao pudor; desonesta, torpe e lasciva.
      A Mrs. Maria de Lourdes Modesto e a decana das gastronomas portuguesas. Existem livros com mais de meio seculo de Laura Santos ou Berta Rosa Limpo, e tantos outros, que sugiro a sua leitura. Li a sua opiniao e nao vou ler mais nenhuma porque a maior parte das pessoas que da opinioes nao tem decencia e e malcriada. De modo algum o tenho neste lote.
      Faca como eu, que embora resida a quase 9.000 klms de Portugal continuo a saborear o PASTEL/BOLINHO de BACALHAU confeccionado por mim e o QUEIJO DA SERRA DA ESTRELA! Pastel de bacalhau so existe um,mas, queijo excelente temos o atras citado, o de Serpa, o de Azeitao, Castelo Branco, Acores, Niza e poucos mais.
      Devemos respeitar a originalidade deixada pelos nossos ante-passados, Nossos ascendentes. Bisavos, avos, pais, toda a familia.
      Nao experimente comer acorda alentejana com queijo da serra da estrela!…
      Saude e dinheiro para comer uns pastelinhos/bolinhos de bacalhau com um arrozito de pimentos, de tomate, de grelos ou um congenere.

      Responder
      • Ora aqui está um texto, digno de ser igualado á categoria deste bolinho de bacalhau com queijo. Uma trampa em toda a sua génese! Não é que concorde com o comentário ao qual deu resposta, aliás, pelo contrário. Contudo, este texto, para além de mal escrito, o que per si já é mau, tens uns laivos de reaccionário, de fascista e anti democrata, o que me conduziu á escrita.
        Muitas palavras, cujo resultado final não é mais do que um peido cósmico vindo de 9000km de distância.
        Mas nós agora temos postulados na culinária? Aquilo que escreveu e traduzido á letra é a mesma coisa que dizer que uma tiborna é uma aberração.
        Tenha juízo!

        Responder
    • Nem tudo o eque é novidade é necessariamente progresso. Chamem-lhe outra coisa; isto não é um pastel de baclhau – só para enganar paplvos e turistas. Para mais, ainda vêm com a saloice de dizer que este é que é o verdadeiro, o original, Trata-se tão mal o nosso património,e inda há quem ache que isso è “pregresso”.

      Responder
  22. triste lamentável , mas em Portugal come se qqer coisa misturada c qqer coisa desde sumos ate comidas , mas essa e a mais lamentável de todas ……………

    Responder
  23. Por mim bem podem dar os pasteis de bacalhau aos cachorros, detesto bacalhau. Quanto Queijo da Serra por favor….. Essa da inovação faz-me lembrar o acordo ortográfico…só pode dar bosta. Queijo é queijo, bacalhau até pode ser o do Quim Barreiros.

    Responder
  24. Algumas ideias deveriam no mínimo, dar direito a cadeia…o pastel de bacalhau não merece uma maldade destas, adoro tudo o que é inovação, mas não desta forma, queriam fazer um pastel com bacalhau e queijo..ok..mas faziam com outra configuração e outra imagem… aí até eu aplaudia e provava!

    Responder
  25. Fui, comi e adorei! Chama-se Inovação D. Maria De Lourdes Modesto. Que, quer queiramos, quer não, tirou-nos do marasmo do “sempre o mesmo”. A inovação é progresso e o progresso na gastronomia portuguesa tem de ser mais que bem-vinda!

    Responder
    • O comer e adorar tudo bem gostos não se discutem mas… chamar a isto inovação.Estude um pouco mais sobre a nossa gastronomia , a isto se chama Alterar e não inovar.

      Responder
      • Inovar implica sempre alterar, seja pela forma como são confeccionados determinados alimentos como pela escolha dos alimentos…
        Não entendo estes Reis da palavra, que querem ter razão na secretaria.. Guerras inúteis de semântica..

        Responder
  26. Pingback: Pastel de bacalhau com queijo da Serra é uma “obscenidade”, diz Maria de Lourdes Modesto – Mais Olhos Que Barriga | AICL

    • Este pastel de bacalhau com queijo da Serra da Estrela, é um verdadeiro engano para os “papalvos” que “engolem” tudo. Comprei, dei uma dentada e a massa parecia palha, procurei o queijo da serra(como vem na foto de publicidade) e nada. Com os dedos (estava em casa) fui tentando encontrar algum queijo e só havia uma massa mistura de palha e alguma massa de queijo. Tudo sem qualquer sabor. E o sabor do queijo da serra, toda a gente sabe que não passa desapercebido ao paladar. Mas as pessoas engolem tudo! Até esta ridícula publicidade.

      Responder
  27. penso que pornografia está nos olhos das pessoas e a d.maria de lurdes não tem idade para ver pornografia aonde existe marketing adorei o espaço bem conseguido ,tirei o chapéu a este tipo de investimento fui lá ontem não o comi da forma pornografica mas o simples achei um pouco seco,mas são opiniões o que gostei sem duvida foi os promenores do espaço e quem como eu conheçe a baixa e ve casas a fechar ,gosta de ver sobretudo este tipo de espaços com glamour a abrir mas quem for ceptico em relação ao queijo abra uma tasca sem queijo,mas faça qualquer coisa sem ser a dor de cotovelo …ao pé dos invejosos não se consegue medrar …proverbio popular não sei se é património mas é portugues

    Responder
    • assim que ouvi falar deste fenómeno, o meu colesterol desaconselhou-me a a submissão à tentação. mas agora que reparo que é pornográfico, acho que vou experimentar.

      Responder
    • Pode não ser obsceno mas é de certeza uma porcaria. Adoro pasteis de bacalhau e queijo da Serra. Juntos só podem ser intragáveis. E já agora uma vez que acha que pode dar conselhos à D. M. de Lourdes também lhe dou um a si: aprenda a escrever, isso sim é defender o património português. Promenores? conheçe?

      Responder
      • Promenores? Penso que ninguém conhece. Penso que o que queria escrever seria “pormenores”. Até o maior defensor da língua portuguesa dá erros. :)
        Qualquer um tem direito à sua opinião, independentemente, do nível de instrução.
        Eu acho que a sr.ª d.ª Maria de Lourdes devia guardar a dela até porque no Séc. XXI é suposto cada um fazer o que quiser desde que não ponha a liberdade de outrém. Sente a sua liberdade colocada em causa? Cada um como o que quer tal como faz as adaptações que quiser, se nem provou para quê que opina?

        Responder
    • Onde é que posso por like no teu comentário? heheh adorei a tua resposta, espero que sejas uma jornalista ou serás um dia, ou pelo menos um blog vá, que eu iria seguir os teus posts de certeza 😉

      Responder
    • Completamente! O bom português só quer é queixar… queixar-se de tudo, queixar-se de nada. Mas deve sempre… queixar! Até parece que por criar-se uma nova vertente do tão típico pastel de bacalhau, extingue-se a existência do já tradicional. Queixem-se queixem-se de tudo enquanto outros usam da inteligência e capacidades para inovar e criar novos conceitos.

      Responder
      • Minha “querida”, está só a esquecer-se dum pequeno pormenor: é que estes senhores estão a argumentar que este pastel é o verdadeiro, argumentando com dados históricos e datas que remontam a dois séculos para trás! Isso, no mínimo é usurpação. Se querem inovar, inovem, façam coisas novas, mas não se “armem” naquilo que não são.

        Responder
    • Na sua frase não deve dizer “…bem conseguido”, mas sim …”bem concebido”, porque se trata de uma observação que se concentra no planeamento, na concepção, neste caso do espaço.

      Responder
  28. Até parece que não se pode fazer umas derivações do pastel de bacalhau original. Cada um faz o que bem entende e se tem saída, óptimo. Se não tem, não tem. Simples.

    Responder
  29. Enquanto povo, temos uma dificuldade imensa em apreciar e respeitar as nossas tradições. Independentemente se se gostar ou não do dito, de se concordar ou não com a opinião da senhora, há que reconhecer que não somos dados a reconhecer a grandiosidade do nosso património. Façam-se experiências com o pastel de bacalhau, mas não se divulgue isso como uma receita tradicional para enganar turistas! Viva o pastel de bacalhau original! Viva o pastel de nata tradicional! Abaixo as imitações!

    Responder
  30. quando o vi pela 1ª vez, até salivei, ainda não provei mas axo a ideia, muito boa, quero 1 duzia só para mim bem quentinho e e o queijo da serra a derreter, que bom. agora não percebo o que tem de obceno, acho que, a senhora em questão, não sabe bem o que quer dizer obceno, mas é simples dicionário lá explica o que quer dizer, quanto ao resto viva o pastel de nata xeio de queijo da serra!!!!!!!!!!!

    Responder
  31. Maria de Lur­des Modesto, teve aqui uma intervenção nada modesta.Não gostar e classificar o seu gosto pela negativa tem todo o direito.Outros vão a reboque por esses e outros motivos.A liberdade também chegou à cozinha.Criem-se associações para restaurante e pastelarias como tradicionais classificando-as.Criem-se outras pela inovação ou transformação.Ninguém ficaria a perder.Estranho é a Shra.Modesto não criticar por exemplo a McDonalds ou outras similares.Quanto ao preço, nada a dizer, pois se pratica esse preço, acho que mesmo assim vale mais, do que aqueles novos restaurantes com chefes seus colegas e superiores, que apresentam ementas apresentáveis mas que não valem nada e ainda por cima temos que ir comer os tais pasteis, para matar a fome.

    Responder
  32. A CENSURA voltou ao Portugal mesquinho e pequenito.
    Onde é que está a liberdade que tanto se apregoa???
    Era só o que faltava alguém me dizer que eu não poderia vender “Cozido à Portuguesa com carne de Crocodilo”.
    Já comi, gostei e comia mais se tivesse dinheiro para tal.
    PS. No que respeita à Maria de Lurdes Modesto, não vou falar para a senhora não ficar melindrada, mas… que se cale, ou ficará com a careca descoberta e não irá gostar.

    Responder
    • Toda a gente pode vender o que queira, desde que não minta. Não é tradicional pastel de bacalhau com queijo da serra, e muito menos existe desde 1904. Conheço a baixa há mais de 20 anos e nunca tal se vendeu É uma armadilha para turistas.

      Responder
  33. Nem consigo acreditar no que leio…

    Exmos Srs

    Com a sabedoria e a criatividade e para os crentes com a graça de Deus, a sociedade evoluiu em variadíssimas áreas, um delas as gastronomia.
    Com todo o respeito pela Sra D. Maria de Lurdes Modesto, acho que se excedeu nas palavras…tornando-se ofensiva para quem é proprietário deste estabelecimento.
    Há uma realidade o pastel de bacalhau
    Há uma realidade o queijo da serra
    Há uma realidade o pastel de bacalhau com queijo da serra.
    Que tem o preço que quem quer comer paga, do seu dinheiro logo é uma coisa que ultrapassa quem quer que seja, para os nossos ordenados talvez caro, talvez não cada um sabe das suas economias. A cultura portuguesa ganha com a diversidade e não com a estagnação. Também gosto muito do Santo António Tradicional, mas também o há de varias cores, berrantes, fluorescentes e não sinto que com isso estejam a ofender a cultura portuguesa, a devoção ao Santo, ou a ridicularizado. É um gosto diferente.
    Felizmente temos comercio virado ao turismo, serviços virado ao turismo, e na verdade Portugal não esta pior economicamente porque muitos são os “iluminados ” que tem feito novas propostas para gerar economia, emprego, receita … quem não gosta não come.
    Quanto as telas ou toldos, é discutível. Agora a Baixa está com uma decisão de um grupo de técnicos que fez as suas posições a gosto, toldos rebativeis , tudo preto etc etc nem sequer é da historia da cidade, quantos são os locais na baixa que tinham os seus toldos armações em ferro, fixo, a gosto da casa é só fazermos a pé as ruas e verificar quantos(poucos a meu ver) o tempo conservou e dão beleza e historia aos edifícios. As telas de publicidade para quem investiu na recuperação total de um edifício da Baixa…
    Gosto mais , que prédios devolutos ou telas eternas a promover obras que demoram décadas a acontecer.
    Já provei e gostei é demasiado calórico, a seguir uma boa caminhada.

    Responder
  34. Não discuto a questão da pornografia, trata-se de gostos e de opiniões. De resto confesso que a ideia até me agrada, essa mistura que pode parecer estranha para uns ou inovadora para outros. E quem não quer não come, claro está! O pior mesmo são o logro e a autêntica roubalheira ali montada, basicamente para assaltar turistas. Fala-se muito dos carteiristas no eléctrico 28 mas este é um assalto “legal” e obsceno.
    Vejamos:
    1 – O pastel não vale um caracol (para não utilizar outros termos). Muita fécula de batata e pouco bacalhau (se é que o tem), vendidos a um preço exorbitante.
    2 – Todo o ambiente da casa apela ao tradicional, incluindo uma placa com a data de 1904, ludibriando claramente quem ali vai.
    A fórmula, tire-se-lhe o chapéu, assenta num excelente exercício de propaganda, incluindo a montra (a partir da qual é possível ver as empregadas a confeccionar os tais “pasteis”), o tamanho, etc, etc. E o espaço que tem sido dado à loja pelos media (veja-se, a título de curiosidade este vídeo, repugnante na minha opinião, com o Manuel Luís Gouxa https://www.facebook.com/pastelbacalhau/videos/vb.982235811788064/1000138836664428/?type=2&theater)
    A verdade mesmo é que o pastel não vale absolutamente nada (e eu tive o cuidado, ou a burrice, de o provar). Trata-se de uma nova forma de vender comida plástica, enganando sobretudo turistas que até fila fazem à porta. Enfim, como fazem fila no 28 para serem roubados mas que se há-de fazer?

    Responder
  35. Esta senhora fala fala,e eu tentando respeitar a opinião dela não consigo,mas ela sim deve ser obra do diabo quiçà!Pois se as duas iguarias são boas só por si juntas,devem ser de uma simbiose fabulosa! A inovação chega a vários niveis e a vários sectores, é porque não na gastronomia, se é ela uma das grandes Poetas de entrada neste País?! Gaja burra…

    Responder
    • Mas é v.exa uma sumidade.Em breve vou abrir uma loja obde pide comer picanha com leite creme e couve flor em cama de arroz doce.O preço rondara os 35 euros.La o aguardo.A bem da boa mesa

      Responder
    • Essa concepção de gastronomia é bastante inovadora: juntam-se duas iguarias e o resultado só pode ser uma iguaria!

      Por exemplo; vamos misturar um bom ensopado de borrego com musse de chocolate. E mais: dizemos que éa receita de 1895 e vendemos a 50 euros a dose. O abandalhamento cultural é triste. Trata-se a nossa comida como se trta a língua, como todo o patrimónia: com desleixo e falta de conhecimento. povo assim é ºpobre, mesmo.

      Responder
  36. Todos nós somos livres de dar a nossa opinião… Mas será que temos de criticar tudo? Ou se fosse um chef conhecido a experimentar esta ousada “iguaria” já caia em bom tom? É impressão minha ou a cozinha vive de experiências? Umas falhadas outras acertadas.. Mas daí a fazer este drama todo?

    Sinceramente não me parece agradável, mas eu tambem acho que o pepino não combina com o big mac e não é por isso que deixo do o comer e lamber os dedos no final!

    Responder
  37. também não concordo com a alteração à receita original dos bolinhos de bacalhau. É como alterar a francesinha, como já andam a fazer. Assim, daqui por 500 anos se quiserem recuperar estas receitas, qual é a original? Porque é que andam sempre à procura de receitas medievais? Porque o que tem piada é serem medievais e originais penso eu!

    Responder
  38. Relativamente à mistura de sabores, devo estar de acordo, não será a melhor. Relativamente à cultura gastronómica, há que ver os dois aspectos: cultura não é estanque, não tem de ser sempre o mesmo ao longo dos tempos, já foi visto e comprovado que a gastronomia é evolutiva.

    Agora acho estranho não haver uma única alma nesta discussão que não refira o facto de comparar uma receita a uma obra do diabo e, xenofobamente, ao estado islâmico!!!

    Responder
    • Já cá vinha esta alma falar nisso. ..
      Nem se trata de xenofobia, mas achar que misturar queijo com pastéis de bacalhau é semelhante às atrocidades que estão a ser cometidas pelo estado islâmico é uma tentativa de ter piada que ficou muito mal à autora
      De resto, cada um escreve o que quiser. .. ma publicidade é publicidade.

      Responder
  39. Maria de Lurdes Modesto com esse tipo de retórica a única aberração que vejo é a sua falta de noção sobre mistura e combinação de sabores.

    Responder
    • É uma valente MERD$%$!!! Já provei e odiei… MAU pastel + MAU queijo = CACA de “coisa” :-) … não chega ao Natal… rapidamente vai fechar, é “assunto arrumado”

      Responder
      • Deve ser por ser uma merda que está sempre cheio e faz inveja na concorrência das imediações.
        Também deve ser por ser uma merda que a grande maioria dos que provaram gostaram.

        Responder
  40. Subscrevo totalmente a opinião de Lurdes Modesto !!
    Andamos a chatear a Unesco para que considere as nossas especificidades alimentares como Património Mundial e depois somos nós mesmos, os portugueses, a criar estas aberrações gastronómicas.

    Responder
  41. Puta que pariu pastel de bacalhau com queijo !
    O tradicional não leva queijo. Quem quiser queijo da serra – esse é com pão e vinho tinto !
    O pastel de bacalhau tradicional é um património nacional que estes tipos modernistas estão a tentar destruir ! Viva a receita da avozinha ! Morte aos modernismos estúpidos e aberrantes como este !

    Responder
  42. Exmª Srª se não gosta do produto está no seu direito, a questão é: já o provou?
    Se não o fez, faça-o primeiro e fale depois…
    Agora pornográfico? Acho mais que o seu problema é que a ideia não foi sua, custa reconhecer que outros também podem ter boas ideias naquela que aparentemente é a sua área? E pelos vistos é uma ideia que até está a ter sucesso dada a afluência que se tem vindo a ver na loja…

    Muito se tem falado da casa portuguesa do pastel de bacalhau, que os quadros e a decoração nada tem a ver com a baixa pombalina, mas como alguém aqui já referiu, e muito bem, lojas como a seaside, adidas, calzedonia entre outros alteram por completo a fachada dos prédios com publicidade e afins e ai já ninguém fala, porquê? Porque são marcas internacionais? Quantas dessas lojas reconstruíram um prédio INTEIRO na baixa pombalina? Pois… poucas, ou mesmo nenhumas. O prédio onde agora se situa a casa portuguesa do pastel de bacalhau, há uns meses atrás estava quase a “cair para o lado” então e aí já não estragava a baixa pombalina? Era capaz de estar mais bonito como estava, antes de ter sido inteiramente restaurado.

    Aberração é aquilo que a Sr.ª disse, tenha juízo porque a gastronomia tal como tudo pode ser reinventada, se calhar a srª até é amante da cozinha gourmet (a isso já não chama pornográfico ou aberração?)

    Responder
    • Sim, já proveio e é MAU!!! se já era um MAU pastel, com MAU queijo, fica um MAU produto…

      Não percam tempo a discutir o assunto… essa brilhantes ideia não chega ao final do Versão… enfim, continuem a enviar postais e se querem ser inventivos, comprem LEGOS!!!

      Responder
    • Se tem queijo não é pastel de bacalhau.
      Façam as experiências que quiserem e sirvam a m***** que quiserem para quem quiser.
      Mas se lhe puseram queijo não lhe podem chamar pastel de bacalhau. É destruição de património.
      Uma coisa é uma coisa … outra coisa é outra coisa. E penso que era a esta questão que a senhora se referia.

      Responder
    • Como em tudo na vida, agradar a gregos e a troianos é difícil. Se o pastel tem ou não qualidade não sei. Como não gosto de queijo da serra, não provei, mas o espaço é muito agradável. Que as críticas sirvam para melhorar o produto e desejo aos proprietários que tenham muito sucesso. O nosso país precisa de quem invista e crie emprego!

      Responder
  43. Não percebo o porque de tanta coisa sobre este tema .Ok poderia ser mais barato. Ok poderia vender tb .os típicos pasteis de bacalhau sem queijo e sandes so com o queijo .Alem disso a Firma Siva e Feijo tem algum cuidado nas transformações que faz nos seus estabelecimentos tentando preservar ou recriar o antigo .Tanta coisa ..porque não criticam a Zara e a Springfield e outras que transformaram as fachadas de edicios de época em coisas quadradas com publicidade e cartazes ate aos andares de cima .Porque não chamar a atenção doutros comerciantes que tem os seus estabelecimentos todos modernezidos e por cima o resto do prédio todo podre e quase a cair …Acho melhor acabarem com Concursos tipo Master Chef não va algum dos vencedores abrir na Rua Augusta um café ou algo no género onde sirva uma folha de alface com farripas de cenoura e um pingo de mel . isto sim e típico de Portugal e chama-se gourmett ..ups afinal e francófono.

    Responder
  44. Confesso que li este texto porque achava que a autora, como especialista, ia usar argumentos que me fizessem perceber porque é que esta receita é uma “obscenidade pornográfica”. Confesso que não consegui perceber porque e, creio até, que haverá aqui um ligeiro problema pessoal entre a autora e o criador da iguaria. Se é uma questão de gosto, acho que não faz sentido. Eu, pessoalmente poderia escrever um texto semelhante sobre pratos com borrego – porque odeio borrego – e ser muito criticado.
    p.s.: ainda não provei o referido pastel e até confesso que não tenho grande vontade, até porque pornográfico é o preço!

    Responder
  45. — Uma piroseira turística falsa e muito serôdia baseada numa infeliz combinação gastronómica, forçada, desequilibrada e enjoativa.

    Responder
  46. Quando a imaginação e o intelecto se dissipam surgem artigos destes…
    Por favor, e ainda por cima publicam uma coisa destas em um suposto “Jornal” que tem fama de ter bons artigos.

    Responder
  47. Que discussão ridícula.
    Vão trabalhar…
    Tanta coisa importante pra se noticiar e fazer..
    D. Maria, saia da frente da , ali nunca encontrará o que há de melhor. Sugestões: museus, bibliotecas, livrarias, passeios nos belos parques de Lisboa, veja pôr do sol. Será outra pessoa em breve!

    Responder
  48. Eu já experimentei e achei soberbo!! Uma delícia! O que há mais são estabelecimentos que vendem esta iguaria na cidade de Lisboa! Eles (Silva e Feijó, o dito estabelecimento), não obriga ninguém a comprar esta inovação. Quem quer come, quem não quer… Agora que é bom, é. E o nosso país bem precisa de inovações.

    Responder
  49. Recentemente, passando em Lisboa, comi um desses bolos de bacalhau com queijo amanteigado, por gostar de bolos de bacalhau e de queijo. Classificar essa parceria de obscena talvez seja um exagero, mas reconheço que é estranha e que longe de acrescentar retira qualidade ao bolo de bacalhau e ao queijo. Estranha-se e não julgo que venha a entranhar-se…

    Responder
  50. Pede-se a alguém que transmita às senhoras da foto que para praticar estas “obscenidades” tem que primeiro ganhar-se uma estrela Michelin ou, ao menos, declarar-se pretendente. Depois, então, podem-se praticar todo o género de ofensas à cozinha portuguesa e ter-se o apoio, se não mesmo a admiração, de toda a imprensa e intelligentsia gastronómica. A MdLM sabe muito bem o que é nutrir este género de pretensiosos porque fui a madrinha de o maior de todos. Cínico sou eu…

    Responder
  51. Aproveitando, pergunto: por que aqui em Portugal os bolinhos, pastéis e rissóis, por mais deliciosos que sejam, são sempre servidos frios? É uma tristeza…

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>