Mark Bittman é vegan antes das seis da tarde

VB6 é o título, provocatório, do novo livro de Mark Bittman, o jornalista que escreve sobre comida no The New York Times. Significa Vegan Before 6, e nele Bittman explica o que o levou a tornar-se vegan antes das seis da tarde.

vegan B6

Como seria de prever, a tese irritou os não-vegan, que ficam geralmente irritados quando um foodie anuncia que se passou para o outro lado. E irritou os vegan, que acusaram Bittman de não ser vegetariano — nenhuma mulher está “um bocadinho grávida” foi o argumento mais utilizado.

Eu, pelo contrário, simpatizo com a posição de Bittman. A história começa há uns anos, quando, perante os resultados de umas análises ao sangue, um médico lhe diz que tem de mudar de vida. Havia algumas hipóteses, cirúrgicas e químicas, de lidar com o problema. Bittman não gostou e resolveu pedir a opinião de outro médico, que considerava mais ponderado. Este tinha, de facto, um conselho para lhe dar: torne-se vegan. “Está a brincar? Sabe qual é o meu trabalho?”, foi a primeira reacção de Bittman. O médico ficou impassível: “Você é um tipo esperto, arranje uma solução.”

Bittman foi para casa, pensou no assunto, e encontrou a solução: seria vegan — o que significa não comer nenhum produto de origem animal — mas só até às seis. A partir dessa hora comeria tudo o que lhe apetecesse. Não há uma razão especial para escolher as seis da tarde, é apenas porque é à noite que a vida social é mais activa e Bittman não queria estar a pensar em restrições. Passaram já alguns anos, e os resultados surpreenderam-no: perdeu (muito) peso e os níveis de colesterol e de açúcar no sangue baixaram significativamente.

bittman_525

 

Durante uns tempos ainda teve vergonha de assumir publicamente que era um meio vegan. Mas depois decidiu escrever o livro — e preparou-se para enfrentar as críticas. “Está a fazer batota!” foi uma das coisas que mais ouviu. Ele diz que é verdade, que faz batota porque… sim. Ou melhor, porque pode, e porque a escolha é dele. Se quiser ser vegan um dia por semana ou uma hora por dia, pode. Claro que os outros também podem dizer que isso não é ser vegan, mas se para ele é a fórmula que funciona, qual é o problema? Se tivesse sido colocado perante uma opção tudo ou nada, provavelmente teria escolhido nada.

Bittman faz uma comparação com a corrida. Ele corre habitualmente, mas diz que às vezes no Inverno não corre durante uma ou duas semanas. “Isso não faz de mim um não-corredor, faz de mim uma pessoa que não está a correr naquele momento.” Por isso, se alguém é vegan durante dois meses e de repente durante uma semana não consegue ser, isso não representa um fracasso: “Você não falhou — limitou-se a saltar uma semana, grande coisa!”

(texto publicado na revista 2 do PÚBLICO a 29 de Setembro de 2013)

3 comentários a Mark Bittman é vegan antes das seis da tarde

  1. Pingback: Leituras recomendadas e minha lista de espera - Verdura sem frescura

  2. A 2ª edição do “Mercado de Vinhos” do Campo Pequeno irá decorrer entre 1 e 3 de Novembro deste ano.
    Este é o maior encontro de pequenos e médios produtores nacionais de qualidade com o grande público.
    Agradecíamos muito se o pudessem divulgar na vossa página.
    Obrigado.

    Responder

Responder a mariana Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>