Sardinhas ao vento

Pela primeira vez, este ano reparei no dia exato em que começou a ventania. Foi numa sexta-feira. Acordei de madrugada com a cacofonia que a brisa enfurecida desperta no meu prédio. No apartamento de cima, os vidros queriam saltar dos caixilhos. No do lado, uma porta batia sem parar – pá, pá, pá, pá… – […]






Guarda-chuva inquebrável

“Este é o último guarda-chuva que você vai comprar”, disse-me o vendedor. E antes que eu me convencesse de que estava próximo do dia do juízo final, veio a explicação: “É um guarda-chuva para a vida toda”. Não tendo nascido ontem, suspeitei. Há uma lei intrínseca às relações comerciais segundo a qual a eloquência no […]






A insustentável leveza da caneta

A culpa foi do meu filho. Foi ele que me induziu a um trauma extemporâneo, contraído num ápice durante uma explicação de física depois do jantar. Em nome da justiça familiar, tenho de admitir que, na verdade, ele não teve responsabilidade nenhuma. Apenas disse: – Desde que me conheço vejo-te a fazer isso: quando explicas […]






O peixe que tramou a reciclagem

Vocês não imaginam o cheiro a peixe que estava no caixote. O responsável pelo transtorno nasal devia ser o saco de plástico que transportara a corvina. E que belo representante da ictiofauna, aliás. Escamas luzidias, carne rija, barbatanas intactas, olhos translúcidos, tinha todos os sinais de frescura. “É esta”, disse eu apontando para o bicho, […]