A síndrome da senha

“No signal”. No ecrã apenas aquela sumaríssima informação em inglês, nitidamente incompatível com uma sala de espera. Nenhuma imagem, nenhum texto, nenhum número. Nem sequer o programa do Goucha. Na verdade, havia um sinal, sim, mas era o da hecatombe que se abatera sobre o sistema de senhas daquela repartição de finanças.