Ilhas de rocha em Moçambique

Com a aproximação da nossa expedição a Moçambique, que vai decorrer já em Outubro, o entusiasmo da equipa cresce exponencialmente. Ultimam-se os itinerários, as listas de materiais, verifica-se que todos os documentos necessários estão em ordem e tomam-se as devidas precauções de saúde.

Nos próximos tempos, os posts serão sobre aquilo que vamos ver por lá.

O percurso definido, inclui uma passagem pela província de Nampula.

Mapa de Moçambique - selo oficial

[Mapa de Moçambique – selo oficial]

Aí vamos encontrar inselbergs, formações rochosas geralmente monolíticas que emergem subitamente do plano que as cerca. Para tornar mais claro aquilo de que estamos a falar damos o exemplo do chamado Morro do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, provavelmente o mais famoso e mediático inselberg do mundo.

A expressão vem do alemão e significa “monte ilha” ou “ilha de rocha” e foi introduzida pelo geólogo alemão Friedrich Bornhardt em 1900. No  topo destes “montes ilha” existe uma vegetação específica claramente diferenciada da existente na paisagem em volta, aquilo que habitualmente se designa por endemismos (grupos taxonómicos que se desenvolveram só nessa região).

Inselberg em Nampula, Moçambique

 

[Fotografia de Stig Nygaard tirada em 21 de novembro de 2007 em Alua, Nampula, Moçambique.]

Recentemente, a flora dos inselbergs tem recebido uma atenção considerável por parte de botânicos de todo o mundo, dada a sua importância para o estudo da biodiversidade em vários aspectos. Apesar disso, ainda são pouco conhecidas em suas características florísticas, genéticas, assim como os padrões de distribuição e comportamento de suas populações vegetais.

São ecossistemas muito específicos e distintos uma vez que apresentam uma vegetação exclusiva e bem característica, associada a condições muito peculiares: escassez de água, altos níveis de radiação solar e pouca disponibilidade de substrato. Estas condições severas são factores determinantes na adaptação das espécies encontradas nesses locais, actuando directamente na formação de novas espécies biológicas.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>