Fernando Pessoa em mais um Livro para Escutar

Afinal o Caracol: um livro que é um espectáculo. Em sentido literal e no outro. A actriz Cristina Paiva, da Andante Associação Artística, leu-nos o poema Havia um menino e disse ao PÚBLICO que Fernando Pessoa pode ser dado a conhecer aos bebés e fazê-los rir. E assim aumentámos a nossa galeria de Livros para Escutar do […]






É proibido estar triste (durante muito tempo)

Não se estranhe que este livro seja editado pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, mais conhecida como EMEL. A Rua dos Sinais Diferentes faz parte de um conjunto de quatro obras criadas com o objectivo de sensibilizar os mais novos “para a mudança de mentalidades e comportamentos nas ruas da cidade”. Integram por […]






Tudo o que nos passa pela cabeça

Comecemos pela contracapa, que nos diz: “Na Antiguidade julgava-se que o órgão responsável pelos nossos pensamentos e emoções era o coração. Hoje já sabemos que tudo o que somos – pensamentos, emoções, decisões, ideias – acontece dentro do cérebro, em conversa contínua com o resto do corpo.” “Mas como nasce um pensamento? Como funciona o […]






Um livro-roteiro sobre Lisboa

Eu Li Ali! foi imaginado e criado por uma jovem de 20 anos e é sobretudo por isso que o trazemos aqui — para motivar outros jovens a escrever e a desenhar. É um livro-roteiro. À entrada, convida-se o leitor a entrar numa viagem por Lisboa e pelas palavras de autores portugueses: “Psiu! Pega neste […]






Um rei chato e uma revolução

Havia um rei muito chato. Fazia sempre tudo da mesma maneira. “Convém avisar que um rei pode ser lei. (É só trocar o R pelo L.)”, escreve-se logo no início. Segue-se a descrição de algumas rotinas de el-rei Dom Chato. “Calçava sempre a bota direita antes de calçar a esquerda. Penteava-se sempre à mesma hora, […]






“Quebrar a cabeça” no Dia Mundial do Livro

(Hoje, 23 de Abril, é Dia Mundial do Livro.) Como o nome anuncia, este livro é um quebra-cabeças. Também será o que nós quisermos, basta aceitarmos o desafio do autor e desatarmos a pintar pequenas caixas de cartão ou de papel (caixas de fósforos, de pastas dentífricas, de lâmpadas, de medicamentos, de tisanas, etc, etc). […]






Boa Páscoa e… maçãs sem dentes

Se as Maçãs Tivessem Dentes lança-nos num exercício de imaginação e diversão. Literária e estética. Também pode ser visto como uma prática gramatical da utilização do conjuntivo. Independentemente do propósito de quem o criou, o resultado é o leitor ficar a imaginar “ses” em tudo o que tropeça. E nada tem que ver com a […]






Na boca do lobo (que cheira mal)

Um livro que contém poemas poemas criados a partir de expressões idiomáticas comuns, como “andar com a cabeça na lua”, “fazer uma tempestade num copo de água” ou “ir por maus caminhos”. A que dá título à obra, “na boca do lobo”, mereceu este texto divertido de Sara Monteiro: “Na boca do lobo cheira sempre muito […]






Os pais estão diferentes

No domingo, 19 de Março, assinala-se o Dia do Pai. A verdade é que os pais estão diferentes de outros tempos: cuidam dos bebés, lêem-lhes histórias, não se envergonham de os beijar e abraçar em público, levam-nos ao parque e a todo o lado sem a presença das mães. Não foi sempre assim. Porque também […]






Rir e versejar

Ritmo, brincadeira, imaginação, jogos de palavras, vocabulário rico e imagens bem-dispostas fazem de Versos Que Riem um livro de que é muito fácil gostar. Se for lido em conjunto e em voz alta, ainda se tornará mais apetitoso… Até porque lá dentro se encontra o Restaurante da Poesia, que tem uma ementa para os dias […]






Uma amizade aquática…

Acreditar que este é um livro de estreia de uma ilustradora não é fácil. Pelo desenho, pela síntese, pelo talento. Aquário não tem palavras, mas tem sentido e emoção. A prova de como uma ideia simples consegue chegar ao leitor mais ou menos jovem sem precisar de grandes artifícios. Da observação das imagens, cada um […]






Quando for grande, quero guardar livros

Uma criança reflecte sobre o que será quando for grande. E a mãe vai reflectindo com ela, contrariando-a na maior parte do tempo ou dando-lhe novas pistas. Mas sempre com grande (excessivo!) sentido de protecção. “Quando for grande quero guardar o Sol.” “Podes ficar cego! — diz a mãe.” Sílvio prossegue: “E se for guarda […]






Sair da toca e descobrir o mundo

Sair da toca e descobrir o mundo (que é grande) e os outros (que são múltiplos). É o que António Mota quer dizer aos jovens leitores com esta história de dois irmãos coelhos que partem à procura da mãe, que se atrasou. Na verdade, o autor também quis dizê-lo ao neto, já que Onde Está […]