Onde está… o gato?

CapaLivroPág.Crianças14Março

O gato de uma criança morreu. Ela já percebeu isso, mas ninguém lho disse claramente. “O pai diz que ele anda nos telhados e fazer amizade com outros gatos, a miar à Lua e a piscar o olho às estrelas e que uma noite ele volta.” A mãe há-de dizer-lhe que acha que “o viu no quintal a trepar à árvore para espreitar os ninhos e assustar os pássaros” e “que um dia ele volta”, a vizinha suspeita de que ele terá ido “para o circo ou para a selva” e “talvez volte um dia”.

Só os avós, mesmo com eufemismos (“se calhar foi para o céu, que ele agora tem asas como um anjo ou um pássaro e que deve estar muito feliz”) é que não escondem que o gato “não deve voltar”. A criança concluirá que “ele não volta mais”, mas impede-se de falar no assunto porque percebe que os adultos não querem que ela saiba o que lhe aconteceu. Por isso, é recorrente a fórmula “o meu gato desapareceu”.

Um livro em que Ana Saldanha trata a perda de uma forma sensível e inteligente. Yara Kono transmite tristeza nalgumas ilustrações, mas alterna-as com outras mais felizes e coloridas, como a que retrata as sete vidas de um gato. Não é um livro triste, é um livro sereno e verdadeiro.

Gato Procura-se ajudará as famílias a falar de um tema de que andam sempre a fugir, mas a que não se pode escapar.

Gato Procura-se
Texto: Ana Saldanha
Ilustração: Yara Kono
Edição: Caminho
32 págs., 10,90€

(Texto divulgado na edição de 14 de Março do jornal Público, na página Crianças.)

Lá dentro, há imagens como esta…

GatoProcura-se

… que retirámos do sempre atento e actualizado blogue O Palácio da Lua, de Sílvia Borges Silva.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>