Vai um fadinho?

A Minha Primeira Amália
Texto Maria do Rosário Pedreira
Ilustração João Fazenda
Edição D. Quixote
46 págs., 13,95 euros

O pretexto para o lançamento deste livro é a proximidade do primeiro aniversário da eleição do fado como Património da Humanidade, mas para falar de Amália não são precisos pretextos. Em A Minha Primeira Amália, a autora Maria do Rosário Pedreira respondeu a um desafio: “Apresentar a nossa maior fadista de sempre a quem nasceu já depois da sua morte”, escreveu no blogue Horas Extraordinárias. E acrescentou a dúvida: “Não sei se fiz um bom trabalho.” Fez. Num tom de proximidade com o leitor, vai contando a vida da cantora, com a explicação, aqui e ali, de conceitos que suspeita não serem do conhecimento de quem a lê, como “diva”, “reportório”, “solista” ou “busto”. A biografia contém algumas letras de fados e revela as particularidades da sua criação. Como é o caso de Vou Dar de Beber à Dor. “Até se conta que Alberto Janes lhe fez uma letra que toda a gente dizia para ela não cantar. Mas ela não deu ouvidos, cantou e foi um êxito. (…) Era uma espécie de resposta a um fado mais antigo, A Casa da Mariquinhas.” Também são descritos certos pormenores do dia-a-dia, como o facto de Amália usar sempre apenas uma jóia: “Se punha um alfinete, dispensava os brincos.” Se a forma de contar a história conquista logo quem está do lado de lá das páginas, o modo de João Fazenda a ilustrar obriga-o mesmo a deixar-se ficar até ao fim. Depois, apetece aplaudir. Todos três.

(Texto divulgado no Público de 22 de Setembro de 2012, página Crianças.)

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>