Histórias de liberdade

Não é uma novidade, mas, como a liberdade, continua a valer.

Esta obra de Margarida Fonseca Santos (texto) e Inês do Carmo (ilustração) foi lançada em 2009, no 1.º de Maio.

Na altura, escrevemos o que se segue.

Simbolicamente lançado no Quartel do Carmo, este livro centra-se em objectos também carregados de simbolismo a propósito do dia 25 de Abril de 1974. A autora começa por personificar um semáforo, que conta o seu sentimento naquele dia perante a coluna militar: “Nos olhos daquele capitão, senti que podia confiar. Senti que aqueles olhos não podiam trazer mais nada do que igualdade, justiça, respeito (…) O verde, o meu verde, ajudou-os então a avançar.” No conto seguinte, Margarida Fonseca Santos põe uma espingarda a falar: “Foi de repente que, bem no centro do meu cano, um cravo se veio alojar! Era a imagem que comoveu o mundo a usar-me como estandarte.” Sete contos bem contados e bem ilustrados invocam o lápis azul, o Rádio Clube Português, os documentos incriminatórios, os megafones e as RGA. No final, é a voz do portão de Caxias que se escuta: “E abro-me, comovido, com um ranger de alegria que talvez ninguém note.” Para ler em qualquer idade. Livremente.

7×25 Histórias da Liberdade; autor: Margarida Fonseca Santos; ilustrador: Inês do Carmo; editor: Gailivro; 40 págs., 8,90 euros

(Foi aqui.)

Um comentário a Histórias de liberdade

  1. Olá, Rita Pimenta! Por sinal, usei este livro há dias, nas minhas atividades de mediação de leitura, e os meninos gostaram muito!
    E… também por sinal… não tinha lido esta recomendação…
    Até breve!

    Responder

Responder a Manuela Caeiro Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>