Acampar num museu


Helena Melo convida os leitores do Público, na página Crianças da edição de hoje, a acampar no limite.

A Noite no Museu está de regresso ao Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva, agora com um novo desafio: acampar no limite. A partir da exposição interactiva Extremos Viver no Limite, os participantes vão aprender a pescar no mar profundo, a quebrar o gelo para procurar alimento ou a encontrar água no meio do deserto. A manhã de domingo começa com ginástica e alguns jogos de pista. Dos 6 aos 10.

Lisboa Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva
(Parque das Nações). Tel.: 218917100
Hoje e dias 17 de Julho e 7, 14 e 21 de Agosto. Das 19h30 de sábado às 11h de domingo. Preço: 45 euros (40 para sócios do Pavilhão)

Os livros que divulgámos foram estes (Letra pequena há-de voltar a falar deles, para vos mostrar mais imagens.)


O talento e o absurdo de Shel Silverstein transformam a aquisição de um rinoceronte como animal doméstico num acto verosímil, natural e até desejável. Só vantagens: preço baixo, confortável (“quando te sentas no colo dele”), quente (“aquece-te nas frias noites de Inverno”), útil (“para lavrar o campo não há melhor”). Parece até que se trata de um anúncio, não fossem as outras características enunciadas sobre “o produto”: “Coça-te as costas quando precisares”, “dá muito jeito para pedir dinheiro ao teu pai”, “é uma grande ajuda quando a tua avó faz doces” e “quando a tua mãe te quer bater por uma coisa que não fizeste, ele defende-te”. A encerrar a descrição, vem o melhor. “É bom para gritar, mas melhor ainda para abraçar.” O leitor fica até espantado como pôde viver até hoje sem um rinoceronte por perto.

Quem Quer Um Rinoceronte Barato?
Texto e ilustração Shel Silverstein
Tradução Miguel Gouveia
Revisão Hélder Guégués
Edição Bruaá Editora
60 págs., 13,50 euros

Pela mão do pequeno Jorge, nasce um jardim. O único de uma cidade “sem árvores, sem verde de espécie nenhuma”. Curioso, o jardim foi seguindo a linha férrea e acabou por “invadir” a cidade. Novos jardineiros apareceram e ajudaram o rapaz a pintá-la com novas cores. O autor e ilustrador, Peter Brown, inspirou-se numa velha linha férrea elevada chamada Highline, no lado ocidental de Manhattan. Conta-nos no final: “Com o passar dos anos, o cascalho e os carris oxidados deram lentamente lugar a flores selvagens e a árvores. E se hoje formos espreitar a linha, veremos um jardim luxuriante que serpenteia acima das ruas e por entre os prédios.” Esta força da natureza, que encontra caminhos para sobreviver por entre as rachas nos passeios e trepando paredes, levou o escritor a imaginar o que aconteceria se “uma cidade inteira decidisse cooperar verdadeiramente com a natureza”?
Tragam um regador e vamos ajudá-lo a descobrir.

O Jardim Curioso
Texto e ilustração Peter Brown
Tradução José Oliveira
Edição Editorial Caminho
32 págs., 5,90 euros

Mais sugestões de actividades em família estão aqui em baixo na página completa.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>