Teatro e música no jardim

Ao Ar Livre em Lisboa é a proposta de Helena Melo na página Crianças de hoje no Público. (Ilustração de Margarida Botelho.)

O Teatro Maria Matos sai para a rua e apresenta uma nova edição de Ao Ar Livre, com teatro, performances, música, dança e oficinas – para plantar uma horta de boas ideias ou partilhar os sonhos num grande estendal no jardim. Às 16h, Joana Providência e alunos da Academia Contemporânea do Espectáculo apresentam Riquete do Topete, uma história sobre a beleza, a inteligência e a generosidade, contada por bonecos gigantes manipulados por actores com metade do seu tamanho. Às 17h, o dueto Rini e Bastollini, composto por um acordeão e um clarinete, enchem o jardim de músicas de bandas sonoras de vários filmes. Às 18h30, espectáculo de dança de Aldara Bizarro, A Casa, que gira em torno da casa ideal de cada um.

Lisboa Jardins do Bairro das Estacas – junto ao Teatro Maria Matos (Av. Frei Miguel Contreiras, 52). Tel.: 218438801
Hoje das 15h às 20h. Gratuito

Os livros que divulgámos foram estes. (Sobre o título que se segue, Letra pequena já aqui escreveu, mas ainda não o tinha acabado de ler. Agora, já.)

Tem passagens arrepiantes e sangrentas, mas os jovens leitores aguentam. E vale a pena. O Livro das Coisas Perdidas também tem humor, magia e emoção. John Connoly conta-nos a história de um rapaz de 12 anos, David, que, depois de algumas infelicidades neste mundo, consegue entrar num outro. Mas por lá a vida também não lhe corre nada bem. Entre trolls, homens-lobos e outros seres fantásticos, o miúdo terá de conviver com os seus medos e ultrapassá-los. Só assim sobreviverá. Muitas das histórias clássicas são aqui parodiadas, caso dos sete anões revolucionários que querem libertar-se da opressora Branca de Neve, que tem uma voz horrível e come que se farta. Afinal, foram eles que lhe deram a maçã envenenada… O príncipe que a beijou pôs-se a milhas assim que a “beldade” despertou. Cruel, mas muito imaginativo.

O Livro das Coisas Perdidas
Texto John Connoly
Tradução Catarina Andrade
Revisão Susana Andrade
Edição Bertrand Editora
304 págs., 15,90 euros

É verdade que as quatro estações do ano já não são bem iguais ao que a memória recorda nem ao que se estuda na escola, mas a descrição do pinguim Pipim sobre o Verão ainda vale: “O sol brilha alegremente no céu e faz muito calor. Os dias são muito longos e as noites curtas. Vêem-se insectos a voar por todo o lado!” Este é o sexto livro da colecção Pipim, o Pinguim. Livros que denotam conhecimento genuíno do universo infantil e sensibilidade na sua abordagem. No final de cada volume, há actividades para as crianças. Neste Pipim e as Quatro Estações, um jogo de observação convida os pequenos leitores a encontrar algumas espécies de animais e de plantas numa imagem colorida. Também os educadores têm direito a informações finais. Bem pensado.

Pipim e as Quatro Estações
Texto Tiago Salgueiro
Ilustração José Saraiva
Edição Gailivro
32 págs., 5,50 euros

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>