À caça de um poeta

“Vou apanhar-te uma borboleta”, disse o poeta. “Apanha-me também um poeta”, murmurou a criança. Um excerto de um poema de Gérard le Gouic abria o catálogo de uma exposição de Bernard Jeunet em Portugal (em 2006, na Ilustrarte, Barreiro). Obras de um artista que trabalha o papel de um modo maravilhoso (e minucioso).
“Esculpir papel” foi o título escolhido para um trabalho divulgado na Pública por essa altura e que pode ser visto aqui. (Não se garante que poderá ser lido porque a azelhice técnica de quem está deste lado ainda perdura…).
Letra pequena online recordou-se desta exposição porque amanhã é Dia Mundial da Poesia, mas também Dia Mundial da Floresta, Dia da Trissomia 21 e Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial… uf! (será que nos esquecemos de algum?)
Comemore o dia que lhe apetecer (que pode bem ser nenhum).

Um comentário a À caça de um poeta

  1. Pingback: “Apanha-me também um poeta” – Papéis esculpidos de Bernard Jeunet « Apanha-me também um poeta…

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>