Fernando Pessoa em mais um Livro para Escutar

Afinal o Caracol: um livro que é um espectáculo. Em sentido literal e no outro. A actriz Cristina Paiva, da Andante Associação Artística, leu-nos o poema Havia um menino e disse ao PÚBLICO que Fernando Pessoa pode ser dado a conhecer aos bebés e fazê-los rir. E assim aumentámos a nossa galeria de Livros para Escutar do Letra Pequena.

Ter 25 bebés à nossa frente a rir ao mesmo tempo é maravilhoso”, conta Cristina Paiva. E acrescenta divertida: “É uma espécie de droga. Dá para o dia todo.” A actuação, destinada a crianças dos seis meses aos três anos (e noutra adaptação dos três aos cinco), inclui mais dois poemas de Pessoa, dura 25 minutos e tem percorrido creches, bibliotecas e vários espaços culturais em todo o país.

Fernando Ladeira, sonoplasta da companhia, explica: “O livro que aqui lemos só foi editado no ano passado, mas o espectáculo já foi lançado há cinco anos.

Para as actuações, criou-se uma obra, exemplar único, com peças e elementos que se retiram e transformam (execução de Armando Chainho). No final, todas as crianças querem ver o seu rosto emoldurado numa das últimas páginas, que é destacável. A música que os bebés escutam durante o espectáculo tem a assinatura de Joaquim Coelho.

Capa_Afinal_O_Caracol_web

Brincar com as palavras

As ilustrações (de ambos os livros) são de Mafalda Milhões e a edição comercializável d’O Bichinho de Conto. Há ainda um CD com o poema musicado e cantado.

Assim se faz a divulgação da Andante: “A história de um caracol, das cócegas que ele fazia, de como ele virava e girava, e de como acabou por não cair. Brincamos com as palavras. São o nosso brinquedo favorito. Brincamos com a música das palavras, com a leveza das palavras, com o tamanho das palavras, com a pressa e a lentidão das palavras e também… com o silêncio.”

O poema começa assim: “Havia um menino/ que tinha um chapéu/ para pôr na cabeça/ por causa do sol.// Em vez de um gatinho/ tinha um caracol (…)”. O resto é para escutar (e ver) no vídeo (ou ao vivo).

Também pode ser visto aqui.

Fátima Afonso vence Prémio Nacional de Ilustração com um sonho voador

portada sueños.indd

O conjunto das ilustrações de Fátima Afonso para Sonho com Asas (texto de Teresa Marques, edição da Kalandraka) venceu a 21.ª edição do Prémio Nacional de Ilustração, atribuído pela Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB).

TaoTaoGrande_CPweb-1 lince

As menções especiais foram para Catarina Sobral, pelas ilustrações da obra Tão, tão Grande (com texto da própria e edição da Orfeu Negro), e para Tiago Albuquerque e Nádia Albuquerque no livro Sou o Lince-Ibérico (texto de Maria João Freitas e edição da Imprensa Nacional-Casa da Moeda).

Fizemos parte do júri, na companhia de Susana Lopes Silva, da Escola Superior de Educação do Porto, e Vera Oliveira, técnica superior da DGLAB.

Parabéns aos premiados e às editoras que neles apostam!

Para ler mais noticiário (da agência Lusa) sobre o assunto, siga-nos.

É proibido estar triste (durante muito tempo)

Sinal

Não se estranhe que este livro seja editado pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, mais conhecida como EMEL. A Rua dos Sinais Diferentes faz parte de um conjunto de quatro obras criadas com o objectivo de sensibilizar os mais novos “para a mudança de mentalidades e comportamentos nas ruas da cidade”.

Integram por isso o programa escolar de educação Pela Cidade Fora. Para que no futuro sejamos todos mais civilizados. Lembram como há muitos adultos que “ainda não sabem atravessar devidamente uma estrada, respeitar os semáforos, os peões e condutores, ou circular em segurança nos transportes públicos”.

Um projecto que abrange crianças do pré-escolar e chega até aos jovens do ensino secundário. Não se pense, no entanto, que só há lições rodoviárias e nada de imaginação ou poesia. Pelo contrário.

Neste livro, José Fanha conta com o seu talento a história do poeta Jeremias. Vive na Rua General Sarmento, mas a que preferiu chamar Rua de Todos os Espantos, com a aprovação dos moradores. “Ninguém sabia quem fora o tal General Sarmento.” Só passaram a saber “porque o Professor Edgar, que morava no n.º 5, foi à biblioteca pública estudar quem era esse general e descobriu que se tratava de um herói da República”.

Depois de ao leitor serem apresentados os habitantes (peculiares) da rua, ficamos a conhecer melhor o tal Jeremias (o mais peculiar de todos). Este, ao se dar conta de que na sua rua não existiam sinais de trânsito, “não passavam por ali carros nem autocarros nem motorizadas”, resolveu inventar “novos sinais de trânsito”.

Assim, nasceram, à medida de cada habitante, sinais como “É proibido estar triste” (para a Dona Choramincas Pingona) e vários de perigo, para que todos os animais da vizinhança tivessem direito a um sinal: “perigo de gato”, “perigo de periquito”, “perigo de porquinho-da-índia”, “perigo de cão” e “perigo de caracóis”.

Conclusão: “A Rua General Sarmento e de Todos os Espantos ficou muito mais divertida.” E bem ilustrada por Maria Remédio. Seguiram-se os “sinais de obrigação”, que se transformaram em “sinais de alimentação”: todos saberiam onde encontrar “croquetes”, “bolas de Berlim”, “pudim flan”, entre outras delícias.

No final, há uma festa, a celebrar a amizade entre os vizinhos. Um bom sinal.

CapaRuaSinais Diferentes

 

A Rua dos Sinais Diferentes
Texto | José Fanha
Ilustração | Maria Remédio
Direcção de arte | Pato Lógico
Edição | Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa
40 págs., 13,90€

 

 

(Texto divulgado na edição do Público de 27 de Maio, página Crianças.)

Pág.Sinais

Aqui fica a página completa (e linda!). Como habitualmente, com sugestões de actividades em família (via Guia do Lazer).

Em Setúbal, a ilustração é uma festa

Pavia2

Foto de Misé Pê

A terceira edição da Festa de Ilustração de Setúbal — É Preciso Fazer Um Desenho? decorre até dia de 2 Julho. António Jorge Gonçalves ocupa a Casa da Cultura e Manuel Ribeiro de Pavia, a Galeria do 11. Mas há mais espaços ilustrados na cidade.  (Artigo divulgado no Público.)

Desde o início do mês de Junho que há festa em Setúbal. Abriu, como habitualmente, numa sexta-feira à meia-noite, na Casa da Cultura. Desta vez com a inauguração dos trabalhos de António Jorge Gonçalves, organizados em três núcleos: Subway Life, Desenhos Efémeros e A Minha Casa Não Tem Dentro.

Retratos2

Foto de Misé Pê

O segundo núcleo da exposição é audiovisual (Desenhos Efémeros) e mostra diferentes participações do autor em espectáculos de teatro, música e dança, em que vai projectando no palco ou em edifícios o que desenha ao vivo digitalmente. António Jorge Gonçalves fez uma demonstração desse tipo de trabalho na noite da inauguração, com uma sessão com diferentes apontamentos musicais, no Pátio Dimas, a que chamou Eterópolis.

António

DR

Por último, A Minha Casa Não Tem Dentro. Exposição de trabalhos que resultaram de uma experiência de “quase morte”. Nas palavras do artista, “morri, voltei e durante aquele período só pensava em conseguir desenhar aquilo que me estava a acontecer e a passar pela cabeça”. Dois registos podem ser observados: um a preto e branco e outro colorido.

Houve ainda espaço para cobrir uma parede da Casa da Cultura (antes de abrir a exposição) com alguns desenhos acompanhados de frases irónicas, filosóficas e desafiadoras.

As mostras na Casa da Cultura podem ser vistas de terça a domingo, a partir das 10h.

 

Pavia: um alentejano neo-realista

 

Foto de Misé Pê

Foto de Misé Pê

Por ali perto, a Galeria Municipal do 11 (Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal) acolhe uma exposição-retrospectiva de Manuel Ribeiro de Pavia. “Uma lenda, uma figura muito particular e uma referência na ilustração neo-realista”, segundo o curador Jorge Silva.

Alentejano, Pavia nunca pintou uma tela, só pintava e desenhava em papel. “Nunca quis ser aquilo que se designava na época como um artista plástico convencional. Tinha o sonho de fazer murais”, contou o designer na inauguração da mostra, no dia 10 de Junho.

A exposição divide-se em várias áreas: o Alentejo, as mulheres, “o Pavia era nessa matéria um sonhador, não se lhe conhecem amores, era um solitário, mas desenhou mulheres ideais às centenas”, e os livros que ilustrou, “durante os anos em que viveu em Lisboa, dos anos 1930 até 1957, tornou-se uma espécie de talismã de intelectuais e escritores portugueses. Todos os grandes e pequenos escritores, prosadores e poetas neo-realistas da época tiveram as capas dos seus livros ou até o miolo dos seus livros ilustrados pelo Pavia”.

Continuar a ler

Contos com ética

capa-em-alta-resolução_672501
Um conjunto tranquilo de contos budistas adaptados de versões tradicionais, em que os animais são quase sempre protagonistas. Explica-se no final do livro o que são jatakas, informando-se os leitores de que se trata de ensinamentos de Buda partilhados “através de contos, metáforas e lições que foram passando de mestres a discípulos ao longo dos anos”.

Diz-se ainda que: “As jatakas fazem parte da colecção de obras que preservam os princípios do budismo mais primitivo. Não pretendem dar lições, apenas inspirar uma conduta consciente e ética.”

Centremo-nos no primeiro conto: O veado dourado. Ali se conta como um veado especial pela sua cor e beleza, mas sobretudo pelo olhar, era protegido do rei Manu e esposa. “Esses olhos contêm todo o Universo”, disse a rainha.

Passaram a chamar-lhe Príncipe Dourado do Bosque. Mas o rei gostava de carne de veado e a manada que vivia perto do palácio ia perdendo os seus animais. Alguns ficavam feridos e em sofrimento porque era o cozinheiro e os seus ajudantes que os tentavam caçar, mas eram muito desajeitados.

Os veados decidiram então oferecer-se voluntariamente para serem mortos e cozinhados, um em cada dia. Até que chegou a vez de uma fêmea grávida, que pediu ao veado dourado que adiassem a sua execução até ter o filho e este se tornar crescido.

O Príncipe Dourado do Bosque ofereceu-se em seu lugar, “deitou-se no chão, inclinando o pescoço comprido sobre a pedra de execução”. Mas o rei não autorizou que o matassem, nem a mais nenhum animal da sua espécie, isto depois de conhecer a história da fêmea com um filho por nascer e de se comover com a compaixão do veado dourado.

No final do livro, há uma proposta de “jogo” em que se sugere ao leitor que imagine ser rei e depois veado. E que conversem os dois. Um exercício que ajuda a pormo-nos no lugar do outro. Para se concluir que, assim, podemos compreendê-lo “e, quando o compreendemos, podemos amá-lo”.

A cada conto, todos com bonitas ilustrações, corresponde um sentimento ou uma reflexão: Cabeça-deAmeixa (interdependência); O urso azul dos Himalaias (generosidade); O mocho que comia figos (impermanência); A Avó Pirilampo (sabedoria, único conto criado expressamente para este livro); A macaca e o crocodilo (amor).

Jatakas — Seis Contos Budistas
TextoMarta Millà
Tradução | Inês Castel-Branco
IlustraçãoRebeca Luciani
EdiçãoPequena Fragmenta
40 págs., 13,90€

(Texto divulgado na edição do Público de 20 de Maio, página Crianças.)

Crianças - 190517-page-001

A página completa ficou assim. (Obrigada, Sandra Silva.)

Mi anda à procura do que não sabe se perdeu

O pequeno Mi deu-se conta de que perdera algo e foi procurar — sem saber muito bem o quê. Sandro William Junqueira conta-nos A Grande Viagem do Pequeno Mi e junta a sua voz à nossa galeria de Livros para Escutar.

Quem não teve já a sensação de ter perdido algo? Sem saber exactamente o quê, de repente apercebe-se de que lhe falta qualquer coisa essencial. E o mais acertado é partir à sua procura. Enfrentando desconforto, obstáculos, tempestades, mistérios, desconhecidos, medos e tudo o mais.

Foi exactamente isso que fez o pequeno Mi nesta sua grande viagem à procura do que suspeitava ter perdido. “Mi deu-se conta de que perdera algo. Não estava no quarto. Nem no bolso das calças. Espreitou dentro da torradeira e abriu uma janela e três portas. O que procurava não estava.”

Depois deste arranque, o leitor fica não só curioso por saber o que foi que a criança perdeu, como se enche de vontade de a ajudar a encontrar o que, mesmo sem o saber, decerto lhe faz falta. Agora, depois e sempre.

 

Continuar a ler

Tudo o que nos passa pela cabeça

ca-dentro-capa-low_1

Comecemos pela contracapa, que nos diz: “Na Antiguidade julgava-se que o órgão responsável pelos nossos pensamentos e emoções era o coração. Hoje já sabemos que tudo o que somos – pensamentos, emoções, decisões, ideias – acontece dentro do cérebro, em conversa contínua com o resto do corpo.

“Mas como nasce um pensamento? Como funciona o cérebro? Como é que o cérebro guarda o que aprende? Como se emociona, cria, inventa e faz de cada um de nós uma pessoa única e irrepetível?” Um resumo sedutor para que se entre no livro (e em nós).

Logo no arranque, há uma frase feliz no sentido da consciência: “Cá dentro tens um cérebro. Mas só sabes que tens porque tens um cérebro cá dentro.” Seguem-se explicações sobre o funcionamento do cérebro numa linguagem simplificada, mas sem descurar o rigor científico do que é explicado. À medida que se avança nas páginas, a complexidade dos temas aumenta.

As autoras fizeram-se acompanhar dos saberes (neurociências, psicologia, filosofia) de vários investigadores, a que chamaram “revisores”, e que no final são entrevistados.

Cá Dentro nasceu como contraponto ao Lá Fora (2014), um guia de descoberta da natureza. No início do livro, conta-se como surgiu a ideia e como poderia ter sido, entre outros temas, “sobre os segredos do centro da Terra”.

As ilustrações de Madalena Matoso, vermelhas e azuis, são ora mais concretas e descritivas, ora mais metafóricas e criativas, sem nunca deixarem de manter a ligação com o que é dito e num registo que cativa o leitor e o mantém agarrado ao livro. Foi assim que funcionou cá dentro…

Cá Dentro — Guia para Descobrir o Cérebro
Texto: Isabel Minhós Martins e Maria Manuel Pedrosa
Ilustração: Madalena Matoso
Edição: Planeta Tangerina
368 págs., 24,60€

(Texto divulgado na edição do Público de 13 de Maio, na página Crianças.) 

Para folhear o livro, leve os dedos (e o pensamento…) até ao Planeta Tangerina.

Crianças - 130517-page-001

A página completa foi esta, com as habituais sugestões do Guia do Lazer.

Um livro-roteiro sobre Lisboa

CapaLivroPág-Crianças

Eu Li Ali! foi imaginado e criado por uma jovem de 20 anos e é sobretudo por isso que o trazemos aqui — para motivar outros jovens a escrever e a desenhar. É um livro-roteiro.

À entrada, convida-se o leitor a entrar numa viagem por Lisboa e pelas palavras de autores portugueses: “Psiu! Pega neste livro com muito cuidado, pois o que tens na mão é algo que te pode despertar para um imenso mundo de fantasias, sonhos e de criatividade.

3col.fn1

Seguem-se poemas de Luís de Camões, José Gomes Ferreira, Miguel Torga, Fernando Namora, David Mourão Ferreira, Eugénio de Andrade, Reinaldo Ferreira, Afonso Lopes Vieira, Fernando Pessoa, Alberto de Oliveira, Augusto Gil, Antero de Quental e Eugénio de Andrade. Todos ilustrados e onde aparecem pequenos fantasminhas.

Chamam-se Anima (alma em latim)”, começa por explicar a ilustradora, e prossegue, “existem para te ajudar a perceber que às vezes não é necessário dizer o que sentimos ou pensamos, pois tudo aquilo que não se vê converte-se em emoções e em códigos que só quem está atento é que os entende”.

No final, algumas páginas são dedicadas a desafios e actividades à volta da cidade de Lisboa. Identificar lugares, pintar a rua do roteiro do autor preferido, uma sopa de letras, convites para desenhar no Cais das Colunas e fotografar no Parque das Nações, entre outras propostas.

Há ainda um mapa solto com a indicação das ruas, avenidas e largos com os nomes dos autores, correspondendo a cada um uma cor.

3col.fn4

Uma ideia engraçada e bastante completa de uma jovem que está a estudar ilustração na Universidade de Norwich no Reino Unido, mas que não esquece Lisboa.

(Imperdoável o erro na Introdução, em que se escreve “à” em vez de “há”. Responsabilidade que deve ser partilhada por autora e editora.)

Eu Li Ali!
Texto: vários
Concepção, ilustração e paginação: Alexandra Marguerita
Edição Chiado Editora
72 págs., 15€

(Texto divulgado na página Crianças da edição do Público de 6 de Maio.) 

Crianças - 060517 (1)-page-001

Página completa, com as habituais sugestões de actividades culturais em família. Mais informação no Guia do Lazer.

Mais um Livro para Escutar (aqui há gato…)

Rui Lopes e Renata Bueno foram ao estúdio do PÚBLICO ler para nós o livro Aqui Há Gato!. O registo foi feito por Frederico Batista. (E ficou muito giro.) Obrigada a todos.

Para conhecer outros trabalhos da ilustradora brasileira que escolheu viver em Portugal, este é o caminho.

Um rei chato e uma revolução

Fn44A 50mm ONLINE

Havia um rei muito chato. Fazia sempre tudo da mesma maneira. “Convém avisar que um rei pode ser lei. (É só trocar o R pelo L.)”, escreve-se logo no início.

Segue-se a descrição de algumas rotinas de el-rei Dom Chato. “Calçava sempre a bota direita antes de calçar a esquerda. Penteava-se sempre à mesma hora, sempre com o risco para o mesmo lado. Escutava sempre a mesma sonata triste no piano. E nunca, nunca fazia as coisas de modo diferente.”

Aqui Há Gato! nasceu de uma forma pouco convencional. Primeiro foram criadas as ilustrações e só depois o texto. “Quis transformar uma coisa monótona, os códigos de barras, em imagens criativas”, contou ao PÚBLICO a ilustradora brasileira Renata Bueno.

fn44B 155mm ONLINE

Criou então uma série de ilustrações (sempre com códigos de barras), juntou-lhe pequenos poemas e mostrou tudo  à editora Orfeu Negro na Feira do Livro Infantil de Bolonha.

A editora gostou das imagens e sugeriu que se criasse uma narrativa à volta delas. Chamou Rui Lopes, tradutor de muitos títulos da Orfeu Mini, que assim se estreou como autor. E bem.

Pensei na monotonia e criei uma personagem chata”, recorda Rui Lopes. No entanto, o rei há-de ser convencido a aceitar a mudança.

Fn44C 70mm REC ONLINE

“Um dia, a Dona Cristina, farta de tanta rotina, disse: ‘Basta.’ E tal bastou para que as pessoas, os animais e as outras coisas que tais, cansados de tanta, tanta repetição, fizessem uma revolução.” E ainda bem.

“O rato fez-se valentão e rugiu para o leão”, “o foguetão parou no meio do voo e ali se deixou ficar, desafiando a gravidade, só para experimentar”, mas houve muitas outras mudanças que espantaram o rei.

Aqui há gato!”, era o que ele dizia sempre que alguma coisa não acontecia à sua maneira. Até que o gato Silvestre lhe explicou em língua de gente: “Onde há gato há curiosidade, majestade, e é assim que tudo pode ser diferente.”

Um livro bem-humorado e de fácil leitura textual e visual. Na imagem das páginas centrais  do álbum, os códigos de barras remetem para outros livros. Quem conseguir um leitor destas “risquinhas” poderá identificá-los. Os autores vão estar hoje em Évora, às 15h, na Livros à Rua (ver agenda ao lado).

fn44D 155mm ONLINE

Quanto ao Dom Chato, aprendeu alguma coisa com a revolução. Tirou a coroa e anda apanhar banhos de sol com a rainha.

Aqui Há Gato!
Texto Rui Lopes
Ilustração Renata Bueno
Edição Orfeu Negro
48 págs., 9,90€

(Texto divulgado na página Crianças da edição do Público de 29 de Abril.)

Crianças - 290417-page-001

Aqui fica a página completa com sugestões de actividades culturais em família. Mais informação no Guia do Lazer.

“Quebrar a cabeça” no Dia Mundial do Livro

portada rompecabezas.indd

(Hoje, 23 de Abril, é Dia Mundial do Livro.)

Como o nome anuncia, este livro é um quebra-cabeças. Também será o que nós quisermos, basta aceitarmos o desafio do autor e desatarmos a pintar pequenas caixas de cartão ou de papel (caixas de fósforos, de pastas dentífricas, de lâmpadas, de medicamentos, de tisanas, etc, etc).

Depois de as juntarmos por tamanhos semelhantes e de lhes darmos cor, há que agrupá-las de forma a criar uma figura. “Assim que estiverem agrupadas, faz um desenho em cima delas com um pincel”, orienta o autor. “Roda as caixas e faz outros desenhos nos outros lados que ainda estiverem por preencher. E agora já podes brincar com o teu quebra-cabeças”, explica-nos Diego Bianki mais para o final do livro, depois de já nos ter conquistado com a sua arte.

O lema vem definido logo no início: recuperar, reciclar, reutilizar. Seguem-se as primeiras frases, também elas escritas em caixas pintadas. “Tu olhas para mim”, lê-se no rodapé de uma página encimada por várias caixas que compõem um homenzinho de chapéu e gravata. “Eu olho para ti”, vê-se na página seguinte, onde 16 caixas reproduzem a imagem de uma mosca de olhos muito grandes, que multiplicam a figura do homenzinho da página anterior.

MioloQuebra    Milolo2Quebra

Este boneco de chapéu e gravata há-de aparecer em várias páginas mais adiante, levando-nos a ver as diferenças entre vários seres e a reflectir sobre as múltiplas identidades que o mundo nos oferece.

Na contracapa, descreve-se esta verdade: “De facto, embora sejamos tantos e pareçamos tão distintos, há algo em que somos iguais: ‘Somos todos diferentes’.” E mais esta: “Ainda que não haja um número onde caibamos todos, há porém uma palavra onde nos podemos encontrar: ‘Nós’.”

Quebra-Cabeças teve direito a uma Menção Especial na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha em 2016 na categoria de Disability. Mas o autor, argentino, já recebeu vários prémios pelos seus trabalhos, sempre muito originais e quase sempre interactivos, como o Prémio Novos Horizontes da Feira Internacional do Livro de Bolonha (2013), o Prémio Konex de Ilustração 2012.

Este professor de Desenho e também designer, na Universidade Nacional de La Plata, foi ainda seleccionado para a lista da White Ravens. Profissionalmente, é, além de ilustrador e autor de livros para crianças e jovens, director de arte da chancela Pequeño Editor.  Com tantas actividades, não admira que goste de “quebra-cabeças”.

Quebra-Cabeças
Texto e ilustração: Diego Bianki
Tradução: Ana M. Noronha
Edição: Kalandraka
56 págs., 15€

(Texto divulgado na página Crianças do Público de 22 de Abril.)

Crianças - 220417

A página completa ficou assim bonita… Com várias sugestões de actividades culturais em família. Mais informação no Guia do Lazer

Para conhecer melhor o autor e ilustrador de Quebra-Cabeças, siga por este caminho.