Ninhos de cegonhas aumentam 50% em dez anos

dro cegonhas 17 250214

O número de ninhos de cegonhas brancas em Portugal aumentou cerca de 50% na última década, segundo os resultados preliminares do censo nacional da espécie realizado este ano. E, ironicamente, os principais responsáveis por este sucesso são dois problemas ambientais: o lixo e a praga dos lagostins vermelhos.

Cerca de uma centena de técnicos profissionais e voluntários percorreram o país entre Março e Junho e contaram 11.694 ninhos de cegonha ocupados de norte a sul do país. São cerca de 4000 a mais do que em 2004, quando foi realizado o censo anterior. Já entre 1994 e 2004, tinha havido um aumento semelhante no número de ninhos.

Leia a notícia completa no PÚBLICO.

Nasceram duas crias de grifo nas Portas de Ródão

Nasceram já duas crias de grifo, uma em cada um dos ninhos que estão ao alcance da câmara localizada nas Portas de Ródão.

A primeira cria nasceu a 18 de Março, no chamado “ninho da grifinha” que se localiza numa plataforma bastante abaixo do local onde se localiza a câmara. A segunda cria nasceu uma semana depois, no ninho que se localiza mesmo por baixo da câmara.

Na outra plataforma mais afastada, onde habitualmente havia também um ninho observável a partir da câmara, os grifos terão optado por fazer o ninho numa zona mais recolhida. Não temos ainda confirmação de que existe realmente um ninho nesse local e, havendo, só será possível observar a cria de grifo quando esta se começar a movimentar ao longo da plataforma.

Alimentador em Vila Velha de Ródão

Um protocolo entre a Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, a Quercus e a Celtejo permitiu a criação de um Campo de Alimentação para Aves Necrófagas, na Serra da Achada — Portas de Ródão.

Este alimentador será inaugurado amanhã, dia 28 de Março, e será um importante contributo para apoiar a colónia de grifos das Portas de Ródão e outras espécies necrófagas que ali nidificam.

A notícia foi dada pela Rádio Condestável e pode ser consultada aqui.

Portugal tem 3000 ninhos de cegonhas nas linhas eléctricas

Se está em casa e vê a luz vacilar de repente, num pestanejar instantâneo, é possível que a causa seja uma cegonha. Nos postes e torres das linhas eléctricas em Portugal há quase 3000 ninhos de cegonhas-brancas, uma espécie que já esteve em risco de desparecer do país mas que agora é cada vez mais abundante. E os números estão a crescer.Leia mais nesta reportagem do PÚBLICO e veja também o vídeo.

Borboletas e cegonhas regressam ao PÚBLICO

cegonha_blogO dia-a-dia de dois ninhos de cegonhas no Ribatejo e das borboletas do Museu Nacional de História Nacional e da Ciência regressou ao PÚBLICO.

Duas novas páginas dedicadas às webcams estão disponíveis no site do PÚBLICO. Uma delas alterna imagens de dois ninhos de cegonhas no Porto Alto, que já vinham sendo acompanhados há alguns anos, numa parceria com a REN (Redes Energéticas Nacionais) e a FCCN, a unidade da Fundação para a Ciência e Tecnologia para a gestão da rede de comunicações dedicada à investigação, ciência e ensino.

A outra página traz imagens em directo do Borboletário do Museu Nacional de História Nacional e da Ciência, mostrando as borboletas ao longo dos vários estados do seu ciclo de vida. A parceria aqui é com o próprio museu e também com a FCCN.

As duas novas páginas somam-se a uma terceira, relançada no ano passado e que mostra grifos em directo, em ninhos nas escarpas do Tejo em Vila Velha de Ródão.

Ninhos de cegonhas transferidos de pórtico na A25

trabalho de relocalização (2)

Vinte ninhos de cegonhas foram retirados de pórticos na auto-estrada A25 e transferidos para uma estrutura construída próximo do local.

A operação foi realizada na segunda semana de Janeiro pela concessionária Ascendi, que gere a auto-estrada, sob a supervisão do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas.

A localização dos ninhos colocava riscos tanto para os automobilistas como para as próprias aves.

Leia aqui a notícia do PÚBLICO.

Festival de observação de aves em Sagres este fim-de-semana

Centenas de pessoas são esperadas este fim-de-semana em Sagres, para observar as milhares de aves migradoras que passam nesta altura do ano pela região. É o IV Festival de Observação de Aves de Sagres, promovido pela Câmara Municipal de Vila do Bispo, pelas associações Vicentina e Almargem, e pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

No ano passado houve 800 participantes e agora espera-se um número semelhante.

Sagres é um o ponto de passagem mais importante em Portugal para aves migradoras, que saem do Norte da Europa no final do Verão para passar o Inverno em África. O processo ocorre entre Agosto e Novembro, e o festival normalmente tem lugar a meio da época migratória.

O prato forte para muitos observadores são as grandes aves planadoras, como grifos e diversos tipos de águias. Algumas são raras, como a águia-real (Aquila chrysaetos), a águia-imperial (Aquila adalbertiiI), o abutre-negro (Aegypius monachus) e o falcão-da-rainha (Falco eleonorae). Mas o universo de aves a observar vai muito além das rapinas. Contagens feitas nos últimos anos apontam para a existência de pelo menos 198 espécies diferentes na região.

Este ano, o programa do festival de Sagres inclui uma forte componente ligada ao desenvolvimento regional, com muitas actividades não ligadas às aves – como a observação de golfinhos, passeios a cavalo ou exposições.

O festival começa esta sexta-feira e vai até domingo.

Queda de uma cria de grifo (actualizado)

Terça feira ao fim do dia, a cria de grifo mais pequena, a mesma que foi anilhada no dia 21 de Junho desequilibrou-se e caiu do ninho. Segundo o biólogo Carlos Pacheco, atendendo à altura do ninho e ao facto de a cria estar ainda longe de ter condições para voar, o mais provável é não ter resistido à queda. No entanto, poderá ter caído sobre algum arbusto que lhe tenha amparado a queda. A pedido do biólogo, foram ontem feitas buscas pela empresa que organiza passeios no Tejo nesta zona.

As últimas notícias recebidas do biólogo Carlos Pacheco indicam que ontem foram recolhidos 6 juvenis junto da / na água, um deles já morto. Nenhum deles é o grifinho anilhado. As buscas vão continuar esta manhã.

Se o grifinho anilhado for encontrado e não estiver ferido irão tentar repô-lo no ninho.

Aguardamos mais notícias ao longo do dia.

Queda de uma cria de grifo

Ontem ao fim do dia, a cria de grifo mais pequena, a mesma que foi anilhada no dia 21 de Junho desequilibrou-se e caiu do ninho. Segundo o biólogo Carlos Pacheco, atendendo à altura do ninho e ao facto de a cria estar ainda longe de ter condições para voar, o mais provável é não ter resistido à queda. No entanto, poderá ter caído sobre algum arbusto que lhe tenha amparado a queda. A pedido do biólogo foram feitas buscas pela empresa que organiza passeios no Tejo nesta zona e encontraram 3 crias/juvenis de grifo nas margens. Depois de serem recolhidas, será verificado em que condições estão. Se uma delas for o grifinho anilhado e este não estiver ferido irão tentar repô-lo no ninho. Aguardamos mais notícias para breve.

Últimas notícias do biólogo Carlos Pacheco: foram recolhidos 3 juvenis junto da / na água, um deles já morto, e vão agora tentar recolher outros 2. O grifinho anilhado não estava no primeiro lote. Esperamos mais novidades em breve.