O festival voltou

Lia-se nos ecrãs de palco: The National. Ouvia-se Bob Dylan, prova inequívoca de bom gosto, e ei-los que entram, perante os gritos inflamados de histeria do público que não configura enchente mas está claramente entusiasmado por ver Berninger e companhia. “Start a war” é a primeira. Vai chegando mais gente e, agora sim, o último […]

Sorumbático

Os Interpol entram em palco, tocam novidades e o pouco público de fim de festa mantém-se imperturbável. Tocam um par de clássicos e vê-se um vestígio de emoção, mas nada de assinalável. Parecem banda veterana, cansada, e o público não está claramente interessado na angústia existencialista destes cinco rapazes de Nova Iorque. Digamos que, enquanto […]

Givers

Continuando uma tradição do Sudoeste 2011, uma óptima surpresa tocou no palco secundário para dezenas de pessoas. Chamam-se Givers, vêm do Louisiana, e têm a energia e as guitarras “africanas” dos Vampire Weekend, um baterista extraordinário e canções que puseram a meia dúzia de sortudos que escolheram estar ali de sorriso luminoso na cara.

Ainda assim

O baile continua e misturam-se roqueiros de barba generosa com boa gente de danças populares. Os National, nome forte da última noite de Sudoeste, só chegam depois da meia-noite. Enquanto o dia brilhava e ainda não havia bandas nos palcos, um mini rancho folclórico animava o povo.

E durante o adeus

O Sudoeste termina hoje. Nota-se. Estiveran 25 mil pessoas no parque de campismo. Agora, a julgar pelas pessoas de mochila, tendas e colchões às costas ao final da tarde, o número será consideravelmente menor.

As tesouras

Os Scissor Sisters chegaram a fizeram a festa. Os hits todos, a versão de “Comfortably numb”, o disco-sound, o glam e o electro pop. E tesouras de cartão, distribuídas por um dos patrocinadores, ao alto. Foram a festa possível. Porque o Sudoeste não parece muito para festas em frente aos palcos. As pessoas deambulam pelo […]

Prioridades (conclusão)

O pessoal da fila tem uma montanha-russa à espera e isso é a prioridade neste momento. Porque a música é no Sudoeste um atractivo entre outros e há muita coisa para fazer. Como estar na fila. Para andar na montanha-russa.