Havia uma fotografia a governar Tamil Nadu, mas já acordou

Aterrar e entrar no carro para ir ao hotel pousar as malas, antes de seguir viagem para outra terra a uma distância considerável. O Ikea convidou jornalistas a vir à Índia e foi mesmo para nos fazer trabalhar. Por estes dias, acho que só acabo de perceber onde estou quando tenho uns minutos para estar sentada no quarto (novo todas as noites) a descansar. Desta vez, foi mais rápido. Eu não tinha decorado o nome. Mas às tantas, entre mupis de publicidade a tudo e mais alguma coisa, pareceu-me reconhecer aquele rosto. Tenho o colega belga ao lado e como falar pelos cotovelos me mantém acordada, aí vou eu.

Acho que é deste estado que ela é a ministra. Não me lembro do nome. Mas está no hospital, li uma notícia. E já esteve presa por corrupção, há uns dois anos. Antes era uma grande estrela de Bollywood, foi actriz e cantora durante uns 30 anos, só depois entrou na política. Enfim, está no hospital, acho que em coma, e o seu adjunto leva uma fotografia dela para todo o lado, é como se a fotografia presidisse às reuniões, ao próprio estado. Claro que a oposição está zangada. Acho que é aqui, sim, é Tamil Nadu, parece-me que era ela ali atrás, reconheci a imagem. Enfim, quando embalo, embalo. O belga só quis saber da corrupção e eu era mesmo disso que me lembrava menos bem.

Os motoristas que temos tido não costumam falar inglês, ora este fala e depressa me interrompe. “É a ministra chefe, Jayalalitha, Amma [como é tratada no partido]. Está no hospital desde Setembro. Daqui a cinco dias vai para a América, para ser tratada”, diz Suraj, assim, mais depressa ainda do que eu estava a falar para o P. “Isso, é a ministra chefe do estado.” Suraj continua, diz que “ela é muito respeitada” e que “fez centenas de filmes”. Não diz se gosta pessoalmente dela, se concorda com a oposição, apenas repete muitas vezes que “ela é dura, mesmo dura, o que ela decide faz-se e ninguém lhe diz que ‘não’, muito dura”.

08jayalalithaa5

Eu não me lembro bem da corrupção, mas de resto, sei imenso. Coisas maravilhosas como o facto de Jayalalitha estar no Livro dos Recordes do Guinness por ter dado “o maior banquete/recepção de casamento” do mundo. Foi em 1995, no seu primeiro mandato como ministra chefe, e a boda era do seu filho adoptivo Sudhagaran, com 150 mil convidados – “Ao longo de quilómetros, entre a residência oficial e o local do casamento, as ruas foram decoradas com estátuas gregas e leões banhados a ouro. Ergueram-se santuários, com imagens de Jayalalitha tornada ícone no lugar dos deuses hindus”, descreveu então o New York Times. A ministra disse que foi tudo custeado “pelo povo”. Também protagonizou episódios terríveis, como em 1992, quando decidiu banhar-se em público durante um festival e a multidão para a ver foi tanta que quase 50 pessoas morreram espezinhadas.

Então, a mulher que na verdade se chama Jayaram Jayalalithaa, conhecida por Amma, J Jaylalithaa ou simplesmente Jayalalitha, está hospitalizada desde 22 de Setembro. Por aqui, já se rezou muito por ela, às vezes em concentrações coloridas que juntaram pequenas multidões, algumas à porta do Apollo Hospital, em Chennai, a capital de Tamil Nadu, um estabelecimento “superespecializado”, o primeiro na Índia a “introduzir as últimas técnicas em angioplastia coronária”, entre muitas outras “estreias”. Jayalalitha, chamemos-lhe assim, tem 68 anos e foi hospitalizada com febre e desidratação, piorou e ficou em estado grave sem que alguém quisesse explicar exactamente com o quê ou com que gravidade, dando origem a todo o tipo de especulações.

O partido dela, AIADMK, parte da coligação do governo do estado, anunciou há semanas que a ministra transferira parte das suas pastas para o vice, OP Panneerselvam, sublinhando que a ministra ainda era ela. Panneerselvam já substituiu a chefe várias vezes antes, nomeadamente nas duas alturas em que ela esteve na prisão por acusações de corrupção. Isto sem nunca se sentar na sua cadeira, ainda e sempre, “ocupada”. Desta vez, inovou. E para sublinhar que quem manda aqui não é ele, começou a levar uma fotografia de Jayalalitha para as reuniões de governo ou encontros com os diferentes ministros. Jayalalitha em todo o seu esplendor, moldura e tudo.

“A nossa cultura é esta. Para as pessoas do AIADMK, o que quer que façamos e sempre que o fizermos será na presença da fotografia da honorável ministra. Assim sentimos que ela está connosco. Sentimos que estamos a tomar decisões na sua presença. Não há nada de mal em ter a fotografia dela nas reuniões. Ela é a ministra do estado”, disse à BBC o porta-voz do partido, Saraswathi. Claro que nem todos concordam. Houve comediantes a gozar com a situação, antecipando que iam começar a ser divulgadas “fotografias dos seus filmes mais famosos”, tudo para evitar a exigida prova de vida. O principal partido da oposição em Tamil Nadu, o DMK, denunciou um gesto que mostra que para o governo “uma pessoa é mais importante do que o povo do estado”.

Jayalalitha não chegou a ir para a América. Os “esforços dos médicos” especialistas (cardiologistas, pneumologistas, consultores em doenças infecciosas, endocrinologistas…) do Apollo “e as preces dos apoiantes” chegaram. Esta sexta-feira, soube-se que está acordada e que em breve será transferida dos cuidados intensivos para um quarto particular. É Prathap Reddy, fundador do Apollo, que explica como se deu a recuperação. “A infecção pulmonar está sob controlo. Passou a fase crítica”, garante-se. “Estamos tão felizes. Toda a gente rezou por Amma porque a amamos tanto”, reagiu o líder do partido, CR Saraswathi.

A recuperação foi um dos breaking news do dia nas televisões indianas – há tantos canais e todos tratam quase tudo como notícias de última hora; vá, neste caso percebe-se. Eu ainda expliquei ao P. tudo o que sabia sobre a entrada de Jayalalitha na política, a reboque de outra estrela de Bollywood de quem se reclamou herdeira depois da sua morte. Também falei sobre alguns filmes. Pena que ele já não vá fazer uso de nada disto.

Para sublinhar que Jayalalitha está mesmo melhor, o médico Reddy ainda contou aos jornalistas que a ministra “tem tudo sob controlo”, escreve o Times of India. “Ela controla os médicos e as enfermeiras. Sabe quando vêm, quando vão embora… Vocês conhecem bem a sua natureza.” Eu ainda há dias não sabia quem ela era, confesso, mas o Suraj foi claro na sua mensagem.

O sorriso da Sunita

DSCN4392

Mais de duas horas na estrada, primeiro a loucura do trânsito. Já se sabe, camiões, autocarros, carrinhas, carros, autos (riquexós com motor), riquexós a pedal, carroças, motas, bicicletas e tantas, tantas vacas. Já tinha estado numa pequena cidade (capital do seu pequeno reino, ainda assim) onde mandavam as cabras, andavam por onde queriam, serviam-se do chão, das paredes e de partes dos carros. Nunca tinha estado numa cidade grande onde a entidade dominante fosse um animal. As vacas estão por todo o lado, estacionam, movem-se vagarosas, fazem o que bem querem e aos outros resta desviar-se.

De Varanasi para a aldeia a estrada é má, primeiro tem trânsito infernal, depois menos, a seguir já quase não há mais carros a circular, o que há em permanência são as irregularidades do chão e então tudo trepida. Brinco e digo que isto tem de valer como massagem, todos se riem, mas eu sei que me vão doer as costas depois disto. Com ou sem cinto, à frente ou atrás, experimento mas vai dar ao mesmo. Enfim, vai correr tudo bem. Eu não vim para aqui para estar parada.

DSCN4313

Vamos visitar uma das fábricas que nasceu como cooperativa apoiada pelo projecto de Dipti, a indiana que se mudou para Varanasi quando casou e que fez de guia na chegada deste grupo Ikea. “Vamos ser recebidos por um dos amigos do Ikea”, dissera Annika, que é sueca e trabalha na empresa que me convidou para visitar campos de algodão e unidades de produção têxtil que são seus fornecedores. Era Dipti, a amiga. Na fábrica onde chegamos fazem-se as roupas que toda a gente menos eu e o jornalista belga compraram na véspera, numa loja em Varanasi, a dez minutos a pé do Ganges, e também lençóis, cortinas, colchas que se vendem em todo o mundo nas lojas Ikea. Aqui só trabalham mulheres – ou quase, descobriremos em breve.

Elas estão à nossa espera em fila e recebem-nos com o ritual muito habitual, uma pinta vermelha na testa, um colar de calêndulas, muitos sorrisos de boas-vindas. Demora até estarmos todos sentados em cima de tecidos de diferentes padrões abertos no chão (as máquinas de costura foram encostadas às paredes na sala principal da fábrica, para arranjar espaço ao centro). Todos nos apresentamos, nós e elas, e há muitos, muitos risinhos. Ou com aquilo que nós dizemos ou com o que uma delas diz. Por exemplo, a Acha, que é a faz-tudo cá do sítio, descreve-se como “a patroa” e garante, depois de se apresentar, que um dia em que não apareça “o trabalho não se faz”.

DSCN4320

Algumas parecem tão novas, dir-se-ia não terem mais de 13, 14 anos, vá. Mas não, garantem, uma tem 17, as outras são todas mais velhas. A maioria é casada e mãe, uma ou outra ainda não tem noivo. Mas tal como as casadas tiveram quase todas de enfrentar maridos, família e vizinhos para conseguirem estar aqui, a trabalhar, as solteiras não imaginam deixar de vir para a fábrica quando casarem. Começar a trabalhar mudou tudo. Só uma é que já trabalhava fora de casa antes. Para todas as outras, o primeiro emprego com ordenado foi este. Vêm de manhã de riquexó, uma ou outra de bicicleta ou à boleia com os maridos, de mota. Vêm de aldeias aqui mais ou menos perto. Deixam os filhos com os sogros, na maioria. Algumas com uma vizinha. Os mais crescidos vão para a escola e regressam a casa, onde esperam pelos pais. Enfim, nós sabemos como é, mas temos infantários. Por aqui, também há aulas extra-horário, explicações quase sempre, e, por isso, há miúdos que passam quase tanto tempo fora de casa como os pais que trabalham.

Quase todas decidiram começar a trabalhar por ser aqui, neste ambiente, com outras mulheres, que ouviram falar em sessões de esclarecimento ou de formação, algumas foram a sessões de treino noutras cidades, antes de ganharem coragem para se empregar a tempo inteiro. Há uma que fugiu literalmente da família para estar três dias fora, a aprender a costurar, depois acabou por bater o pé e agora está aqui. A outra o marido deixou de falar e até saiu de casa e da terra, durante uns bons meses; depois voltou e agora até faz tapetes e ela ajuda. Quase todas decidiram começar a trabalhar porque queriam poder pagar uma escola melhor aos filhos, vesti-los melhor, alimentá-los com tudo o que possam querer, dar-lhes brinquedos, permitir que continuem a estudar até à universidade, que ambicionem outra vida, lá longe, às vezes, na cidade. Ser pai e mãe é o mesmo, em todo o lado. Não têm grandes sonhos para si próprias. E aos filhos só desejam “uma vida boa”.

DSCN4419

Há um homem entre nós. Quer dizer, na verdade há dois, mas um fomos nós que trouxemos, trabalha para o Ikea. Uma das suecas chama-nos e vamos perceber o que está o outro homem aqui a fazer. Trabalha cá, com a mulher; também é motorista de camiões, mas está cá todos os dias, de segunda a sábado. Baixinho, como a mulher, franzino, franzino como a mulher não é, explica que já que a mulher se empregou aqui também veio, queria “garantir que o negócio corria bem, que a fábrica não fechava passado uns meses” e que prosperava. Diz que não se incomoda nada de trabalhar entre mulheres, mesmo sendo o único. “A principal diferença é a linguagem. Na estrada oiço muitas palavras feias, aqui fala-se de outra maneira. É muito melhor. Respeitam-me, o ambiente é bom”, diz. E nós a imaginar como será o seu quotidiano, entre miúdas e mulheres danadas para a conversa.

DSCN4328

Neelam e Premmath têm dois filhos e o dinheiro da fábrica é para a sua educação. Quem ainda não tem filhos, gasta o dinheiro com as suas coisas, compra roupa aos irmãos mais novos, dá uma parte aos pais, uma ou outra poupa qualquer coisa. “Poupar? Poupar para quê?”. A Meena ofereceu uma mota ao marido e isso mudou tudo. O marido dela é o que faz tapetes. Perguntamos-lhe se recorda o que fez com o primeiro salário. “Paguei a inscrição da escola para a minha filha”, conta – tem três filhas. Sunita, que está com ela e connosco na salinha que é de descanso e hoje faz de espaço para umas conversas mais tranquilas, sorri o tempo todo e tudo nela brilha a cada sorriso. Tem o marido com mais habilitações de todas, é delegado de propaganda médica, mas foi um dos que mais se opôs à sua decisão de trabalhar. Quem lhe valeu foram os sogros, que apoiaram a sua decisão (têm uma filha que trabalha também).

Sunita tem qualquer coisa de diferente, parece ter, pelo menos. É especialmente bonita, sim, mas há outras bem bonitas e arranjadas, como ela. Hoje é domingo, dia de descanso, e quem veio fê-lo para nos receber e falar connosco, não é roupa de trabalho, esta. Agora que já ganhou dinheiro suficiente para o que precisava, roupas, coisas de mulher, garantir que contribuiu para a educação dos filhos, Sunita tem outros planos. “Tinha parado de estudar para casar, no 11.º ano, e recomecei. Acabei o liceu”, explica. “Depois, vou para a universidade.” Sunita também se lembra do que fez com o primeiro salário. “Comprei uns brincos”, diz, a rir, não de vergonha, talvez por ter uma resposta tão diferente da que deu a sua colega.

DSCN4400

“Aqui, vive-se completamente. Em casa há regras. Aqui, falamos alto, rimos. Só temos uma vida. Já comprometi muito, agora não comprometo mais. E sei que consigo fazer. Se eu não estiver pronta, amanhã os meus filhos também não vão estar.” E agora, Sunita? “Quero entrar em Artes e Humanidades.” Com algum objectivo – não é que seja obrigatório – em mente? “Não sei para quê, quero fazer esse curso.” Muito bem. “Desde que estou aqui a trabalhar acredito que tudo é possível.”

Sunita tem um sorriso de possibilidades infinitas, deve ser daí que lhe vem este brilho todo. Daqui a umas horas, a jornalista australiana que a entrevistou comigo vai dizer que “estas mulheres são muito despojadas, tudo o que ganham é a pensar nos filhos”. E eu só vou conseguir pensar nos brincos da Sunita, dourados como o seu rosto, e lembrar-me do seu sorriso e sorrir eu mesma, em silêncio.

Ataque cardíaco de paz (Varanasi)

DSCN4149

Um dia, eu vou aproveitar Varanasi. Descer e subir degraus, perder-me em ruelas, voltar ao barco a remos mas agora com todo o tempo do mundo. Um dia, eu vou aproveitar Varanasi. De manhã cedo. À noite. Com todo o tempo do mundo para me deixar ficar a ouvir uma oração de olhos fechados, e depois outra vez, de olhos abertos, para ver o desfile dos corpos antes da cremação e a cremação, para ver só quem passa por mim de barco e ficar a observar a maravilha que é estes barcos todos a encaixarem-se uns nos outros junto às margens. Para me sentar nos degraus, neste e também naqueles, e ficar ali, quieta. Um dia eu vou ver tudo o que me apetecer em Varanasi como se o tempo tivesse parado para mim, só enquanto cá estiver. A todas as horas que me apeteça, sem horas porque as horas vão ter deixado de existir. Não vai ser hoje, nem amanhã.

Estou na Índia a convite do Ikea. Eu e outros jornalistas, num grupo com pessoas que trabalham em diferentes áreas da multinacional, da Austrália à Suécia. No início, nem somos muitos. Quatro pessoas Ikea e, para além de mim, duas jornalistas polacas, uma australiana e um belga, mais uma fotógrafa contratada para acompanhar a viagem. Em Varanasi, junta-se a nós uma indiana que não é daqui mas ficou daqui “por casamento”. Chama-se Dipti, sorri muito e faz de guia numa cidade que não é a sua (nem ela é guia, tradutora nem coisa nenhuma que se pareça, fundou uma cooperativa para ajudar mulheres que queiram trabalhar fora de casa). Estamos todos em Varanasi e a Dipti é o que de mais parecido temos com um guia. Há uma tarde para passear, acabo de descobrir, o trabalho só começa amanhã.

Vamos esquecer o Museu Sarnath (o museu arqueológico mais antigo da Índia). Ou o Stupa de Dhamekha (que vale muito a pena) dedicado a Lord Buddha, também em Sarnath, repleto de turistas e crentes indianos e com mais bancas a vender bugigangas em redor do que templos ou coisas para ver e visitar. Vamos até esquecer o caos do trânsito desta cidade, dizem que não há outra assim na Índia (se me disserem que não há outra com tantas vacas, nisso sim, eu acredito), Varanasi, “o caos pacífico”, diz a Dipti, porque quando se encontra a paz no meio do caos a paz é ainda mais especial, imagino eu. Vamos apenas concentrar-nos no que importa aqui. É qualquer coisa de muito maravilhoso e chama-se Ganges, o Ganges em Varanasi. A Dipti tem defeitos, mas decidiu que na metade de dia disponível que teríamos na cidade que a adoptou por casamento ia incluir uma pequena viagem de barco no Ganges. E só por isso tem de ser boa pessoa.

DSCN4141

A Dipti escolheu um barco a remos – também há a motor – e então é que decido que deve ser mesmo boa pessoa. Mas a quem é que passa pela cabeça meter-se num barco a motor, com o barulho do motor, aqui, logo aqui, onde se vem para encontrar a paz. Estava mesmo a anoitecer quando entrei no barco. À ida, andámos a bom ritmo, a corrente remava connosco. Não consigo encontrar as palavras certas para descrever a confusão que se viveu nos meus sentidos. Por um lado, os meus companheiros de viagem não paravam quietos, um tentava fotografar tudo o que mexesse, outra fazia mais ou menos o mesmo. Outras ensaiavam selfies em vários momentos e posições. Enfim, entre uns e outros acho que só me salvei eu e a Dipti. Mas a Dipti, claro, não se calou nem por um momento, o que até faz sentido; afinal, estava a descrever-nos tudo e a explicar o que víamos. Dipti, obrigada pelo esforço. A verdade é que preferia que tivesses explicado menos. Mas não faz mal. Tudo bem. A sério.

Eu não encontrei a paz, mas às tantas a paz encontrou-me a mim. E então já nem ouvia a tua voz, Dipti, nem o som das vossas máquinas K. e P., nem os risos das vossas selfies, meninas. Acreditem se quiserem. Mas a certa altura fiquei só mesmo eu e o Ganges, o que é uma loucura porque o Ganges, este Ganges, são muitas pessoas e coisas a acontecer em simultâneo: gente sentada em escadarias que acabam em palácios, templos, edifícios que já abrigaram gente tida por divina de diferentes tipos e em diferentes tempos; escadas que não sei onde vão dar e, por agora, decido que não têm fim; os corpos a serem cremados, a música que ecoa por aqui e por ali, a oração ao Ganges e, logo a seguir, outra oração ao Ganges. O sol pôs-se e as luzes são irreais, o azul do céu é estranho, a outra margem quase só se adivinha, lá ao fundo, ao fundo, há luzes, muitas, mas na nossa margem a iluminação é escassa e faz-se tanto de lâmpadas como de velas e tudo isso é mesmo mágico. Há barcos que passam por mim com três ou quatro amigas a bordo, miúdas. Barcos cheios de gente como o meu ou até mais. Um barco enorme, gigante, com um casal e uma senhora mais velha só lá dentro. Os sons são incríveis também. Tudo isto é som, tudo isto é cor, tudo isto é ao mesmo tempo silêncio e por uns momentos paro mesmo de respirar. E fico só eu ali, eu e tudo o que se passa à minha volta.

DSCN4153

Lembro-me da primeira vez que fiz snorkelling, em Soqotora, uma ilha que calhou ser iemenita mas podia ser somali ou indiana. Foi ao acordar, disseram-me “vai” e eu fui, e ainda hoje acredito que tive um pequeno ataque cardíaco de tanta emoção. Não aguentei quase tempo nenhum, era demasiado tudo o que via e sentia.

Às vezes, de comoção, não sei se é o coração que me pára se são os pulmões que decidem descansar só um bocadinho. Só sei que é muito, tanto, e eu quase não aguento mas depois fica tudo bem. Tudo bem, não. Fica muito melhor, fica muito mais do que era antes, uns minutos antes, uns segundos apenas já chegam. Não fico outra, fico mais eu, uma eu melhorada ou, pelo menos, mais cheia e feliz, e isso é mesmo tudo. Varanasi e o Ganges foram um desses episódios. Acho que deixei de respirar antes mas só tive consciência disso quando o barco parou e eu subi para outro barco e depois ainda outro até me sentar e ser, por fim, uma entre os outros que ali estavam, sentados ou em pé, a ouvir a música e a oração. Dei por mim com um daqueles sorrisos especiais, que se plantam sem grande aviso no rosto, logo a seguir a uma destas paragens (cardíacas, respiratórias, eu sei lá, são ataques de emoção, é o que eu acho), e nem que eu tentasse desfazê-lo – o sorriso – sei que não seria capaz.

DSCN4147DSCN4138

O prazer era muito e foi injustamente interrompido. No meu barco, que eu já descartara, só esperava que se esquecessem de mim, havia quem quisesse regressar ao hotel por se ter esquecido do repelente e quem quisesse ir dali para uma loja de roupa que a Dipti conhece. No início, nem estava a perceber, acho que até a Dipti ficou confusa: vai haver música e mais uma oração, disse ela. Enfim, nem quis pensar muito nisso. No regresso, que demorou muito mais porque remávamos contra a corrente, voltei à minha bolha, eu estou em Varanasi, aqui no barco não há mais ninguém. Só na margem percebi que já se estava a planear um regresso relâmpago pela manhã. Uns queriam fotografar, há ioga nas escadarias maiores um bocado após o nascer do dia, outros queriam andar por ali. Pois, isso também eu. Mas o plano não era dos meus. Sair do hotel às 4h30 (isso ainda vá, apesar de não ter dormido na véspera), estrada, chegar, apanhar um barco (a motor!), meia hora e recomeçar o regresso a tempo de sairmos todos pelas 6h15, a hora de começar o programa oficial do dia. Não. Não, não quero. A sério, obrigada. Divirtam-se. Aproveitem.

Disseram que foi incrível, eu acredito mas não me importo. Na pior das hipóteses, atirava mesmo um deles ao Ganges. Na melhor, era tudo o que eu não queria. Antes guardar na memória da pele e dos sentidos todos aquele bocadinho em que a paz me encontrou. Um dia eu volto, Varanasi. Com tempo, sim? Com tanto tempo que vai ser sem tempo. Até já.

DSCN4183

This is India – versão Bollywood (em Deli)

DSCN3939

Nas primeiras horas acordada em Deli cansei-me a andar, mas sabia que o sono ia demorar – afinal, dormi muito mais do que o habitual logo que cheguei. Como tinha de acordar cedo e já andara sem destino, decidi que a noite seria passada a escrever umas coisas que trazia em atraso. Despachar pendentes para me livrar deles e não pensar mais nisso. Ora, eu fumo. E quando posso fumar enquanto escrevo escrevo mais depressa. Ora, o meu quarto não tem janela mas o hotel tem um jardim e é preciso explorá-lo. Na verdade, como descubro em meia dúzia de passos, o hotel tem dois jardins separados, é descer umas escadas e depois decidir, um fica para a esquerda, o outro para a direita. Chegada ao fundo das escadas, torna-se óbvio para que jardim me vou dirigir. E começa a ficar claro que trouxe o computador ao ombro para nada; há uma festa no jardim e parece muito, mesmo muito animada.

Sim, antes de completar 24 horas na Índia dei por mim a crashar uma festa Bollywood, uma festa a propósito da estreia de um filme que era ainda uma homenagem a uma cantora em particular. Tudo no jardim do meu hotel, o tal sem grande piada na auto-estrada do aeroporto, lembram-se? Festa a rodos, bares feitos com claquetes como cenário em fundo, um palco, muita gente a dançar ao pé do palco e em cima do palco. Muita gente a dançar sem parar, ou quase (às vezes param para falar ao telefone, que é coisa que já percebi que por aqui se faz mesmo em qualquer parte e a qualquer momento, é quando calha, esteja o mundo a cair ou não, esteja quem estiver e passe-se o que se passar). Muitas, mesmo muitas mesas redondas bem postas mas com pouca gente sentada nas cadeiras à volta. Um ou outro já dorme, cabeça sobre a mesa, suspeito que adormeceu de beber.

Numa sala imediatamente antes do jardim, com vidro em vez de paredes, há toda a comida que eu queira experimentar e mais ainda. A sério, não dá para acreditar. A inveja de qualquer casamento português (eu sei, eu sei, não sou a maior especialista em casamentos, não tenho culpa, a responsabilidade é dos meus amigos, mas em miúda os meus avós paternos arrastaram-me para muitos, ainda me lembro). Algumas dezenas de pessoas comem, os casais mais velhos, um ou outro jovem vem de vez em quando encher um prato ou apanhar um nan ou roti que são feitos ali, numa mesa já do lado de fora da sala, numa espécie de terraço que dá acesso ao jardim. Mas a maioria das pessoas que está nesta festa nunca se afasta da pista de dança mais do que os metros necessários para alcançar um dos três bares disponíveis ou as mesas laterais repletas de garrafas de água pequenas (250 ml, acho que estou a ficar viciada nestas garrafas; para mim, que ando sempre com uma garrafa atrás, para ir enchendo durante o dia, são perfeitas, ou quase, cabem em mais malas, não em todas, mas em muitas mais), recarregar os copos e refrescar a sede e a cabeça. Muitos nunca param nem para beber, só abrandam quando a música abranda e voltam a acelerar quando é isso que pede a melodia ou a cantoria.

DSCN3946 DSCN3977

Passado algum tempo percebo que entre as pessoas mais velhas, as que comem, é que estão as estrelas. Às tantas vem um senhor com ar de ser o gerente do hotel, acompanhado por mais uns quantos, e põem-se em fila para cumprimentar uma senhora especialmente bem arranjada, e depois mais umas quantas. As estrelas, as estrelas que eu não faço ideia quem sejam. Podia investigar, mas prefiro não interferir. Estar aqui já é bem bom, perfeito mesmo.

Não sei se se pode chamar cliché a uma coisa que nunca aconteceu aos meus amigos que já vieram várias vezes à Índia. Mando uma fotografia a uma amiga que cá esteve cinco semanas, em duas viagens. “Nunca vi indianos tão ocidentalizados enquanto aí estive. E tu nem há um dia chegaste…” Enfim, as reacções foram variadas o suficiente. A verdade é que eu crashei uma festa de Bollywood no meu primeiro dia. Comi tudo o que me apeteceu, bebi muita água que a noite estava quente mas o que mais fiz foi mesmo deixar-me ficar a ver, a rir com os grupinhos de rapazes e raparigas, com as suas interacções, com a maneira como se desafiam uns aos outros para dançarem de forma mais ousada ou vistosa. Escolhi a minha miúda favorita e nos vídeos percebe-se qual era. Fiquei a torcer para que se divertisse mais do que os outros todos. Escolhi o meu miúdo preferido mas depois ele subiu a uma cadeira e arrependi-me, ofereci-me uma segunda oportunidade e depois escolhi outro que foi dançar para o pé do grupo de amigas da minha favorita e tem a camisola completamente encharcada. Homens a dançar sem vergonha é coisa que eu muito prezo (sempre tive amigos incapazes de o fazer, incluindo alguns namorados), não há muita margem para se ser mais desavergonhado do que isto.

Às tantas, também percebi que isto tudo estava, obviamente a ser… filmado. Com tanta cor e animação, demorei a olhar para o centro do jardim, onde estava erguida uma megacabine de som (uma espécie de PA multifunções), só que tinha mesmo uma equipa de filmagem lá em cima, uns senhores sentadinhos atrás do tripé. De vez em quando, alguém ia ao meio da pista de câmara ao ombro. Mas eu mal dei por estas movimentações.

Ver gente a divertir-se à séria pode ser mesmo muito divertido. Especialmente se isto é a Índia e eu acabei de cá chegar. Bollywood sem fazer nada por isso? Sem sequer pôr um pé em Bombaim? Sem sair do hotel? Comida e diversão de graça, com fotografias e vídeos e muitos, muitos sorrisos de brinde? Check; check; check. Sim, sim, sim. Não sei se é de mim ou da Índia. Não sei nem quero saber. Só sei que me estou a divertir à grande e sem esforço. This is India e eu estou mesmo a adorar.

DSCN3947

A A. e o M. vêm comigo

Há alguns anos disseram-me que assim que chego a um lugar diferente mudo, parece que se nota na voz ao telefone, por exemplo (agora já nunca falo ao telefone com ninguém, a não ser em trabalho). Eu sei que é fácil sentir-me em casa depressa, não aconteceu em todo o lado, mas quase. E há pessoas que por isso me sentem a ficar mais longe, à medida que vão crescendo os dias. Eu gosto de me sentir em casa depressa, do conforto de me sentir segura nas ruas, nos transportes, da facilidade que costumo ter em conversar com pessoas mesmo quando quase não temos vocabulário em comum. Sei que desligo com facilidade dos problemas que deixo em casa, não que desapareçam, o que acontece é passarem a ocupar outro lugar, um pouco mais nublado e não tão à mão, e também fico contente por isso. O mais certo é os problemas continuarem no seu sítio quando eu voltar. E eu vou voltar, isso é mesmo certo. Mas também trago comigo as pessoas, de certa maneira. Ou vou mandando emails, por exemplo, a partilhar experiências com algumas. Ou penso nelas, em várias pessoas e em grupos de pessoas, mais ou menos por razões do momento ou outras.

Desta vez, sabia que ia trazer a A. comigo de uma maneira especial. No início deste ano, andava eu especialmente em baixo, e a A. pediu-me para a ajudar a planear uma viagem à Índia, uma viagem especial, para completar a sua formação em ioga e poder, um dia, tornar-se ela própria formadora, mestre. Não sou especialista, mas comecei a investigar e claro que ia ajudá-la. Porque adoro planear viagens, e a A. lembrou-se de me pedir por isso, e também porque a A. me fez este pedido porque eu não estava bem e ela queria distrair-me, dar-me algo bom em que pensar.

Não é assim tão fácil. Como já me confirmou por aqui a Ulrika, que é sueca e fez um retiro de ioga de um mês há dez anos nos arredores de Kerala, no Sul da Índia, “há muitos esquemas, em zonas com mais turistas, ainda mais, é preciso ter cuidado”. Enfim, agora é a A. que não está bem. Vai ficar, mas agora não está, não está mesmo nada bem. E apercebi-me durante o meu primeiro passeio sem destino que a vou trazer muito em permanência comigo. Já tinha decidido que ia escrever-lhe mais emails do que a outras pessoas, para ela ir vivendo um bocadinho disto. A A. já não fala em vir à Índia, mas eu sei que um dia ainda vai fazer a viagem, com retiro e tudo. Já não deve é acontecer para o ano, como ela planeava. Enfim, esta viagem é dela, também, e muito. Já sabia que ia ser, mas agora que cá estou, agora que a viagem começou realmente, penso tanto nela que percebi que esta é quase uma viagem a duas. Depois conto-lhe só a ela a conversa toda sobre retiros de ioga por cá com a Ulrika. Tirei notas e tudo, para a A., enquanto ouvia na cabeça o The Book of Love, do Peter Gabriel (também já ouvi sem ser só na cabeça, entretanto), que é uma canção que me lembra sempre a A. feliz.

A andar sem destino também me apercebi que o M. me vai fazer companhia, não como a A., de outra maneira. Acho que foi por me ter pedido uma carta ou um postal e me ter dado a morada. Há tanto tempo que não escrevo cartas nem mando postais enquanto viajo. E costumava fazer tanto isso. Há amigas de quem guardo imensos postais – espero que elas também guardem alguns dos meus. Costumava escrever a várias, à minha mãe também. E não precisava de pedir a morada a ninguém, ou sabia de cor ou já tinha sempre comigo num caderninho. Desta vez, por causa do M., já pedi a morada a várias amigas. Com uma já troquei muitos postais há muitos anos, com outras menos mas alguns, com as outras vai ser a primeira vez. Em dois casos, quero é escrever aos filhos delas, mas não lhes disse. Só lhes pedi as moradas. Depois tenho de agradecer ao M. por me ter pedido uma carta ou um postal.

Fotos: Stupa de Dhamek, nos arredores de Varanasi. Estes stupas são pré-budismo, locais onde os ascetas eram enterrados sentados; em redor, há umas bases de pedra onde os seguidores de Buda se sentam para o celebrar

This is India

This is India 4

Dormi muito mais do que contava, meio jet lag, meio cansaço genuíno e puro. O pequeno-almoço já acabou há umas horas, mas encontro no quarto duas bolsas de café e maneira de ferver água. Não faço ideia onde estou, só sei que é a auto-estrada do aeroporto, eu vim dali, o resto da cidade deve ficar para acolá, não sou eu nem sou ninguém se não sair daqui a pé, para dar um passeio. Hei-de chegar a algum lado, certo? Claro que sim.

Então, auto-estrada quer dizer que não há passeios (imagino que nem sempre há passeios quando não se está numa auto-estrada) e que há muito trânsito, um trânsito feito de grandes autocarros, camiões, carros de todas as dimensões, tuk-tuks de várias cores, muitas, muitas mas mesmo muitas motas e bastantes bicicletas. Já no caminho lembro-me que só quando entrei no carro do Diipac me veio à cabeça que aqui se conduz pela esquerda. Claro que sim. Só não me tinha ocorrido. Tento andar de frente para o trânsito, como mandam as regras e a lógica, mas quando viro à direita, depois de um grande cruzamento onde há um viaduto do qual nascem vias sobrepostas em altura, o espaço para mim começa a ser cada vez mais pequeno – e as ultrapassagens são tantas que às vezes não importa assim tanto estar de frente para o trânsito.

Esta estrada está cheia de quintas, pequenas propriedades de onde ocasionalmente saem camiões e, menos vezes, pessoas. Ainda vai demorar um bom bocado até chegar à civilização, enfim, a ruas com cafés e lojas e pessoas, muitas pessoas que não estejam em viaturas motorizadas ou só de duas rodas. Daqui a pouco já vai haver algumas pessoas nesta estrada, poucas, uma ou outra paragem de autocarro e alguns peões que saem das quintas, se cruzam comigo ou param por um pedaço e encostam a bicicleta ou a mota. Aqui e ali, uma banca de ovos cozidos, tomate e pão.


This is India 5This is India (2)

Andar sem destino é das melhores coisas desta vida, ainda mais se for num lugar desconhecido. Mas tem os seus limites. Por exemplo, se ainda não fizemos nenhuma refeição o cansaço pode chegar mais depressa. Há terra na estrada e pó, aqui e ali alguma lama, mas em geral é fácil andar por aqui. Cheira bem por causa das quintas e nem se sente a poluição do trânsito, mas há trânsito, muito, e o barulho de mil buzinas em simultâneo e depois à vez, como se tocassem alguma música. Tendo em conta as milhares de viaturas que passam por mim e se desviam para não me acertar a cada cinco minutos, é até bastante fácil andar por aqui.

Eu sei reconhecer os sinais. Se dou por mim a deixar de sorrir para quem se cruza comigo, se me apercebo que já não sorrio perante situações em que o faria normalmente. Dicas para me avisar que a minha disposição pode estar a mudar, que a fome ou as dores nos pés ou o cansaço geral podem estar prestes a levar a melhor. Mau é ficar irritada. O pior que pode acontecer é ficar mesmo maldisposta. Sobrevivi ao primeiro passeio sem destino em Deli no meu primeiro dia na Índia. Andei quase quatro horas ao todo, talvez menos um bocadinho, com paragens para comer uma massa com vegetais (chawmeen vegetarian) e comprar bolachas, cigarros, uns sumos e água, em duas banquinhas diferentes (na primeira não havia maços, só cigarros avulso).

Quando estava quase a ficar irritada, parei e sentei-me numa espécie de muro perto de um senhor mais velho, também sentado, com um cão muito branco pela trela. Acendi um cigarro e deixei-me ficar a ver os carros e as pessoas. Passados uns dois minutos percebi que estava a metros do portão de uma escola e que os miúdos tinham espalhado a palavra e estavam a vir aos grupinhos espreitar para me ver. Quando estava quase a ficar com dores de estômago parei na primeira banca e bebi um sumo de maçã de pacote, coisa que nunca faço, mas me soube melhor do que muitos frutos frescos da vida. Logo a seguir, escolhi um sítio para comer e foi bem bom, comer e também estar sentada numa cadeira. Eram só duas mesas com quatro cadeiras cada e a minha companhia foi rodando, comecei com um casal jovem, acabei com um miúdo da escola a comer uma espécie de hambúrguer.

This is India 1

Voltei pelo mesmo caminho com a certeza que não me ia perder. Senti-me pequena o tempo todo. Quando soube que o Luís J Santos ia ao Japão, disse-lhe que ia ser Big in Japan, que é algo que sei que ele é em qualquer lado mesmo quando fica muito pequenino (como a ouvir o que lhe disse a Rina, à saída do Museu e Memorial da Paz de Hiroxima). Quando soube que vinha à Índia imaginei que ia ser tudo grande e tudo muito. É mesmo. This is India. This is India. Passa-me esta frase pela cabeça frequentemente, acho que nem se costuma aplicar à Índia mas é só nisso que eu penso às vezes.

Sempre que viajo tento escolher um mote para fotografar, um tema para me orientar entre tudo o resto. Podem ser “esculturas eléctricas” em Havana (as instalações eléctricas escultóricas e perigosas nos prédios da cidade), os nomes das mikroletes (pequenos autocarros) em Díli; os vegetais e as frutas ou simplesmente todas as coisas que se vendem em mercados, por estarem sempre dispostos com tanto encanto (foi o que me aconteceu em Damasco e Alepo, há onze anos). Aqui percebi que comecei logo a fotografar os cartazes, sinais de trânsito, mupis de publicidade, pinturas a anunciar lojas ou marcas. Podiam ter sido os transportes, podiam ser as vacas nas ruas de Varanasi, também me ocorreram os motoristas, às vezes são dezenas, todos juntinhos à espera de quem transportam, entretêm-se em pequenos grupos, quando são três ou quatro podem juntar-se num dos carros a ver um filme. Não sei se este tema vai resistir ao resto da viagem. Para já, está a impor-se. This is India e eles têm de se esforçar por serem notados, fazem-no com pinturas ou cartazes incríveis a anunciarem dentistas, cuecas ou uma escola. This is India e eu sinto-me mesmo pequena. This is India e eu já percebi que vou gostar de andar por cá.

This is India3

Dormir num quarto sem janela

Chegar às 2h da manhã a um hotel não tem mal nenhum. Chato é ser um hotel de não fumadores, mas por que raio é que isto existe na Índia? Pior, e não, não é só por causa dos cigarros, a janela do quarto não é uma janela, mas um vidro, se não abre não pode ser janela, pois não?

A opção são os jardins do hotel, onde também não é suposto fumar-se mas de certeza que há quem o faça. Ou a rua, pronto. Para chegar aos jardins é preciso descer escadas e fazer curvas. A rua está já ali. O pior mesmo é não ter janela, quem já foi a minha casa sabe que há pelo menos uma sempre aberta, faça sol ou mesmo muita chuva (ou barulho lá fora). E o hotel fica na auto-estrada do aeroporto, não é exactamente a localização com que sonhara; para o efeito faz sentido. É a vida. São 2h e apesar de ter dormido no avião sinto que o meu corpo não se estica há uma semana. Dormir.

“Ma’am, that’s so cute”

Quente, húmido, não tanto como esperava. O avião chegou com quase duas horas de atraso, já passava bastante da uma da manhã quando o comandante anunciou o início da aterragem e disse que estavam 24 graus. Pareciam mais quando pus o pé na rua já na companha do Diipac.

As primeiras impressões não são tudo, mas são alguma coisa e o Diipac vai ser sempre a primeira pessoa que falou comigo na Índia. Contou-me tudo o que entendeu contar e não foi pouco. Os turnos de 24 horas disponível para ser chamado pelo hotel, estar num quarto longe da mulher, dos pais e das duas filhas, não ter, aos 33 anos, dinheiro para poder dar-lhe a educação boa, na escola certa, nem para comprar os presentes que elas gostariam de receber. Estar longe da família logo por estes dias, durante o início do Diwali, o festival das luzes. “Hoje, há bocado, entre as 23h e a 1h a minha mãe levou a minha fotografia e eu fui abençoado sem lá estar.”

O Diipac chamou-me ma’am e claro que toda a gente me chama ma’am, a mim e a todas as ma’am que por aqui deve haver. Percebi com ele que tenho de estar mais concentrada para perceber tudo o que me dizem, dependendo do sotaque, claro, principalmente se estiver cansada. O Diipac fuma mas não tem dinheiro para cigarros e então fuma bidi, o tabaco enroladinho numa folha que experimentei pela primeira vez no Jesus, o restaurante goês de Lisboa, ainda ele não tinha ido de novo a Goa e regressado para reabrir noutra morada. Dois cêntimos de rupia compram 20 biris, da pior qualidade, hei-de descobrir; um maço de tabaco pode custar 50 ou 260 rupias, dependendo da marca e do lugar onde se compra. Os bidi são os cigarros dos pobres, na Índia fumam-se mais do que os outros e quando são da pior qualidade fazem ainda pior. Também podem ser cigarros naturais, com folha de tabaco e sem carbono, mas aí são caros. Um camarada fumador que encontro mais tarde diz-me que foi a pior coisa que já experimentou e tem medo de voltar a tentar.

Estava especialmente cansada e nem percebi metade dos sítios que o Diipac me disse que devia visitar em Deli. Claro que me deu o seu número de telefone e insistiu para lhe ligar. Eu não liguei (ainda) mas já o voltei a ver. Lembrava-se do meu nome. “Sofia, ma’am, such a cute, cute name, so many indian girls have it”. No segundo encontro, de manhã cedo, quando disse que ia a Varanasi, foi ele que não percebeu, isto às vezes funciona para os dois lados. Como eu lhe contei que costumo viajar em trabalho e calhou comentar que já passei pelo Afeganistão, achou que eu tinha dito o nome de um país qualquer esquisito. “Varanasia, Arabasia, Arasia”. Enfim, é verdade que me estava a levar de volta ao aeroporto. “Oh, ma’am, such a cute way you say Varanasi”.

O “gajo que anda” e o lenço das cerejas (Portela)

20160801_035415

Gosto de aeroportos. Como a Joana. Mais daqueles que conheço (como a Joana). Não é mais, é diferente, é outra coisa. Gosto de saber de cor o percurso mais rápido para ir de X a Z e ter a certeza do que vou encontrar pelo caminho, de saber que sei onde é o melhor e mais barato pequeno-almoço, a melhor Net, as tomadas perto das cadeiras boas, as melhores cadeiras para dormir, o caminho para a rua se não houver sala de fumo; gosto até de reconhecer mesas onde jantei, apercebi-me disto no outro dia, na Turquia; também sei sempre onde fiz compras de emergência (como aquele vestido em Barajas, depois de voar de Berlim com um febrão e de aterrar encharcada, o vestido era igual a um da MJ, como é que é possível). Às vezes, tenho saudades de aeroportos. Desta vez não tive. Foram 19 dias, menos umas horas. Estou na Portela a fumar. Gosto desta sala de fumo. Não tem varanda como a de Maputo ou um aeroporto que não vou dizer na Turquia, mais Palermo. Mas não é má.

Daqui a umas horas, Frankfurt, de tantas viagens mas agora quase nunca. Mais logo, Deli e isso vai ser bom. Como estar neste aeroporto mas melhor. Bom como só o desconhecido consegue ser. A Índia. Mundo novo para desbravar e desbundar. Estar aqui às 7h e sem ter ido à cama é especialmente bom por causa disso. Gosto de aeroportos, sempre. Mas ainda mais quando entro neles a saber que vou para longe que até pode ser perto, desde que seja novo e diferente, é longe. A Índia é longe. Sei-o bem. Imagino que vai estar aquela humidade das noites de Hudaida, no Mar Vermelho. Imagino mas não sei. Não há nada assim. Não dormi e sorrio para toda a gente. Para o taxista que não era muito simpático, para a senhora da farmácia, para os senhores e a senhora das malas, tanto para o senhor que me tirou um café Nespresso e me vendeu uma água e me desejou boa viagem, para esta gente toda aqui nesta sala de fumo.

Gosto mesmo de aeroportos. E das pessoas que encontro neles. São quase sempre simpáticas e é raro estarem maldispostas. Agora há sempre muitas a olhar para o teclado dos telefones, mas ainda há as que olham à volta como eu, a deixar parar os olhos umas nas noutras. Acho que é para confirmarmos que estamos todos bem-dispostos, contentes, por estarmos vivos. Viajar faz-nos isto e então não faz mal não ter dormido, comido, tomado banho, seja o que for. O senhor simpático que me tirou o café bem disse que a água estava fresca. Só de mexer não me pareceu. Agora que bebi, está mesmo fresca. Tão bom.

Estão três senhores da ANA a fumar e a conversar sobre um passageiro de cadeira de rodas mas “que anda”, “se o gajo anda”, “para um gajo que anda tiveste de tirar mais um lugar”, é isto e jogos de computador; mesmo ao lado deles, está um senhor careca e de óculos numa cadeira de rodas, de certeza que não anda, é estrangeiro e não percebe. E eles riem-se muito, nem parece que estão a falar de “um gajo que anda”, só dos jogos de computador.

A água está mesmo fresca, quase demasiado fresca. É do Luso e diz no rótulo: “Às vezes não percebo o que queres. Mas o que eu quero é ver-te feliz”. Dou um cigarro a um rapaz que ficou sem mortalhas. Afasto-me um bocadinho para um casal de namorados se esparramar à vontade. Acendo o segundo e último cigarro da manhã.

Agora, fiquei com frio. Talvez tenha sido a água ou a falta de sono. O que vale é ter aqui o lenço das cerejas que a Joana me ofereceu há tempos.

 

O sorriso da Karen (Restelo)

 

HO - 25 MARCO 2009 - Passaporte PORTUGUES - PASSAPORTES UNIAO EUROPEIA EUROPA

Eu vou à Índia. Amanhã. Hoje, quando falo ao telefone aqui do meu pequeno exílio no Restelo, há quem duvide. “Mas tens a certeza que vais ter o visto a tempo? Sabes que é amanhã, não sabes?” Ou: “Mas sabes que horas são? Como é que podes ter a certeza?”

Sei, sei isto tudo, mas sei que vou. As palavras que se seguem dirigem-se aos que não são como eu, não acreditam (mesmo) que vai correr tudo bem quando a lógica parece indicar o contrário, para aqueles que stressam antes de viajar, por exemplo. Eu não stresso nem quando perco um avião (e sim, já perdi alguns).

Então, para quem não é como eu – se forem, podem achar graça na mesma, mas menos –, saibam que conheço quem tenha ido para a China em vez de ir para a Índia porque o visto demorou, é um amigo, português, passageiro muito frequente. Tenho outro amigo, um professor americano ex-jornalista mais velho que até viaja bastante, em trabalho, que tentou desistir e avisar a Universidade de Deli que o contratara que afinal já não ia. Foi, mas quis desistir por causa do visto (não por causa do enjoo de caril que diz ter trazido; aparentemente, nunca mais conseguiu comer caril – a mim essas coisas de enjoos com um tipo de comida também não me acontecem). Enfim, experimentem perguntar a alguém que já tenha ido à Índia como é que é com o visto. Pois, eu também nunca tinha perguntado até precisar de um.

Não desesperem, nunca. Nem se zanguem com a Karen. Nunca.

A primeira vez cheguei demasiado cedo, a segunda não me deixaram entrar por 2m. À terceira já dominava horários (o consulado em Lisboa, na mesma moradia da embaixada, Rua Pero da Covilhã, n.º 16, no Restelo, abre das 9h30 às 12h de segunda à sexta, menos à quarta) e sabia que a fila começa bem antes da abertura. Por exemplo, se chegarem antes das 9h ao portão, um bocadinho, vá, podem conseguir a primeira senha V (visto) do dia e serem os primeiros a serem atendidos lá em baixo (entra-se, sobe-se umas escadas, descem-se outras, atravessa-se o pequeno jardim e põe-se o pé onde tudo acontece). Tem tudo para correr bem. Ou não.

Antes disso, e não é uns minutos antes de saírem de casa, é mesmo na véspera de lá irem, pelo menos, têm de fazer o pedido de visto no site da embaixada. Depois, é preciso imprimir o dito cujo, juntar-lhe duas fotografias, o passaporte, claro, e o comprovativo do bilhete de avião. Sim, não está lá escrito e se telefonarem ninguém vos diz, mas têm de levar o bilhete. E, já agora, levem tudo o mais que se vos ocorrer. Nunca se sabe.

“É relativamente recente, tem uns seis meses”, explica a vários potenciais turistas incrédulos um senhor que faz vida disto, trata dos vistos dos outros.

“Eu já fui seis vezes à Índia, nunca me tinham pedido isto”, diz um jovem português, acompanhado de uma jovem também portuguesa que nunca foi. “Eu avisei-te, eles são doidos.” E, depois, para o senhor: “O que não é novo é a burocracia indiana. Acho que nunca foi igual de nenhuma das vezes que pedi visto. E nunca foi fácil.”

Também, que exagero. As três senhoras amigas que tinham a senha V1 foram as primeiras a desistir e a ir trabalhar. Não tinham trazido os bilhetes, apesar de virem armadas de umas pastinhas que pareciam conter lá tudo o que dizia respeito à viagem. Acho que até tinham comprovativos de vacinas, reservas de hotel e extractos bancários. Nunca se sabe. Desta vez, o que era preciso era o bilhete de avião e isso não tinham levado. Aqui, no Restelo, não serve mostrar nada no telemóvel. A opção, como fizeram os dois jovens, que só tinham a senha V5, é ir à procura de uma loja para imprimir e voltar de papel na mão, com sorte ainda a tempo de chamarem a senha que nos foi dada à chegada.

É preciso paciência? Sim. Mas não vale mesmo a pena desesperar. A mim nunca me enganaram, quando a Karen deixou escapar, logo ali, no primeiro encontro, que o visto podia ficar pronto de um dia para outro (quer dizer, estando tudo bem, é imprimir um papel noutro, não é?), a legitimidade do poder da burocracia ficou logo a perder para o meu optimismo. Mesmo quando já não tínhamos um dia (o meu voo é às 8h25) e o raio do visto continuava por emitir.

O meu caso foi especial, pedi visto de jornalista. Diz-me a experiência que isso é bem pior. Aqui nem sei dizer. Foi diferente. Por exemplo, lembram-se do comprovativo do bilhete? Nunca cheguei a levar. Mas foram precisas outras coisas que na verdade eram só uma e o único problema foi que as caixas de email da embaixada não suportavam o tamanho do raio do documento que provava onde é que eu vou na Índia e de que nacionalidades são os jornalistas na mesma viagem. Tudo o que o senhor secretário me disse para justificar a necessidade desse documento (eu já tinha uma carta de convite da empresa que me… convidou) não tem justificação na realidade (“Assim que entras eles sabem automaticamente que és jornalista” – a sério?!; “Se eu souber os nomes dos outros é tudo mais rápido” – nem pensar, eu sei lá que tipo de visto é que eles pediram, ficas com as nacionalidades e já é bem bom) mas tudo bem.

20161019_112926

Ao final da manhã da véspera da minha viagem, dia em que o consulado não abre para tratar de vistos, o raio do anexo continuava sem chegar a nenhum dos emails. A Karen, que me pusera à vontade, ela nem deu por nada, foi um sorriso a fugir, mas foi o sorriso que me fez ter a certeza que o visto estava no papo, lá me sugeriu que fosse imprimir o raio do documento sem o qual o senhor secretário não podia dar a ordem para ela emitir o visto. Isto porque ela queria ir almoçar. E eu que só queria sair dali e fumar um cigarro, aceitei (já tinha desistido de insistir para ela me dar o email pessoal, qualquer gmailzinho recebia isto em 30 segundos, a vossa net, aquela que eu apanho, pelo menos, não é boa, mas chega). Mas não, à saída encontrei o senhor secretário e ele lá me conduziu a uma secretária com um computador noutro edifício, ainda encontrou a Karen e a colega antes de saírem para almoço, não podia ser ele a ligar o computador e a verificar se eu sabia entrar no meu email e imprimir um papel. A Karen apareceu, eu fiz o que tinha a fazer, fomos todos almoçar.

Depois, bem, depois de almoçados ainda levou quase hora e meia até o meu passaporte estar na minha mão com uma página nova colorida e um visto de três meses para a Índia. Fiquei cheia de dores de costas, ia ficando constipada (o segurança, a querer ser simpático, acendeu-me as luzes da parte da tarde, quando já não havia ninguém na sala comigo, e com as luzes ligou-se o raio da ventoinha), perdi tempo em que podia ter feito tantas outras coisas, como apanhar a roupa da corda, por exemplo, folheiei vezes sem conta o calendário 2016 ao lado dos livros de colorir para os miúdos. Mas tenho o visto. E vou para a Índia. Já vi gente desistir por menos. Ou ter um pequeno ataque de nervos. Eu não. É a minha paciência e crença no mundo e no melhor das pessoas. Não, foi mesmo o sorriso da Karen. Eu vou à Índia.