Conta-me histórias, Berlim

Comecem uma conversa com um habitante de Berlim sobre a cidade e o mais provável é que o termo mudança acabe por aparecer. A capital alemã está sempre a mudar, dir-lhe-ão. Há sempre alguma coisa nova a acontecer – um bar novo que abre, uma loja desconhecida que aparece subitamente na esquina familiar, um eléctrico […]






Em Tempelhof, os superdesportivos até voam. Mas “don’t touch!, don’t touch!”

Se Albert Speer, arquitecto e ministro durante o III Reich, aterrasse hoje em Tempelhof não acreditaria no que se transformou esta estrutura, importante vértice dos seus planos de reconstruir Berlim na década de 1930. Inaugurado como aeroporto em 1923 e reconstruído a partir de 1934 com características que pretendiam afirmar o poderio germânico, já foi […]






E a comida alemã?

Em Berlim come-se vietnamita, turco, indiano, italiano, espanhol (há tantos restaurantes de tapas!)… Mas não alemão. Muitas pessoas dizem mal da “comida alemã” sem nunca terem experimentado nada para além de fast-food, e a cozinha alemã é muito mais do que chucrute ou currywurst. O primeiro restaurante alemão desta viagem foi o Café Marx, encontrado […]






Um café activista

O Café Morgenrot é especial por causa do seu conceito de pequeno-almoço: o buffet custaria normalmente cerca de 7 euros, mas pode-se pagar entre 5 e 9, conforme a situação financeira. A ideia é que quem ganhe mais pague mais, para quem ganhe menos pague menos (quando escrevi sobre o café para o Fugas, no […]






Viagem em diferido

A viagem a Berlim está a acabar. Deixei algumas coisas por fazer e tenho alguns desejos para a próxima vez: queria que estivesse um filme do Fatih Akin nas salas (desta vez estava só num dia e acabei por não conseguir ir ver), queria que fosse Inverno para poder ir à Winter Badeschiff (uma piscina […]






Do karaoke no muro ao concerto no bar-loja-de-tatuagens

Um exemplo de um dia multifacetado em Berlim: comecei a tarde em Prenzlauer Berg no Prater, um jardim (biergarten, sobretudo com cerveja e grelhados), escondido atrás da Kastanienallee e anunciado por letras feitas em lantejoulas gigantes que fazem barulho como espanta-espíritos, se por acaso soprar algum vento. Pouco depois passei no Mauerpark, já não para […]