O Caldeirão abriu-se e foi para sempre

Caldeirao com nevoeiro na Ilha do Corvo , Acores . Corvo , 04 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

Repare-se bem nesta imagem. Imagine-se esta imagem ao vivo. A fotografia do Enric viaja-nos até este monumento incomensurável da ilha do Corvo, faz-lhe justiça. E ao vivo e a cores vos digo: custou, que fácil não foi, mas é uma imagem para sempre.

Se bem se lembram, tínhamos ficado de olhos fechados pelo nevoeiro, sem direito à prometida visão redentora que é o Caldeirão, mas não tínhamos perdido a esperança. Portanto, no dia seguinte, com outros planos aos pés do monte, dedicamo-nos a distribuir pedidos de «Alerta Caldeirão».

Caldeirao na Ilha do Corvo , Acores . Corvo , 05 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

É que a manhã acordou nublada (até íssima) lá para cima. Aliás, já estou bem treinado: ao primeiro salto da cama, à primeira janela, à primeira lembrança, levo logo os olhos ao topo do vulcão para ver como estamos de névoas. E ia fingindo já saber ler o vulcão, como se um turista de meia tigela se pudesse tornar em pouco mais de 24 horas um professado intérprete das manias e sabedorias da ilha. Ora, meus amigos turistas e viajantes, isso leva toda uma vida e não vale a pena armarmo-nos em espertos, que a esperteza, aliás, está em conversar com quem sabe e admitirmos a nossa ignorância.

Ilha do Corvo , Acores . Corvo , 05 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

Vai daí, foi lançado o tal «Alerta Caldeirão» e este, qual sinal de Batman, cruzou a vila que se aninha resguardada, atravessou o seu labirinto à beira-mar, chegou à câmara e ao seu presidente José Manuel Silva, à nossa casa de hóspedes e ao seu guru, o sr. Manuel Rita, e à filha, Katy, passou pelo Ecomuseu que se está por aqui a criar e dois dos seus representantes, Eduardo Guimarães e Sandra Quaresma. Até mais: o alerta chegou aos 400 habitantes da mais pequena ilha dos Açores.

É que esta, além da mais humana e amigável das ilhas, é muito dada às evoluções tecnológicas e à comunicação virtual, isolamento oblige. Assim que publicámos um post sobre a frustração de não ver o Caldeirão aberto ao sol, com uma foto onde uma cortina de aço nos bloqueava a vista, toda a gente na ilha ficou a saber. Porque aqui quase toda a gente está no Facebook e ligado à net, não só para acompanhar o mundo, mas para acompanhar ainda melhor cada momento da vida da ilha.

Vila do Corvo n Ilha do Corvo , Acores . Ao fundo ve se a ilha das Flores . Corvo , 05 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

E foi assim que o Caldeirão abriu enquanto passeávamos com a Sandra e o Eduardo, descobrindo a história rica da ilha tornada um museu vivo no sentido mais pleno da expressão. Enquanto passeávamos por calçadas e casas vulcânicas, ouvíamos vizinhas darem dicas ou artesãos a explicarem a sua arte. «Alerta Caldeirão!» poderia gritar-se como nos velhos tempos se gritaria um «Alerta Baleia». Eduardo tinha posto de sobreaviso o Fernando, o Lubélio, se calhar toda a ilha, e eis que surge o sr. João e uma carrinha para nos transportar com urgência os olhos aos cuidados intensivos da mais pura das puras Naturezas.

Ilha do Corvo , Acores . Corvo , 05 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

E foi assim que, pela primeira vez, entrámos de rompante no Caldeirão e ali ficámos, envoltos num vento que já não tememos, a absorver, entre aberturas e fechos nublosos, toda aquela beleza. Essa que as fotos testemunham.

E assim que voltámos cá abaixo à vila, e quando nos estávamos a aproximar da nossa casa, sabem o que aconteceu? A Katy, do Comodoro, sorriu-nos e lançou novo «Alerta Caldeirão». “Abriu!, querem subir lá acima? Ao pôr do sol é lindo.” (E a Katy mostrou-nos uma foto que só vista, contada ninguém acredita.) Eu bem lhes dizia que o Caldeirão é mágico mas nós também. Ao fim da tarde, voltámos à caldeira para ver o princípio do fim do dia. O vento, talvez por já nos conhecer, até amainou. Deixou, então, o corpo seguir à vela enquanto a lagoa do vulcão se ia tornando um mar de prata, num verde lentamente a escurecer.

Isto pode ser beleza mas há aqui um qualquer amor também a surgir. Pode amar-se uma ilha?

Caldeirao na Ilha do Corvo , Acores . Corvo , 05 de Abril de 2016 . ©Enric Vives-Rubio

Luís J. Santos (texto) e Enric Vives-Rubio (fotos) viajam com o apoio da Direcção Regional de Turismo dos Açores

______________________________________________________________________

Fugimos para as ilhas e andamos por aqui a contar tudo. Siga os viajantes da Fugas pelos Açores e pela Madeira. Também no Instagram @fugaspublico
Esta entrada foi publicada em Açores, Portugal com os tópicos , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/emviagem/2016/04/06/o-caldeirao-abriu-se-e-foi-para-sempre/" title="Endereço para O Caldeirão abriu-se e foi para sempre" rel="bookmark">endereço permamente.

9 comentários a O Caldeirão abriu-se e foi para sempre

  1. Parabéns pelo seu texto.
    Para além da beleza, incondicional, do Caldeirão, do Corvo e de tudo o que as Ilhas nos dão e proporcionam, ler as suas palavras (com todo o sentimento que transmitiram) foi, para mim, uma verdadeira “emoção”!
    Muito obrigada!

    Responder
  2. A Natureza no seu maior esplendor!, que deve ser “resguardada” das mãos erradas de um qualquer interesse desadequado ou impróprio!
    Que não falte meios e condições aos responsáveis do Ecomuseu para que possam
    concretizar o extraordinário projecto que empenhadamente se dedicam, tornando a ilha do Corvo num museu vivo onde as suas gentes possa interiorizar e passar testemunho da importância do Lugar diferente e especial do planeta! Visitarei assim que me for possível. Obrigada pela oportunidade.

    Responder
  3. Pingback: O Caldeirão abriu-se e foi para sempre – Em Viagem | AICL Colóquios da Lusofonia

  4. E não só! Não existe apenas o Sr João Mendonça a transportar os turistas que cá vêm à ilha, o sr. Carlos Reis que também tem os seus serviços, este senhor é conhecido por ter um snack bar chamado irmãos metralha!

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>