Cada viagem em grupo é um Big Brother (?)

Onze jornalistas, uma representante do Turismo de Marrocos, um motorista marroquino, um mini autocarro, seis dias e mais de 1400km. O que poderia correr mal? Tudo!

Mafalda e Marta. Ao longo de dois anos de faculdade fomos amigas, companheiras. De estudo às vezes, de dança sempre, de namoricos como era próprio dos tempos. Dávamo-nos tão bem que nos enfiámos no pequeno Fiat Panda branco da Marta, que conduzia com a segurança de poucos, e partimos rumo ao Algarve para passarmos o fim-de-semana com amigos que lá estavam. Foram trezentos e tal quilómetros, marcados pelo sobreaquecimento do valente veículo, pelas canções partilhadas, pelo calor. Depois, montar tenda. E partilhá-la. No regresso, pouco falámos. Passou. Mas ao longo daquelas horas já não nos conseguíamos suportar umas às outras. Às vezes é assim com amigos.

Notícia em “Le Journal de Tanger” sobre a visita de jornalistas portugueses à cidade

Mas como será com pessoas estranhas? Uma espécie de Big Brother, garanto-vos. Onze jornalistas, uma representante do Turismo de Marrocos, um motorista marroquino, um mini autocarro, seis dias e mais de 1400km.

O que poderia correr mal? Tudo!

Até porque, ao contrário do que acontece com o reality show, na “Grande Carrinha” não há vozes nem psicólogos, muito menos um confessionário para onde se possa fugir. Também não há romances ou pontapés. Mas, à semelhança do programa televisivo, não demora muito para que o nível de confiança atinja níveis que, “cá fora”, levariam uns bons meses, se não anos.

É que não é “24 horas sobre 24 horas”. Mas é no mínimo uma hora sobre outra hora, com um cigarro de intervalo, fechados num pequeno autocarro. Depois são as refeições ao longo das quais se partilham estranhezas (com direito até a algumas indisposições – bendito Imodium, passo a publicidade, mas é de levar uns quantos atrás nesta descoberta de sabores), os quilómetros palmilhados a pé entre pessoas que não entendemos, os cheiros que por vezes nos agridem (como nos locais onde se tratam as peles ou quando se atravessa uma extensa lixeira ao ar livre, por onde se passeiam animais), o cansaço…

E, no caso, até se poderia ter respondido a um qualquer inquérito. É que entre os onze que seguiam na carrinha, havia personagens para todos os gostos, mas nenhum passava entre os pingos da chuva. Talvez por uma questão de sobrevivência, focamo-nos apenas nos pontos positivos para que, dia após dia, seja possível aguentar os defeitos de pessoas que, até atrás de anteontem, nem sequer conhecíamos a existência.

Mas não tarda que as emoções se revelem à flor da pele (deixando alguns até de lágrimas nos olhos, quer por sensibilidade quer por empatia), que os egos se choquem, que os olhares enviesados se deixem de controlar. Por fim, já se combinam “nomeações”. Pena que as “expulsões” não estejam nas nossas mãos. Mas, como alguém não parava de dizer: “Os marroquinos estão a ver o que se passa ‘cá dentro’”.

Por outro lado, as gargalhadas tornam-se indescritíveis, mas bastante audíveis. E há piadas que só quem esteve “lá dentro” percebe. Até que tudo acaba e se pode sair finalmente daquela “casa”. É então que se é invadido por uma imensa saudade. Como se se estivesse a despedir de amigos.

É que, ao contrário do que sucedera naquela pequena fuga aos 20 anos, o sentimento que invade os “concorrentes” é muito semelhante ao que se nutre por aqueles com quem privamos há uma vida: conhecemos-lhes os traços mais negativos, mas até estes nos merecem o mais sincero carinho. Claro que, também ao contrário do que aconteceu com a Marta e a Mafalda, com as quais continuei a partilhar estudos, danças e paixonetas, neste “Big Brother” das viagens em trabalho corre-se sempre o risco de acontecer como na tv: a amizade ficar “lá dentro”. Porque o que acontece na “Grande Carrinha” fica na “Grande Carrinha”.

4 comentários a Cada viagem em grupo é um Big Brother (?)

  1. Correctíssimo.. tudo isto foi verdade !! … um grupo de amigos muito improvável, que não passaria em nenhum casting, uma grande surpresa portanto !!! Parabéns Carla, contaste maravilhosamente a história desta viagem. Impossível não recordar com carinho !!!

    Responder
  2. Que divertido ponto de vista ! parabéns nunca me tinha ocorrido ver as viagens de grupo como a entrada num Big Brother, mas já fiz algumas e é mesmo assim.
    E na próxima semana vou numa viagem para Marrocos durante 9 dias e de autocarro desde Lisboa…..
    Preciso mesmo de boa sorte, eu e os outros “concorrentes”
    Já conheço Marraquexe, mas obrigada pelas dicas.

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>